Desde o dia 4, servidores do parque de Abrolhos e visitantes passaram a avistar baleias na região. Foto: Enrico Marcovaldi/Projeto Baleia Jubarte

Desde o dia 4, servidores do parque de Abrolhos e visitantes passaram a avistar baleias na região. Foto: Enrico Marcovaldi/Projeto Baleia Jubarte


Como acontece todos os anos, as baleias jubartes migram das águas frias da Antártica para o Parque Nacional Marinho dos Abrolhos (BA), o principal berçário de baleias no Atlântico Sul. O arquipélago dos Abrolhos é o ponto de maior concentração desses animais, que acasalam, procriam e cuidam de seus filhotes em suas águas. Esta é a perfeita época para observação de baleias na unidade de conservação.

A observação das baleias jubartes é um dos principais atrativos do parque. O ponto alto da temporada de observação se dá entre os meses de agosto e setembro. Os passeios são realizados por meio de empresas credenciadas para operação da visitação comercial na unidade. Os visitantes também podem contemplar toda a beleza do Arquipélago dos Abrolhos, realizar trilhas monitoradas em uma das ilhas que abrigam centenas de ninhos de aves marinhas e praticar o mergulho (livre e/ou autônomo) nos recifes de coral.

As primeiras baleias foram observadas por visitantes no último dia 4. “Desde então, todos os dias turistas e funcionários da equipe do Parque Nacional Marinho dos Abrolhos têm avistado, relatado e registrado fotos desses animais”, diz o chefe da unidade de conservação, Fernando Repintaldo.

A atividade de observação de cetáceos é regulada por portaria específica do Ibama que apresenta normas de conduta que devem ser respeitadas. Não é permitido mergulhar nem nadar junto a elas, devido aos riscos de acidentes que podem ocorrer no contato acidental entre os animais e humanos.

Atualmente, o Instituto Baleia Jubarte mantém monitoramento regular das temporadas reprodutivas das jubartes no Brasil, em especial na região do Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, onde são monitorados aspectos da saúde, do tamanho das populações e da interação entre esses animais com as embarcações que trafegam na região. Até 2016, a população das jubartes em águas brasileiras foi estimada em 17.000 indivíduos.



*Com informações da Comunicação ICMBio

 

 

 

Comentários

comentários