Foto: Duda Menegassi

Foto: Duda Menegassi

Desde o sábado passado, 11/02, a recém-inaugurada Trilha Transcarioca (RJ) já animou as pessoas com a possibilidade de percorrê-la. Antes disso, no entanto, é necessário se preparar bem. Algumas precauções são recomendadas antes de pôr o pé na trilha: avise dois ou três amigos sobre o seu roteiro; não utilize nenhum atalho durante o percurso; e comece cedo sua aventura, para evitar percorrer a trilha de noite. A mais importante, porém, é buscar se informar bem sobre o trajeto que fará. E para isto, a melhor dica é o site da Trilha Transcarioca ou ter em mãos um exemplar do Guia de Bolso da Trilha Transcarioca.

O guia e o site foram desenvolvidos pela produtora Bambalaio, em parceria com a Conservação Internacional, o Movimento Transcarioca e com o Mosaico Carioca. Lá o caminhante pode se familiarizar com a sinalização da trilha –, as famosas pegadas amarelas — e se informar sobre os trechos. Além do mapa do percurso e as distâncias, é possível saber o nível de dificuldade, de exposição ao sol, de sinalização, de risco, de conservação e de orientação de cada trecho, assim como se há pontos de hidratação e o perfil altimétrico da trilha.

Rafael exibe o Guia de Bolso da Trilha Transcarioca. Foto: Duda MEnegassi

A primeira tiragem do Guia imprimiu 2 mil exemplares, que foram distribuídos no evento de inauguração da trilha. Estes guias também estarão disponíveis de forma gratuita em pontos estratégicos para montanhistas e usuários de parques. A tiragem limitada será ampliada, tão logo a produtora encontre parceiros para garantir futuras reimpressões.

Rafael Duarte, diretor da Bambalaio e fotógrafo oficial do projeto, explicou que a produção do Guia foi um trabalho longo e detalhista, capaz de esclarecer todas as possíveis dúvidas dos caminhantes. “O objetivo foi pensar a partir do ponto de vista do usuário da trilha. Precisávamos antever todas as informações importantes para ele”, conta Rafael. O fotógrafo torce para que o Guia ajude a incentivar a cultura de montanhismo na cidade e no Brasil. “Esse é um grande marco para que o carioca saia da rotina da praia e possa subir as montanhas, interagir com a natureza. Que cada carioca possa ser também um conservador”.

Sinalização no guia. Foto: Duda Menegassi

Sinalização no guia. Foto: Duda Menegassi

A Transcarioca possui 25 trechos no total, que somam a distância de 180 quilômetros. Dois destes trechos,  na ligação do Parque Estadual da Pedra Branca (RJ) com o Parque Nacional da Tijuca (RJ), ainda estão indisponíveis e os organizadores não recomendam a passagem dos trilheiros. Essa região ainda é fortemente insegura devida a presença do tráfico e de milícias, e não foi sinalizada tampouco manejada por questões de segurança. De acordo com o gestor do Parque Nacional da Tijuca, Ernesto Castro,  a gestão dessa área é complicada e “não recomendamos que o visitante passe por ali. O que recomendamos é que a pessoa dê a volta e entre já no Vale dos Ciganos, no Setor Floresta do parque”.

Aos caminhantes é importante saber também as regras de condutas dos parques pelos quais passa a Transcarioca. Os pernoites, por exemplo, são proibidos, assim como fogueiras e a alimentação de animais silvestres. Os parques também orientam os visitantes a levarem seus próprios sacos plásticos para coletarem seu lixo, uma vez que jogar lixo na trilha nem pensar. Conheça as Unidades de Conservação pelas quais passa a trilha:

Parque Natural Municipal de Grumari (RJ)
Parque Estadual da Pedra Branca (RJ)
Parque Nacional da Tijuca (RJ)
Parque Natural Municipal da Catacumba (RJ)
Parque Natural Municipal Paisagem Carioca (RJ)
Monumento Natural dos Morros do Pão de Açúcar e da Urca (RJ)

 

 

 

Comentários

comentários