Parque Estadual Serra do Ouro Branco

Edição feita às 15h43min de 24 de maio de 2016 por Sabrina Rodrigues (disc | contribs)

(dif) ← Edição anterior | ver versão atual (dif) | Versão posterior → (dif)



Parque Estadual Serra do Ouro Branco
Esfera Administrativa: Estadual
Estado: Minas Gerais
Município: Ouro Branco e Ouro Preto
Categoria: Parque
Bioma: Mata Atlântica
Área: 7.520,7888 hectares
Diploma legal de criação: Decreto 45.180 de 21 de setembro de 2009.
Coordenação regional / Vinculação: Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais
Contatos: Unidade de Conservação:

Endereço: Av. Miguel Vieira Sobrinho, nº 137 - Bairro Estiva - Ouro Branco – Cep 36.420-000.


E-mail:

1. parqueserradoourobranco@meioambiente.mg.gov.br

2. leticia.dornelas@meioambiente.mg.gov.br

3. ana.pinheiro@meioambiente.mg.gov.br

Telefones:

1. (31) 3741-8242 2. (32) 3331-2033

Índice

Localização

A região do Parque Estadual Serra do Ouro Branco está situada na borda limítrofe sul da Serra do Espinhaço, sendo a primeira formação geológica considerada como o marco inicial sul da segunda, nos Municípios de Ouro Branco e Ouro Preto, a aproximadamente 60 km em linha reta, a sudeste de Belo Horizonte, com área aproximada de 7.520,7888ha hectares. É limitado, genericamente pelos pontos com as seguintes coordenadas UTM: E 637333,862 N 7740327,501 ao Norte; E 630647,559 N 7737993,362 a Oeste; E 646452,177 N 7731777,854 a Leste e; E 639910,257 N 7728583,512 a Sul.

Como chegar

O acesso pode ser feito de duas formas: a primeira pela rodovia federal BR 040, passando pelos municípios de Nova Lima, Itabirito, Moeda, Belo Vale e Congonhas, onde deve-se acessar a MG 443 até a cidade de Ouro Branco, de onde se acessa a MG 129 – Estrada Real por aproximadamente 03 km perfazendo 103 Km ao todo. A segunda forma de acesso é pela rodovia BR 040, passando pelo município de Nova Lima até o Residencial Alphavile, onde se acessa a BR 356 – Rodovia dos Incofidentes passando pelos municípios de Itabirito e Ouro Preto, onde se acessa a MG 129 – Estrada Real percorrendo aproximadamente 17 Km, perfazendo ao todo 117 km.

Ingressos

Visitação: De segunda a segunda, das 08:00 às 18:00.

Onde ficar

Objetivos específicos da unidade

Preservação de ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica, possibilitando a realização de pesquisas cientificas e o desenvolvimento de atividades de educação e interpretação ambiental.

Histórico

Atrações

Poço Córrego da Colônia. - Poço Córrego da Lavrinha. - Trilha Bomba Poção. - Poção. - Cachoeira Jesuítas. - Cachoeira do Beto. - Mirante Lago Soledade. - Mirante Cachoeira de Ouro Branco. - Mirante da Cidade. - Mirante Morro do Gabriel. - Mirante Miguel Burnier. - Mirante do Cruzeiro. - Mirante Bela Vista. - Mirante Pedra do Índio. - Mirante da Estrada. - Mirante Canela de Ema. - Mirante do Sofá. - Fazenda Alto do Morro. - Pilares da Antiga Tubulação. - Muro de Pedra.

Aspectos naturais

A cobertura vegetal do Parque é constituída por Campos Rupestres e de Altitude, nas mais baixas altitudes, as Matas de Galeria, que ocupam as margens dos cursos d'água e os Capões, além de importantes remanescentes de mata atlântica, representados pela fitofisionomia de floresta estacional semidecidual. A vegetação na região é extremamente variada e diversa e seu grau de endemismo é um dos maiores de toda a cadeia do espinhaço.

A formação geológica Serra do Ouro Branco é importante divisor de águas de três grandes sub-bacias de importantes bacias hidrográficas federais, a saber: sub-bacia do Rio das Velhas e sub-bacia do Rio Paraopeba, da bacia do Rio São Francisco e; sub-bacia do Rio Piranga da bacia do Rio Doce.

Relevo e clima

O relevo da unidade de conservação apresenta topografia extremamente acidentada com enormes diferenças de altitude.

O clima é quente e temperado. Há muito menos pluviosidade no inverno que no verão. A classificação do clima é Cwb de acordo com a Köppen e Geiger. 19.1 °C é a temperatura média. A média anual de pluviosidade é de 1463 mm.

Fauna e flora

A flora se caracteriza pela presença de bromélia endêmica do paredão da Serra "Dycktia ourobrancoensis", occore no paredão entre as altitude se 1.100 e 1.500 metros. Outras Bromeliáceas e Orquidáceas.

Problemas e ameaças

Fontes

http://sistemas.mma.gov.br/cnuc/index.php?ido=relatorioparametrizado.exibeRelatorio&relatorioPadrao=true&idUc=2619

http://www.ief.mg.gov.br/component/content/article/1411