Área de Proteção Ambiental da Baixada Maranhense

Fique por dentro das novidades da Área de Proteção Ambiental da Baixada Maranhense no Blog do WikiParques



Área de Proteção Ambiental da Baixada Maranhense
Esfera Administrativa: Estadual
Estado: Maranhao
Município: Pinheiro, Turilândia, Arari
Categoria: Área de Proteção Ambiental
Bioma: Amazônia
Área: 1775036
Diploma legal de criação: Decreto 11.900, de 11/06/1991
Coordenação regional / Vinculação: SEMA/MA - Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais do Maranhão
Contatos: Endereço: Av. dos Holandeses, n° 04, Quadra 06, Edifício Manhattan, Calhau - Calhau - São Luís/MA - CEP: 65.071-380

E-mail: cmcosta@sema.ma.gov.br

Telefone: (98) 3194-8900 e (98) 9171-7117

Índice

Localização

A APA da Baixada Maranhense localiza-se no extremo norte do Estado do Maranhão, na Amazônia Legal maranhense. Abrange 22 municípios e limitando-se ao norte com a Área de Proteção Ambiental das Reentrâncias Maranhenses.

Como chegar

Ingressos

Onde ficar

Objetivos específicos da unidade

Disciplinar o uso e ocupação do solo, a exploração dos recursos naturais, as atividades de pesca e caça predatórias, criação de gado bubalino para que não venham a comprometer as biocenoses daqueles ecossistemas, a integridade biológica das espécies, os padrões de qualidade das águas e que não perturbem os refúgios de aves migratórias.

Histórico

Designada como Sítio Ramsar em 2000. Representa o maior conjunto de bacias lacustres do Nordeste.

Atrações

Aspectos naturais

Está localizada em terrenos de formação geológica recente do Terciário e Quaternário. O solo é argiloso, pouco consolidado, com grande retenção de água.

Durante as cheias, ocorre o transbordamento dos rios, formando-se numerosos lagos. Os rios da Baixada Maranhense são típicos de planícies, caracterizados por baixo declive nos trechos médio e baixo. A região é drenada pelos rios Mearim, Pindaré, Grajaú, Pericumã e afluentes.

Relevo e clima

Possui características fisiográficas marcantes como terras baixas, planas, inundáveis, caracterizadas por campos, matas de galeria, manguezais e bacias lacustres.

Nos estuários, os manguezais ocorrem penetrando os igarapés, por entre os campos, até onde existe influência das marés.

Na época das chuvas, de dezembro a julho, os campos baixos ficam alagados, restando ilhas de terras firmes e áreas de campos em terreno um pouco elevado, chamadas regionalmente de "teso".

Fauna e flora

Os babaçuais ou cocais são um tipo de ecossistema característico da área.

A avifauna, principalmente na Sub-Área do Baixo Mearim-Grajaú, é pouco perturbada e representa o mais extensivo refúgio às aves migratórias do Nordeste Brasileiro, abrigando populações significativas de várias espécies aquáticas, incluindo uma série de espécies raras.

A região também é importante para a preservação do peixe-boi (Trichechus manatus'), no Baixo Mearim, espécie ameaçada de extinção.

Problemas e ameaças

  • Gestão de Resíduos Sólidos
  • Construção de tanques para piscicultura
  • Fiscalização insuficiente
  • Falta de instrumentos de gestão da APA
  • Caça predatória da jaçana (Jacana jacana)
  • Caça predatória da japiaçoca (Porphyrula martinica)

Fontes

http://observatorio.wwf.org.br/unidades/cadastro/490/

http://sistemas.mma.gov.br/portalcnuc/rel/index.php?fuseaction=portal.exibeUc&idUc=1887

http://www.mma.gov.br/estruturas/205/_arquivos/apa_baixada_205.pdf