Estação Ecológica da Guanabara




Estação Ecológica da Guanabara
Esfera Administrativa: Federal
Estado: Rio de Janeiro
Município: Guapimirim, Itaboraí e São Gonçalo.
Categoria: Estação Ecológica
Bioma: Mata Atlântica
Área: 1.936,23 hectares
Diploma legal de criação: Decreto s/nº de 15 de fevereiro de 2006.
Coordenação regional / Vinculação: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio.
Contatos: Unidade de Conservação:

Endereço: Rodovia BR 493 Km 12,8 Vale das Pedrinhas - Vale das Pedrinhas - Guapimirim/RJ CEP: 25.940-000

E-mail: 1. mauricio.muniz@icmbio.gov.br

Telefone: 1. (21) 2633-0079

Índice

Localização

Entre a latitude 22°41'16,70”S e 22°44'44,412”S, e a longitude 43°1'23,022” W e 43°1'51,672”W. Localizada no interior da Área de Proteção Ambiental (APA) de Guapi-Mirim, a Esec, junto com a APA, protege o último recanto intocado de litoral da Baía de Guanabara.

Como chegar

Ingressos

A Esec da Guanabara é aberto para visitação mediante autorização especial. Visitação com fins educacionais e científicos, de Segunda a Domingo, 06:00 as 18:00.

Onde ficar

No entorno da região da unidade de conservação existem vários hotéis e pousadas.

Objetivos específicos da unidade

Preservação dos remanescentes de manguezal da Baía da Guanabara e sua fauna e flora associada, bem como a realização de pesquisas científicas.

Histórico

Os municípios que circundam a Esec da Guanabara possuem uma longa história de ocupação humana, registros de ocupação do homem pré-histórico na América e uma importante historiografia acerca da colonização da área.

A unidade de conservação, que fica localizada no interior da Área de Proteção Ambiental (APA) de Guapi-Mirim, foi criada em 15 de fevereiro de 2006, através do Decreto s/nº com o objetivo de preservar os remanescentes de manguezal da Baía de Guanabara.

Atrações

A unidade de conservação é um atrativo para aqueles que desejam uma atividade voltada para o turismo ecológico, com a observação da flora e da fauna presentes na Estação Ecológica. A a região é conhecida como o Pantanal Fluminense.

Aspectos naturais

A vegetação contida na Região da Esec da Guanabara está inserida no Bioma Mata Atlântica, englobando áreas de vegetação florestal e de alguns dos seus ecossistemas associados, como mangues e restingas.

Relevo e clima

A EE da Guanabara fica localizada no território fluminense, em região de baixadas, que são formadas por sedimentos flúvio-marinhos, derivados de deposições em grande parte vindas das regiões serranas. Os sedimentos flúvio-marinhos constituem uma interdigitação de depósitos fluviais e marinhos regressivos holocênicos. Litologicamente são constituídos de sedimentos finos, síltico-argilosos ou argilo-sílticos, ricos em matéria orgânica. Geneticamente os sedimentos flúvio-marinhos correspondem à ambiente de planície de maré e progradação de litoral, em regime estuarino, servindo como substrato para o desenvolvimento do ecossistema de manguezais.

O clima é tropical. A Região em que está inserida a Estação Ecológica apresenta, devido aos seus fatores geográficos, uma área com alta pluviosidade.

Fauna e flora

A Esec da Guanabara abriga espécies comuns em manguezais como Peixes: tainha (Mugil spp.), carapeba (Diapterus, sp. Eugerres sp.); Crustáceos: siris (Callinectes spp.), camarões de água doce e salgada (Macrobrachium sp., Penaeus spp.); e Plâncton de origem eminentemente marinha. Crustáceos Decápodos: Siris (Callinectes spp.), camarões de água doce (Macrobrachium sp.) e salgada (Penaeus spp.), e particularmente caranguejos do gênero Uca spp., moluscos bivalvos: (Venus spp., Anomalocardia brasiliana, Crassostrea spp., Arca sp.; Tagelus plebeius, Iphigenia brasiliana); e conta ainda com a presença de diversas aves, principalmente garças, gaivotas, gaviões e socós que buscam alimentos nos bancos expostos na maré baixa.

Além das últimas espécies desses mamíferos marinhos, o local abriga rica biodiversidade, com destaque para os 245 tipos de aves catalogadas, entre permanentes e migratórias. Uma das mais icônicas é o colhereiro rosa, que tem esse nome por conta do formato do bico, alargado na extremidade, parecendo uma colher.

Das espécies vegetais registradas na área da EE da Guanabara, as três espécies típicas de manguezal ocorrentes, Rhizophora mangle, Avicennia schaueriana e Laguncularia racemosa, podem ser apontadas como endêmicas desse tipo de ecossistema.

Problemas e ameaças

Pesca irregular dentro dos limites da UC, coleta de caranguejo em período de defeso e desmatamento de madeira de mangue para confecção de currais de pesca.

Fontes

http://www.icmbio.gov.br/portal/unidadesdeconservacao/biomas-brasileiros/marinho/unidades-de-conservacao-marinho/2250-esec-da-guanabara

http://sistemas.mma.gov.br/cnuc/index.php?ido=relatorioparametrizado.exibeRelatorio&relatorioPadrao=true&idUc=263

Plano de Manejo: http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/imgs-unidades coservacao/contextualiza%C3%A7%C3%A3o_ga.pdf