Estação Ecológica dos Tupiniquins




Estação Ecológica dos Tupiniquins
Esfera Administrativa: Federal
Estado: Sao Paulo
Município: Cananeia e Peruíbe
Categoria: Estação Ecológica
Bioma: Marinho Costeiro
Área: 1,727,70 hectares
Diploma legal de criação: A Estação Ecológica (ESEC) dos Tupiniquins foi criada através do Decreto Nº 92.964 de 21 de julho de 1986.
Coordenação regional / Vinculação: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).
Contatos: E-mail:

1. Lucia.guaraldo@icmbio.gov.br 2. esec.tupiniquins.sp@gmail.com Telefones: 1. (13) 3427-2924 2. (13) 3427-6832

Índice

Localização

Endereço: R. Dom Sebastião Leme, 135 - Jardim Ivoty - Itanhaém/SP CEP: 11.740-000

Como chegar

Ingressos

Fechado a visitação devido à categoria. No caso de atividades de Educação Ambiental, entrar em contato diretamente com a chefia da unidade para planejamento.

Onde ficar

Objetivos específicos da unidade

Preservação da natureza e a realização de pesquisas científicas.

Histórico

Atrações

Aspectos naturais

A vegetação de parte das ilhas é composta de espécies típicas de Mata Atlântica outras são desprovidas de vegetação arbórea, possuindo apenas vegetação arbustiva e rasteira (gramíneas).

Relevo e clima

O relevo das ilhas da ESEC dos Tupiniquins são rochosas, com feições variadas.

O clima do litoral sul do Estado de São Paulo (Cananéia e Peruíbe) é controlado por massas tropicais e polares, caracterizado por grande variação de pluviosidade, forte participação de massas polares e passagens frontais.

Fauna e flora

A área protegida abriga espécies como aves marinhas, como tesourões (Fregata magnificens), gaivotões (Larus dominicanus), atobás (Sula leucogaster), gaivotas (Sternasp), mergulhões e garças. As tartarugas marinhas repousam e se alimentam na área submersa e lobos (Artocephalus australis) e leões marinhos (Otaria flavescens) se encontram ali, principalmente no inverno.

Problemas e ameaças

A Estação sofre algumas ameaças, como: pesca predatória no entorno; queimadas; perturbações nos ninhais de aves marinhas; poluição do mar, principalmente por derivados de petróleo; introdução de espécies exóticas, animais domésticos e plantas cultiváveis; desmatamentos, caça e coleta de fauna e flora.

Fontes

http://sistemas.mma.gov.br/cnuc/index.php?ido=relatorioparametrizado.exibeRelatorio&relatorioPadrao=true&idUc=71. Acesso em 18/12/2017.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Esta%C3%A7%C3%A3o_Ecol%C3%B3gica_dos_Tupiniquins. Acesso em 18/12/2017.

http://ambientes.ambientebrasil.com.br/unidades_de_conservacao/estacao_ecologica/estacao_ecologica_dos_tupiniquins.html. Acesso em 18/12/2017.