Floresta Estadual do Paru

A Floresta Estadual (Flota) do Paru ocupa 3,6 milhões de hectares e abriga milhares de animais e plantas. Muitos deles somente existem nessa região da Terra! Cerca de 96% de sua área é coberta por florestas bem conservadas. A Flota também é cortada por extensos rios, como o Jari, Paru, Maicuru, Curuá e Cuminapanema. As atividades econômicas praticadas na Flota do Paru são a coleta de castanha-do-brasil e de camu-camu e a garimpagem de ouro. Alguns moradores cultivam pequenas roças principalmente para consumo próprio.



Floresta Estadual do Paru
Esfera Administrativa: Estadual
Estado: Para
Município: Alenquer (PA), Almeirim (PA), Óbidos (PA), Laranjal do Jari (AP), Monte Alegre (PA)
Categoria: Floresta
Bioma: Amazônia
Área: 3610076,60
Diploma legal de criação: Decreto nº 2.608 , de 04/12/2006
Coordenação regional / Vinculação: Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Pará
Contatos: Endereço: Av. João Paulo II, s/n - Curió-Utinga - Belém/PA - CEP: 66.610-770

E-mail: flotas.calhanorte@gmail.com Telefone: (91) 3184-3605

Índice

Localização

A Flota do Paru está localizada no Estado do Pará, na Calha Norte do rio Amazonas. Essa região abriga o maior bloco de Unidades de Conservação e Terras Indígenas do mundo. A Flota do Paru limita-se, ao norte, com a Reserva Biológica (Rebio) Maicuru; ao sul, com a Floresta Nacional (Flona) da Mulata; a sudeste, com a Estação Ecológica (Esec) do Jari; a leste, com a Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Rio Uiratapuru; a oeste, com a Flota do Trombetas; e a noroeste, com a Terra Indígena (TI) Zo’é e a Esec Grão-Pará.

Como chegar

Ingressos

Situação da visitação: Visitação não manejada Período: 01/01 a 31/12 Dias da semana: Segunda a Segunda Horários: 08:00 a 18:00

Onde ficar

Objetivos específicos da unidade

Esta UC tem por objetivo é promover o uso múltiplo sustentável dos recursos florestais e ambientais, e gestão de reserva legal de forma compatível com a conservação de sua biodiversidade.

Histórico

Atrações

Aspectos naturais

Solo

A Flota do Paru apresenta cinco tipos de solo: argissolo vermelho amarelo, latossolo amarelo, latossolo vermelho amarelo, neossolo litólico e neossolo quartzarênico hidromórfico.. O solo com maior abrangência é o argilossolo vermelho amarelo, que ocupa uma área de 2..744..789 hectares (76% da Flota).. Em seguida estão o latossolo vermelho amarelo, com 719..764 hectares (20%), e o neossolo litólico, que ocupa 128..744 hectares (4% da área)

Geologia

A Flota do Paru apresenta 36 feições geológicas, das quais três têm maior importância na UC: Complexo Guianense (34%), Suíte Intrusiva Mapuera (17%) e Complexo Paru-Maratiá (14%)

Hidrologia

A Flota do Paru está localizada entre os rios Cuminapanena e Jari (limite com o Amapá) e ao centro da Flota está o rio Paru (Mapa 13).. Esses três rios são afluentes da calha norte do rio Amazonas.. No sudoeste da Flota encontram-se dois importantes rios: Curuá e Maicuru.. De acordo com o Sipam, os maiores igarapés da Flota do Paru são o Ipitinga (248 quilômetros), próximo ao limite com o Amapá, e o igarapé Carecuru (110 quilômetros), localizado no sudeste da Flota.. Juntos, esses corpos d’água têm uma extensão de aproximadamente 12,4 mil quilômetros..

Relevo e clima

Relevo

A Flota do Paru é composta por oito feições geomorfológicas. A maior parte da Flota (63%) é constituída por relevo dissecado do topo convexo, que totaliza 2,2 milhões de hectares. No restante há relevo dissecado do topo aguçado (16%), pediplano retocado desnudado (9%), relevo dissecado do topo tabular (7%) e relevo dissecado estrutural ou diferencial (4%).. Por último, com menor representatividade, aparecem o pediplano degradado inumado, a planície fluvial e o terraço fluvial, todos somando pouco mais de 1%

Clima

Fauna e flora

Fauna

No que se refere à fauna, registraram-se 95 espécies de peixe, das quais 33 são de interesse comercial ou de subsistência. Cinquenta e três espécies de réptil e anfíbio foram registradas; neste grupo uma espécie de sapo fossorial da família Microhylidae (Chiasmocleis sp.) é nova para a ciência. Entre as aves foram registradas 295 espécies, das quais 2 estão ameaçadas de extinção no Pará (cacaué, Aratinga pintoi) e no Brasil (bicudo, Sporophila maximiliani). Registraram-se também 55 espécies de mamífero, das quais 9 são endêmicas, 5 ameaçadas de extinção (tamanduá-bandeira - Mymercophaga tridactyla; tatu-canastra - Priodontes maximus; onça pintada - Panthera onca; sussuarana - Puma concolor; ariranha - Pteronura brasiliensis), 22 de interesse especial para a conservação e o primeiro registro de Lonchorhina inusitata para o Estado do Pará, espécie de morcego até então registrada no Brasil apenas para o Estado de Rondônia.

Flora

Conforme o levantamento botânico, são conhecidas 78 espécies do grupo das pteridófitas na Flota. As famílias mais representativas são a Pteridaceae e a Polypodiaceae, enquanto os gêneros com maior número de espécies são o Adiantum e o Microgramma.Os registros das seguintes espécies de pteridófitas são inéditos no Estado do Pará: Blechnum occidentale L. (Blechnaceae – monilophyta); Bolbitis semipinnatifida (Fée) Alston (Dryopteridaceae – monilophyta); Didymoglossum ekmanii (Wess. Boer) Ebihara & Dubuisson, D. hymenoides (Hedw.) Copel., Trichomanes elegansRich. (Hymenophyllaceae – monilophyta); Microgramma tecta (Kaulf.) Alston (Polypodiaceae – monilophyta); Selaginella fragilis A. Braun, S. pedata Klotzsch (Selaginellaceae – Lycophyta); e Triplophyllum boliviense J. Prado & R.C. Moran e T. crassifolium Holttum (Tectariaceae – monilophyta). Também são conhecidas 259 espécies de angiospermas, distribuídas em 159 gêneros e 60 famílias.

Problemas e ameaças

Fontes

http://sistemas.mma.gov.br/cnuc/index.php?ido=relatorioparametrizado.exibeRelatorio&relatorioPadrao=true&idUc=1038

https://www.semas.pa.gov.br/diretorias/areas-protegidas/florestas-estaduais-da-calha-norte-faro-paru-e-trombetas/floresta-estadual-de-paru/

http://imazon.org.br/PDFimazon/Portugues/calha_norte/planos_de_manejo/ResumoEXC_PM_PARU_WEB.pdf