Floresta Nacional de Humaitá

Fique por dentro das novidades da Floresta Nacional de Humaitá no Blog do WikiParques



Floresta Nacional de Humaitá
Esfera Administrativa: Federal
Estado: Amazonas
Município: Humaitá (AM)
Categoria: Floresta
Bioma: Amazônia
Área: 473.154,76 hectares
Diploma legal de criação: Decreto nº 2.485 de 02 de fevereiro de 1998
Coordenação regional / Vinculação: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade

CR1 – Porto Velho

Contatos:

Gestor: WILZER CRISTIANE LOPES GONÇALVES
Endereço: Rua Júlio de Oliveira, 502
CEP:' 69800000
Bairro: São Pedro
UF: AM
Cidade: Humaitá
Site:
Telefone: (97) 33733113
E-mail: paulo.cardoso@icmbio.gov.br, wilzer.goncalves@icmbio.gov.br

Índice

Localização

Como chegar

Ingressos

Onde ficar

Objetivos específicos da unidade

Uso múltiplo sustentável dos recursos florestais e a pesquisa científica, com ênfase em métodos para exploração sustentável de florestas nativas

Histórico

Atrações

Aspectos naturais

Relevo e clima

Relevo

A FLONA de Humaitá, localizada no Planalto Rebaixado da Amazônia Ocidental,caracteriza-se por apresentar extensas áreas aplainadas, ainda conservadas, e relevos dissecados, em interflúvios tabulares, cuja altimetria gira em torno de 200 a 250 m (RADAMBRASIL, 1978). Embora a monotonia desta topografia homogênea seja quebrada algumas vezes pela presença de pequenos blocos de relevo topograficamente mais elevados e com feições geomorfológicas bastante diferenciadas daquelas que caracterizam o planalto. As áreas aplainadas e ainda conservadas são constituídas, principalmente, por sedimento pliopleistocênicos da Formação Solimões, caracterizadas pela ausência de drenos definidos, com presença de pequenos lagos que chegam a desaparecer durante o período de estiagem. Estas paisagens correspondem à vegetação do tipo savana.Dominando esta unidade morfoestrutural, as áreas de relevo dissecado em interflúvios tabulares encontram-se parte modeladas sobre aqueles sedimentos e, parte sobre litologias do Pré-Cambriano, com vegetação de Floresta Aberta e Floresta Densa.

Solo

Latossolo Vermelho Amarelo, Podzólico Vermelho Amarelo e Latossolo Amarelo, além de outros solos com pouca significância.

Geologia

Na Floresta Nacional de Humaitá (RADAMBRASIL, 1978), estão inseridos Aluviões Indiferenciados ou Antigos (Hai) e Granitos Rondonianos (pЄγr), compostos pelas formações geológicas apresentadas a seguir: Aluviões Indiferenciados ou Antigos São constituídos de argilas, siltes e areias muito finas a grosseiras, com diminuição granulométrica para o topo; predominam areias finas localmente com estratificações plano - paralelas horizontais e cruzada tabular de pequeno a médio porte; intercalações e interdigitações de material síltico e argiloso, níveis de concentração ferruginosa com lâminas limoníticas, pelotas de argila dispersas, ocasionalmente lentes de conglomerado, brancos e marrom-escuros com tonalidades amareladas e avermelhadas; depósitos de canal e de transbordamento em terraços fluviais e paleovales. Granitos Rondonianos São caracterizados por granitos a muscovita, a biotita, a aegirina, a riebequita e alasquíticos, adamelitos, granodioritos, granófiros e piterlitos; intrusivos cratogênicos em forma de "stocks" e batólitos.

Hidrologia

A Floresta Nacional de Humaitá faz parte da grande bacia amazônica (IBGE, 1977). A FLONA está inserida na bacia do rio Madeira e se localiza a margem direita, no município de Humaitá.A elevada taxa de sedimentos carreados pelos rios de "águas brancas" não provém unicamente da ação erosiva da correnteza sobre as margens aluviais dos seus médios e baixos cursos, mas também da erosão marginal nos seus afluentes, subafluentes e formadores dos subafluentes, que têm suas bacias drenando os planaltos guianenses e sul-amazônico. Com isso, há um crescimento das várzeas que possuem um solo fértil e a existência de extensas manchas de campos que alagam, formados por gramíneas de alto valor nutritivo e que constituem excelentes pastagens nativas. Na FLONA de Humaitá, as bacias hidrográficas mais expressivas são as dos rios Maici (formador do rio Marmelos), Maicimirim e o Machado, afluentes da margem direita do rio Madeira.

Fauna e flora

Flora

A Floresta Densa ocupa uma extensão significativa, revestindo ambientes distintos, como planícies e terraços do Quaternário, interflúvios do Terciário, assim como diferentes formas de relevo das áreas de cobertura de plataforma Pré-Cambriana e de embasamento. A Floresta Densa ocupa três unidades geomorfológicas distintas: Planície Aluvial Periodicamente Inundada, onde se destacam as espécies vegetais: Jatobá Pororoca, Muiratinga, Pente de Macaco, Matamatá Branco. Terciário de Relevo Dissecado em Colinas, onde se destacam as espécies vegetais: Angelim da Mata e Castanheira. Embasamento de Outeiros e Colinas, onde se destacam as espécies vegetais: Piquiá, Piquiarana, Faveiras, Caju Açu, Amarelão e Enviras.

Na área em estudo, segundo o projeto RADAMBRASIL (1977), encontra-se a formação florestal "Floresta Tropical Densa correspondente à Floresta Ombrófila Densa, que é a classe mais expressiva da região estudada. A fisionomia desta região ecológica recobre as unidades geomorfológicas constituídas pelas planícies, terraços, interflúvios tabulares e os relevos dissecado e ondulado. Deve-se frisar que os sedimentos componentes destas unidades são originários das formações précambrianas, terciárias e quaternárias. As espécies vegetais de maior destaque na Floresta Ombrófila Densa da área em estudo foram: Breu Manga, Matamatá, Muiratinga, Abiurana e Ucuúba. Floresta Aberta A Floresta Aberta constitui fitofisionomia dominante, alastrando-se por diferentes superfícies fisiográficas e cobrindo a maior parte dos relevos dissecado e ondulado do Complexo dos Altos Xingu/Tapajós/Madeira. A sua paisagem caracteriza-se pela presença de árvores espaçadas, apresentando grande número de palmeiras, de cipós ou de bambus. As espécies vegetais que se destacam nesse tipo florestal são: Babaçu, Açaí,,Caripé, Marupá, Copaíba, Louros, Tauari, Abiurana-vermelha, Açoita Cavalo, Castanheira, Ucuúbas, Taxi-Preto, Angelim Pedra. Na área em estudo, segundo RADAMBRASIL (1977), encontra-se a formação florestal "Floresta Tropical Aberta", que corresponde à Floresta Ombrófila Aberta, e cuja distribuição representativa é verificada pelos agrupamentos de suas subformações com as da Floresta Densa. Os tipos geomorfológicos revestidos por esta região ecológica podem ser agrupados pelos terraços, interflúvios tabulares e relevo ondulado. As espécies vegetais de maior destaque na Floresta Ombrófila Aberta da área em estudo foram: Breu Manga, Macucu Branco, Castanha-de-cutia, Macucu Sangue e Muiratinga. Formações pioneiras As Formações Pioneiras, ocupando exíguas porções de terreno, fazem-se notar pelo seu aspecto peculiar. Foram observadas em áreas de acumulação inundável e em áreas deprimidas, precariamente incorporadas à rede de drenagem. Mostram-se sucessivamente nos estágios graminoso, arbustivo e arbóreo. Ocorrem ao longo do rio Madeira, ocupando áreas deprimidas periodicamente inundadas das planícies e dos terraços. O grau de encharcamento do solo determina o estágio de evolução das comunidades, características das áreas drenadas por rios de águas barrentas. Junto a estas formações é comum a presença de lagos inclusos, que têm a sua superfície aumentada na época das cheias.

Problemas e ameaças

Fontes

CNUC

ICMBio