Floresta Nacional de Nísia Floresta

Fique por dentro das novidades da Floresta Nacional de Nísia Floresta no Blog do WikiParques



Floresta Nacional de Nísia Floresta
Esfera Administrativa: Federal
Estado: Rio Grande do Norte
Município: Nísia Floresta (RN)
Categoria: Floresta
Bioma: Mata Atlântica
Área: 168,84 hectares
Diploma legal de criação: Decreto s/nº de 27 de setembro de 2001
Coordenação regional / Vinculação: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
Contatos:

Gestor: PAULO ROBERTO FERNANDES DE MEDEIROS
Endereço: ESTRADA DO TIMBÓ, S/N
CEP: 59164000
Bairro: ZONA RURAL
UF: RN
Cidade: Nísia Floresta
Site: http://www.icmbio.gov.br/brasil/RN/flona-de-nisia-floresta
Telefone: (84) 32772603
E-mail: flonanisiafloresta.rn@icmbio.gov.br

Índice

Localização

O município de Nísia Floresta está inserido na Grande Natal, ou seja, na Região Metropolitana de Natal (RMN). Localizado no litoral leste do Rio Grande do Norte o município situa-se na Mesorregião Leste Potiguar e na Microrregião Macaíba. Limita-se com os municípios de Parnamirim, Senador Georgino Avelino, Arês, São José de Mipibú e com o Oceano Atlântico, possuindo uma área de 312 km².

Os municípios que têm interrelação com a FLONA, formando a região de influência da UC são: Arês, Nísia Floresta, São José de Mibipú, e Senador Georgino Avelino. Juntos, totalizam uma área de 738,89 Km2, equivalente a 1,39% do total da área do estado do Rio Grande do Norte.

Como chegar

O acesso à FLONA de Nísia Floresta é efetuado a partir de Natal por meio das rodovias pavimentadas BR-101 e RN-063 até o município de Nísia Floresta. Da sede deste município pode-se chegar à UC de três formas: utilizando a estrada da caixa d’água, através da estrada que dá acesso à localidade do Porto ou pela estrada da rádio do município (Executiva FM).

Ingressos

Onde ficar

Objetivos específicos da unidade

Histórico

A FLONA leva o mesmo nome do município em que se localiza. Nísia Floresta, que tem este nome como forma de homenagear a escritora Nísia Floresta Brasileira Augusta que nasceu, no município, em 12 de outubro de 1810 e entrou para a história defendendo o ideal republicano, a igualdade política entre os sexos e a liberdade aos escravos. Em meio a uma sociedade conservadora, a autora foi considerada precursora de um processo inovador e revolucionário em defesa dos direitos das mulheres, sendo sua produção literária reconhecida mundialmente.

A história da Floresta Nacional de Nísia Floresta começa em 20 de novembro de 1948, com a doação de um terreno de 174,95 hectares, da Prefeitura Municipal para a União Federal, na época representada pelo Fomento Agrícola Federal. Em 28 de fevereiro de 1967 a área foi incorporada ao Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal (IBDF) como dependência da Estação Florestal de Experimentação (EFLEX) de Assú, através do Decreto-Lei 289/67.

Com a criação do IBAMA, em 1989, a área passou a integrar a nova estrutura do Instituto, como uma unidade descentralizada e estava vinculada administrativamente à Superintendência Estadual, como EFLEX de Nísia Floresta, portaria 10.561-P.

Posteriormente o Decreto da Presidência da República, em 27 de setembro de 2001, dá uma nova destinação a está área criando a Floresta Nacional de Nísia Floresta, com o objetivo de promover o manejo adequado dos recursos naturais, garantir a proteção dos recursos hídricos e belezas cênicas e fomentar o desenvolvimento da pesquisa científica, com ênfase à sua exploração sustentável.

Atrações

Aspectos naturais

Relevo e clima

Relevo

O relevo é caracterizado por planícies junto ao litoral (planícies e tabuleiros costeiros). Os tabuleiros costeiros estendem-se numa faixa contínua ao longo do litoral do estado. Sua largura média é de 50 km e a altitude varia entre 70 e 100 metros. Quanto ao relevo do município de Nísia Floresta, o mesmo não atinge 100 m de altitude.

Solo

A área é caracterizada por três tipos de solo: Argissolo Vermelho-amarelo; Latossolo Amarelo; e Neossolo Quartzênico. O solo predominante é composto por duas associações de solos com areia quartzoza distrófica, latossolo vermelho amarelo distrófico e areia distrófica com podzólico vermelho-amarelo.

Geologia

O município está inserido na área de abrangência do Grupo Barreiras, com idade do Terciário Superior, onde predominam argilas, arenitos, arenitos conglomeráticos, siltitos, arenitos caulínicos inconsolidados e mal selecionados. As rochas do Grupo Barreiras estão recobertas localmente por extensas coberturas arenosas coluviais e aluviais indiferenciadas (paleocascalheiras), compostas de paraconglomerados com seixos de quartzo, sílex e fragmentos líticos, matrizes areno-argilosas avermelhadas, que formam solos altamente permeáveis e lixiviados.

Hidrologia

O município de Nísia Floresta possui 25,10% de seu território inserido nos domínios da bacia hidrográfica do Rio Trairi; 20,91% nos domínios da bacia hidrográfica do Rio Pirangi; e 53,99% nos domínios da Faixa Litorânea Leste de Escoamento Difuso, sendo banhado pela sub-bacia do Rio Trairi. No interior da FLONA de Nísia Floresta existem 3 lagoas: a Lagoa da Vaquinha, com 0,7 ha, que não é perene e está completamente inserida na área da FLONA; Lagoa da Coruja, com 7,1 ha, que não é perene e está completamente inserida na área da UC; e Lagoa Seca: é a maior lagoa, com área de 20,8 ha; sua maior porção está inserida em uma fazenda de propriedade particular que faz divisa com a FLONA. É a única lagoa perene e de extrema importância para manutenção da vida dos animais da UC.

Fauna e flora

Flora

A flora da unidade de conservação é composta por vegetação nativa (Mata Atlântica e tabuleiro) e por vegetação experimental, principalmente eucaliptos, sendo importante ressaltar que a área para experimentação florestal, ocorrida na Floresta Nacional de Nísia Floresta até o final da década de 70, apresenta processo de regeneração natural bastante avançado da mata nativa, onde algumas áreas já possuem variações florísticas semelhantes às das áreas de Mata Atlântica.

Faltam estudos científicos que comprovem a presença de espécies endêmicas da flora na unidade.

Fauna

Destaque para a presença da formiga Dinoponera quadríceps. Esta espécie endêmica do nordeste brasileiro é uma das maiores do mundo, medindo cerca de 3 cm. Não possui rainha e é conhecida popularmente por Tocandira ou Formigão. Sua dieta é constituída de artrópodes e frutas. Esta formiga não está presente em ambientes que sofrem ações antrópicas, por isso é considerada como uma espécie indicadora de ambientes preservados.

Problemas e ameaças

Fontes

ICMBio

CNUC

Plano de Manejo Vol I, Vol 2