Mosaico do Baixo do Rio Negro




Mosaico do Baixo do Rio Negro
Esfera Administrativa:
Estado: Amazonas
Município: Manaus, Novo Airão, Iranduba, Barcelos e Manacapuru
Categoria: Mosaico
Bioma: Amazônia
Área: 7.500.000 hectares
Diploma legal de criação: Portaria de Reconhecimento do Ministério do Meio Ambiente n°483, de 14 de Dezembro de 2010.
Coordenação regional / Vinculação: Reserva Extrativista Unini
Contatos: Telefone: (92) 3365.1345

Índice

Localização

O Mosaico do Baixo do Rio Negro integra unidades de conservação do estado do Amazonas próximas à Manaus, parte baixa do Rio Negro.

Como chegar

Ingressos

Cada uma das unidades de conservação que formam o Mosaico Baixo do Rio Negro tem a sua própria política de visitação e de cobrança (ou não) de ingressos.

Onde ficar

Objetivos específicos da unidade

Formar e implementar a governança do Mosaico de Áreas Protegidas do baixo rio Negro, envolvendo a sociedade na sua gestão e propondo instrumentos de valorização de serviços, produtos e “saber-fazer” do Mosaico.

Histórico

O processo de criação e fortalecimento do Mosaico começou em 2006, com o apoio do Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA), por meio de ações para a criação do Conselho Gestor do conjunto das Áreas Protegidas da região e para a promoção do desenvolvimento territorial. Com o andamento dos trabalhos, foram identificadas novas potencialidades e propostas de fortalecimento e desenvolvimento territorial:

Elaboração do plano de desenvolvimento territorial e a sua implementação; Capacitação e definição de uma identidade territorial comum entre os atores sociais; Mecanismos de valorização de serviços e produtos (processos de criação de um selo/certificação dos produtos da sociobiodiversidade do Mosaico); Comunicação e informação.


O Mosaico Áreas Protegidas do baixo rio Negro é uma região de reconhecida importância para a conservação da biodiversidade e também da sociodiversidade. As diferentes Áreas Protegidas inseridas neste projeto situam-se na área de abrangência do Corredor Ecológico da Amazônia Central e também na Zona Núcleo da Reserva da Biosfera. Nessa região ficam os municípios de Manaus, Novo Airão, Iranduba, Barcelos e Manacapuru, que totalizam 1,8 milhões de pessoas (IBGE, 2007) e outras 80 comunidades, formadas por ribeirinhos e indígenas que sobrevivem principalmente da agricultura e do extrativismo florestal, principalmente madeireiro, mas buscam também envolverem-se nas atividades ligadas ao turismo e à venda de artesanato, com forte inserção do componente “tradição cultural”. Estas áreas, em conjunto, totalizam aproximadamente 8 milhões de hectares de ecossistemas de água preta e de floresta tropical distribuído dentro de onze Unidades de Conservação (UC’s). Os índios Waimiri-Atroari também demonstram interesse em participar das discussões.

Atrações

No Mosaico do Baixo do Rio Negro estão integradas as seguintes UCs:

Parque Nacional de Anavilhanas

Parque Nacional do Jaú

Reserva Extrativista do Rio Unini

Parque Estadual Rio Negro Setor Norte

Parque Estadual Rio Negro Setor Sul

Área de Proteção Ambiental da Margem Direita do Rio Negro

Área de Proteção Ambiental da Margem Esquerda do Rio Negro setor Aturiá-Apuauzinho

Área de Proteção Ambiental da Margem Esquerda do Rio Negro setor Tarumã-açu-Tarumã-mirim

Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Negro

Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Amanã

Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Tupé

Aspectos naturais

O Mosaico Áreas Protegidas do baixo rio Negro é uma região de reconhecida importância para a conservação da biodiversidade e também da sociodiversidade.

Relevo e clima

Fauna e flora

Problemas e ameaças

Fontes

Portaria de Reconhecimento do Mosaico do Baixo do Rio Negro

Mapa das UCs do Mosaico

http://www.icmbio.gov.br/portal/mosaicosecorredoresecologicos/moscaicos-reconhecidos-oficialmente/1864-mosaico-do-baixo-rio-negro

http://www.ipe.org.br/projetos/baixo-rio-negro/66-projeto-mosaico-de-areas-protegidas

http://www.icmbio.gov.br/portal/mosaicosecorredoresecologicos/moscaicos-reconhecidos-oficialmente/49-menu-o-que-fazemos/1871-unidades-de-conservacao-mosaico-do-baixo-rio-negro