Parque Estadual Chandless




Parque Estadual Chandless
Esfera Administrativa: Estadual
Estado: Acre
Município: Manuel Urbano
Categoria: Parque
Bioma: Amazônia
Área: 695.303 hectares
Diploma legal de criação: Decreto Nº 10.670 de 02 de setembro de 2004
Coordenação regional / Vinculação: Secretaria de Estado de Meio Ambiente - SEMA - ACRE
Contatos: Unidade de Conservação:

Endereço: Rua Benjamin Constant, 856 - Centro - Rio Branco/AC CEP: 69.900-062 E-mail: Telefone: 1. (68) 3224-3990

55(68)9975-5674 Jesus Sousa Rodrigues (Chefe da Unidade)

Índice

Localização

O Parque Estadual Chandless (PEC), localiza-se nos municípios de Sena Madureira (9%), Santa Rosa do Purus (24%) e Manuel Urbano (67%), no Estado do Acre. Situa-se nas bacias hidrográficas do rio Chandless e de afluentes do rio Purus.

Como chegar

Deslocamento do município de Rio Branco, Acre, para o município de Manuel Urbano, Acre, utilizando a Br - 364. Deslocamento fluvial na direção a montante do rio Purus, até a desembocadura do rio Chandless (voadeira motor 40, pouco peso, dura cerca de 3,5 a 4 horas de viagem). Deslocamento dentro do rio Chandless, na direção a montante, cerca de 2 horas até a base no interior do Parque. Deslocamento aéreo, vôos do Município de Sena Madureira com pouso na fazenda Jussara interior do Parque.

Ingressos

O Parque encontra-se temporariamente fechado.

Onde ficar

O Parque dispõe de acampamento base, com alojamentos.

Objetivos específicos da unidade

Proteção efetiva do Ecossistema de Floresta de Bambu, sendo considerado o centro da dispersão do bambu no sudoeste da Amazônia. Compor efetivamente o corredor ecológico do sudoeste da Amazônia e proteger as bacias hidrográficas do rio Chandless e Purus.

Histórico

O Parque Estadual Chandless é uma área de proteção integral e fica num dos locais menos conhecidos da Amazônia. É uma Unidade de Conservação de Proteção Integral, criada pelo Decreto 10.670, de 2 de setembro de 2004.

Possui área de 670.135, representa 4,23% do território do Acre e abrange os municípios de Santa Rosa do Purus (161.630 ha – 24,12%), Manoel Urbano (445.208 ha – 66,44%) e Sena Madureira (63.296 ha – 9,45%). Tem como limites: começam no marco internacional da fronteira Brasil/Peru, localizado próximo à nascente do Rio Santa Rosa, limita-se também com os Municípios de Feijó e Manoel Urbano O acesso à área é considerado extremamente difícil e feito inicialmente por via terrestre saindo de Rio Branco até Manuel Urbano e deste até a sede da UC por via fluvial.

O parque ganhou esse nome por conta do seu principal curso d`água, o rio Chandless. Por sua vez o rio foi batizado com um nome que veio de muito mais longe. Sir Wiliam Chandless era um famoso explorador britânico que veio parar por estas bandas por causa de uma dúvida que tirava o sono dos barões da borracha. Era chamado de “o problema do Purus”.

Atrações

Aspectos naturais

Além de sua inegável importância para a conservação da biodiversidade, o PEC se insere em uma área estratégica também do ponto de vista socioambiental, que é o Alto Purus, especialmente por se localizar no centro de um mosaico de unidades de conservação, terras indígenas e áreas de comunidades tradicionais, em um contexto de fronteira geográfica e geopolítica com o Peru.

Outros aspectos naturais devem ser considerados como o Bioma Amazônico que é composta de Floresta Tropical Caducifólia com bambu no sub-bosque, Floresta Tropical Caducifólia com palmeiras no sub-bosque, Floresta Ombrófila Aberta de Influência Aluvial, Formações pioneiras de influência fluvial, Vegetação sobre lagoas de igarapés denominadas localmente como “queimadas”.

Relevo e clima

Relevo plano, suave ondulado a ondulado; planícies e terraços fluviais alagados periodicamente ou não; ocorrência de muitos lagos.

Fauna e flora

Em relação à fauna, existem pelo menos cerca de 800 espécies de aves (incluindo espécies migratórias), pelo menos 200 espécies de mamíferos, 80 espécies de répteis e 120 espécies de anfíbios. Foram identificadas cerca de 100 espécies de lepdopteros. A ictiofauna em torno de 200 espécies.

A Bacia do Alto Purus é uma das regiões menos conhecida da Amazônia. O Alto Purus constitui o centro da distribuição dos chamados tabocais no sudoeste da Amazônia. Trata-se de um tipo de vegetação extremamente importante, mas muito pouco conhecido. Apesar do pouco conhecimento da flora regional, alguns fatos indicam que a área apresenta características típicas de área de transição entre a parte leste e oeste do Estado do Acre - o que a torna ainda mais importante para conservação.

Problemas e ameaças

Caça, pesca, agricultura e pecuária de subsistência; População residente no interior do PEC.

Fontes

Plano de Manejo: https://docs.google.com/file/d/0Bxe4MxAoyp-GZXFTZWRMUVhkalU/view

https://ppbio.inpa.gov.br/sitios/chandless

http://www.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-nacional-de-ucs/consulta-por-uc