Parque Estadual Serra Verde

Fique por dentro das novidades do Parque Estadual Serra Verde no Blog do WikiParques


Parque Estadual Serra Verde
Esfera Administrativa: Estadual
Estado: Minas Gerais
Município: Belo Horizonte
Categoria: Parque
Bioma: Mata Atlântica
Área: 142 hectares
Diploma legal de criação: Dec. Est. s/n de 12/12/07 (Criação)

Dec. Est.45.077 de 31/03/09 (Ampliação)

Coordenação regional / Vinculação: Regional Centro Sul
Contatos: E-mail: peserraverde@meioambiente.gov.br

Telefone: (31) 3455-5266

Índice

Localização

Rua João Batista Fernandes, n 85, bairro Serra Verde - Belo Horizonte - Minas Gerais

Como chegar

O acesso, a partir de Belo Horizonte, se dá através da MG-010 sentido Aeroporto de Confins, pegando a saída para o bairro Serra Verde (Saída 13).

Ingressos

Não é cobrado, necessário agendamento para atividades fechadas.

Onde ficar

Lagoa Santa, Pedro Leopoldo, Vespasiano e Belo Horizonte

Objetivos específicos da unidade

Unir a cidade o homem e a natureza por meio da Educação Ambiental.

Histórico

No início de 2006, o governador de Minas Gerais, desapropriou a área do Hipódromo para a construção da Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves. Projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, o novo centro consiste em um moderno conjunto de prédios para abrigar o Palácio Governamental. A inauguração oficial ocorreu em 4 de março de 2010. O Parque Estadual Serra Verde insere-se nesse contexto, englobando parte do antigo Parque Municipal, e representando importante área verde no entorno da Cidade Administrativa.

Atrações

O parque possui as trilhas temáticas que acontecem todo o primeiro sábado do mês (Caso haja feriado a atividade é marcada no segundo sábado). O ponto de encontro é na Associação comunitária do bairro Serra Verde, na rua João Batista Fernandes, n85, às 8:30 da manhã. É importante que o interessado venha com roupa adequada para caminhadas ao ar livre, e trazer lanche, água, boné e demais itens de interesse.

TRILHA NOTURNA: Os animais brasileiros, em sua maioria , são discretos e pouco vistos, com maior período de atividade durante a noite. Por isso a equipe do Serra Verde realiza, trimestralmente, a caminhada noturna.O objetivo é apresentar aos participantes a fauna noturna e a dinâmica da vida selvagem durante este período.

TRILHA TREKKING DAS GALHAS: Há sempre uma nova forma de se realizar uma caminhada e o trekking é uma maneira de se trilhar conciliando aprendizado e diversão. Vamos à “caça as galhas”, estruturas pouco conhecidas mas muito diversas na Natureza e no Parque. O objetivo é introduzir noções desta modalidade esportiva e apresentar as fascinantes estruturas das galhas.

TRILHA DOS RASTROS: Os mamíferos, são animais de difícil visualização. Uma maneira interessante de descobrir se existe a presença do animal nas florestas é a busca por pistas, como, pegadas, trilhas e tocas. O objetivo da trilha é apresentar aos participantes a fauna local através de pistas deixadas pelos animais no ambiente.

TRILHA DOS SOLOS: Nesta trilha aborda-se o solo, valioso e frágil recurso, do qual dependem não apenas a biodiversidade, mas também os recursos hídricos e a própria sobrevivência do homem. Ao longo da caminhada o visitante poderá conferir, com o auxílio de dinâmicas e experiências, a diferença entre áreas com solos degradados e preservados, como ocorre tal degradação e como isso afeta tanto os ambientes naturais quanto os urbanos.

Aspectos naturais

Fragmentos de mata atlântica em meio a cidade de Belo Horizonte, possui aproximadamente 24 nascentes que formam o córrego floresta, que desaguam no Isidoro, depois no Onça e em seguida no Rio das Velhas.

Relevo e clima

O clima da região é do tipo mesotérmico brando com verão brando (Awi), segundo Köppen, semiúmido, com um período seco, que se estende de Abril a Setembro. A precipitação, que varia de 1.490 a 1.515 mm, apresenta uma marcha sazonal bem definida em toda região, apresentando clara distinção entre as estações seca e chuvosa. As principais classes de solo são os Argissolos Vermelho-Amarelos nas porções mais suaves do relevo e Cambissolos Háplicos em áreas de relevo mais declivoso. São solos distróficos, o que indica deficiências químicas no que tange a disponibilidade de nutrientes para as plantas. Ao longo das calhas dos rios ocorrem Neossolos Flúvios e Gleissolos Háplicos.

Fauna e flora

O PESV, abriga animais da nossa fauna, como, por exemplo, Furão, Tatu-galinha, Capivara, Mão-pelada, Cachorro-do-mato, etc. A Unidade de Conservação também tem um grande potencial para a prática de Observação de Aves, já que conta com mais de 100 espécies catalogadas, dentre elas, o Gavião-do-rabo-branco, Falcão-de-coleira, Gavião-carijó, Caburé, Saracura, Tico-tico-rei-cinza, Canário-do-mato, etc. O parque é cercado região metropolitana de Belo Horizonte, funcionando como um refúgio para centena de espécies que utilizam os recursos naturais disponíveis na área. A flora possui exemplares de mata atlântica e cerrado.

Problemas e ameaças

Os principais problemas são: lixo, entulho, fogo, animais domésticos, uso de drogas, caça e coleta de lenha. É interessante notar que todos os moradores do entorno citam os mesmos problemas e, em sua maioria, associados à cultura e à falta de educação da população. A falta de estrutura também dificulta a execução das atividades.

Fontes

Colaboradores e plano de manejo.