Parque Estadual da Ara

Localizado no município de Valinhos, a 90 quilômetros de São Paulo capital, o Parque Estadual da ARA - Assessoria da Reforma Agrária foi criado em 1969. Quatro anos depois da sua criação, o parque foi ampliado para o seu tamanho atual, de 64 hectares.



Parque Estadual da Ara
Esfera Administrativa: Estadual
Estado: Sao Paulo
Município: Valinhos
Categoria: Parque
Bioma: Mata Atlântica
Área: 64,30 hectares
Diploma legal de criação: Decreto Estadual n° 51.988, de 04 de junho de 1969. (criação)

Decreto Estadual n° 928, de 09 de janeiro de 1973. (ampliação)

Coordenação regional / Vinculação: Fundação para Conservação e a Produção Florestal do Estado de São Paulo
Contatos: Unidade de Conservação do Parque Estadual da Ara

E-mail: fflorestal@fflorestal.sp.gov.br

Telefone: (11) 2997-5000

Chefe da Unidade: SANDRA KANASHIRO RAMALHO

Índice

Localização

O Parque Estadual da ARA - Assessoria da Reforma Agrária, fica localizado na zona rural do município de Valinhos, em São Paulo.

Como chegar

O Parque Estadual ARA está localizado a 90 quilômetros da capital paulista e apenas alguns quilômetros de Campinas.

Ingressos

A visitação não acontece de forma manejada no parque.

Onde ficar

Objetivos específicos da unidade

Preservação de ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica, possibilitando a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades de educação e e interpretação ambiental, de recreação em contato com a natureza e de turismo ecológico.

Histórico

O Parque Estadual da ARA - Assessoria da Reforma Agrária, foi criado através do Decreto Estadual n° 51.988, em 1969, e ampliado para o tamanho original em 1973, pelo Decreto Estadual nº 928. O Parque Estadual A.R.A., como é conhecido, teve origem em uma iniciativa do governo estadual de implantar um projeto piloto de reforma agrária na região. Daí sua denominação, que são as iniciais de Assessoria da Reforma Agrária. O local escolhido foi a Fazenda Capivari, cujas terras foram loteadas em sítios. Uma parte da gleba não foi loteada e as matas nativas ali existentes foram preservadas.

O objetivo da sua criação foi a proteção de uma parcela única de floresta rodeada de sítios onde se cultivam varias árvores frutíferas de importância econômica para a região.

A proteção do ecossistema da região também se faz presente por meio de várias pesquisas como levantamento florístico, fitossociológico e da avifauna, além de atividades de Educação Ambiental.

Atrações

Aspectos naturais

Relevo e clima

O parque apresenta relevo ondulado. Morrotes alongados e morros com serras restritas.

Fauna e flora

A vegetação do parque estadual é diversificada, com destaque para grandes árvores, como jequitibá, peroba, canela e jatobá, características de floresta estacional semi-decidua – tipo de floresta subtropical que perde as folhas em determinadas épocas do ano.

A unidade de conservação abriga espécies da fauna regional, como papagaio, tucano, cachorro do mato, quati, guaxinim, cutia, tatu, veado, jacu, tico-tico e seriema.

Problemas e ameaças

Ausência de Plano de Manejo.

Fontes

Cadastro Nacional de Unidades de Conservação (Ministério do Meio Ambiente) [1]

Decreto Estadual n° 51.988 (criação do parque) [2]

Decreto Estadual n° 928 (ampliação do parque) [3]

http://www.valinhos.sp.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=1051&Itemid=202