Parque Estadual de Ibiporã

O Parque Estadual de Ibiporã, localizado no extremo norte do estado do Paraná, corresponde a um importante perímetro de conservação numa região ainda pouco provida de UCs de proteção integral. Criado em 1980 sob status de floresta e recategorizado como parque em 2012, o Parque está aberto a visitação e oferece trilhas e caminhadas, além de espaço para piquenique dentro de um reduto preservado de Mata Atlântica.



Parque Estadual de Ibiporã
Esfera Administrativa: Estadual
Estado: Parana
Município: Ibiporã
Categoria: Parque
Bioma: Mata Atlântica
Área: 74 hectares
Diploma legal de criação: Criado pelo Decreto Estadual n° 2.301, de 30 de abril de 1980. E recategorizado através do Decreto Estadual n° 3.741, de 23 de janeiro de 2012.
Coordenação regional / Vinculação: Instituto Ambiental do Paraná
Contatos: Instituto Ambiental do Paraná

Telefone: (41) 3213-3700

Unidade de Conservação do Parque Estadual de Ibiporã

E-mail: peibipora@iap.pr.gov.br // ucsparana@iap.pr.gov.br Telefone: (41) 3213-3462 // (43) 3258-4366

Índice

Localização

O Parque Estadual de Ibiporã está localizado a aproximadamente 400km de Curitiba. E a 17,5km de Londrina. O Parque situa-se no extremo norte do Paraná.

Como chegar

O acesso à unidadade de conservação se faz exclusivamente pela rodovia BR 369, a partir das cidades de Jataizinho (a leste), Londrina (a sudoeste) ou pelo contorno norte desta cidade.

Ingressos

Não há cobrança de ingressos. O parque fica aberto de segunda a domingo de 9h às 18h.

Onde ficar

Objetivos específicos da unidade

Tem como objetivo a preservação dos ecossistemas de grande beleza cênica e ecológica.

Histórico

Criado pela Lei Estadual nº 2.301/1980 com a administração do ITCF. Por meio do Decreto n° 3.741/2012 a unidade passou a se denominar “Parque Estadual de Ibiporã”.

O Parque Estadual de Ibiporã situa-se em uma região ainda pouco contemplada pelas áreas protegidas de proteção integral no estado do Paraná. Ibiporã significa "Terra Bonita" na língua tupi.

Atrações

Pesquisas científicas, atividades de educação ambiental, caminhadas e palestras

O Parque possui: centro de visitantes, almoxarifado, estacionamento, casa do guarda-Parque, trilhas, choupana, quiosques, sanitários, bebedouros e viveiro de mudas de espécies nativas.

O Parque Estadual do Ibiporã apresenta as seguintes trilhas:

  • Trilha Principal - 2.600 metros. A trilha principal leva à nascente “mina” de água que drena em direção ao córrego Ipê, afluente do Ribeirão Jacutinga, afluente do rio Tibagi. A trilha encontra-se totalmente sinalizada e manejada.
  • Trilha Parcial - 1.300 metros. Uma derivação da Trilha Principal, que reduz o trajeto à metade.
  • Trilha da Figueira - 1.600 metros. Passa pelo Viveiro Florestal, trilha também manejada e sinalizada.

Aspectos naturais

Relevo e clima

A região da UC é caracterizada pela ocorrência do clima Temperado do tipo super-úmido, sem estação seca. A região em que se situa a UC, encontra-se na faixa de 65 a 70% de umidade relativa anual, o que indica tratar-se de uma área com o menor valor de umidade do estado.

Na área da UC e entorno, verifica-se no trimestre mais quente o predomínio de temperaturas médias de 27 a 28°C, enquanto que no trimestre mais frio prevalecem temperaturas nas faixas de 16 a 17°C. Registra-se, assim, uma amplitude térmica de aproximadamente 9 °C entre as médias de temperaturas do trimestre mais quente e do trimestre mais frio do ano.

Fauna e flora

A vegetação natural existente na região da UC é classificada como Floresta Estacional Semidecidual, originalmente dominante na região, mas que sofreu um processo de fragmentação intensificado em meados do século XX, resultando numa paisagem fragmentada em mosaico com diferentes usos agrícolas e pastoris. Até então, esse tipo florestal era contínuo com a Floresta Ombrófila Densa, sendo por esse motivo incluído entre as tipologias de vegetação componentes do bioma Mata Atlântica.

As florestas da região são também povoadas por um número expressivo de epífitas vasculares, entre elas as pertencentes às famílias Orchidaceae, Polypodiaceae e Bromeliaceae, sendo estas mais ricas em espécies e em locais, onde o relevo ou a proximidade com corpos d’água aumentam o teor de humidade no interior da floresta.

Contudo, na atualidade, a composição de espécies que caracterizaram a vegetação original na região do baixo Tibagi, pode estar bastante simplificada ou com populações de espécies rarefeitas, situação que ocorre em muitos fragmentos semelhantes ao Parque Estadual de Ibiporã. Algumas espécies chave para o funcionamento dos ecossistemas são já bastante raras, a exemplo de Euterpe edulis palmiteiro, cuja escassez pode ter de influência inclusive sobre a abundância de muitos grupos de fauna.

A fauna na região do Parque Estadual de Ibiporã representa uma parcela da comunidade biótica relacionada ao bioma Mata Atlântica. Na bacia do rio Tibagi, na qual se insere o Parque Estadual de Ibiporã, já foram registradas 60 espécies de mamíferos não voadores, 39 espécies de morcegos, 482 de aves, 42 de répteis, 40 espécies de anfíbios e 110 espécies de peixes (Medri et al. 2002). Estes são os números contabilizados para a bacia como um todo nas últimas décadas, contudo, ressalta-se que eles representam a fauna que passou a ser estudada sistematicamente somente após a década de 1980.

Problemas e ameaças

Ocupação desordenada do solo, desmatamento e caça ilegal.

Fontes

http://sistemas.mma.gov.br/cnuc/index.php?ido=relatorioparametrizado.exibeRelatorio&relatorioPadrao=true&idUc=504

  • Plano de Manejo

http://www.iap.pr.gov.br/arquivos/File/Plano_de_Manejo/PE_Ibipora/Plano_de_Manejo_PE_Ibipora_2015.pdf

  • Decreto Estadual de Criação

http://www.iap.pr.gov.br/arquivos/File/UC/leis_decretos/ibipora_1980.pdf

  • Recategorização da Unidade de Conservação

http://www.iap.pr.gov.br/arquivos/File/atos_de_criacao/59_ibipora_amplia.pdf