Florestal Estadual Metropolitana




Florestal Estadual Metropolitana
Esfera Administrativa: Estadual
Estado: Parana
Município: Piraquara
Categoria: Floresta
Bioma: Mata Atlântica
Área: 409,6
Diploma legal de criação: Espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público, com objetivos de conservação e limites definidos, sob regime especial de administração, ao qual se aplicam garantias adequadas de proteção.”(BRASIL,2000, p.271)

vinculaçao=microregiao metropolitana de Curitiba Esta unidade de conservação está inserida o Projeto Paraná II, projeto que faz a integração de três unidades de conservação pertencentes a região da Serra do Mar e Planície Litorânea (Floresta Estadual Metropolitana, Parque Estadual do Pico do Marumbi e a Ilha do Mel), fazendo da Floresta Metropolitana o ponto de partida para visitação destas unidades.

Coordenação regional / Vinculação: Instituto Ambiental do Paraná
Contatos: Endereço: Rua Engenheiro Rebouças, 1375 - Rebouças - Piraquara/PR

CEP: 80.023-040

E-mail: ucsparana@iap.pr.gov.br

Telefone: (41) 3213-3407

Índice

Localização

A localização da Floresta Estadual Metropolitana, próxima ao grande centro urbano de Curitiba e ponto de passagem para a Serra do Mar e Litoral, confere a esta unidade de conservação o status de marco inicial do roteiro de visitação Floresta Atlântica, denominado Caminhos do Mar.

Como chegar

Ingressos

Onde ficar

Cidade de Piraquara.

Objetivos específicos da unidade

A UC tem como objetivo básico o uso múltiplo sustentável dos recursos florestais e a pesquisa científica.

"planejamento e desenho da unidade de conservação”, temáticas abordando os objetivos da unidade de conservação, bem como seu amparo legal serão desenvolvidos. Em “insumos” tratarão dos recursos da unidade de conservação, sua infra-estrutura, suas finanças e inclusive dos “recursos humanos” que a área pode oferecer. No seu quarto ponto, a preocupação é a de “processos de manejo”,

Histórico

Esta unidade de conservação de uso sustentável existe desde 1988.

O município de Piraquara faz parte de uma região de mananciais que possui áreas de proteção ambiental, interferindo no desenvolvimento local e no cotidiano dos moradores da região.

Esta unidade de conservação possui uma história interessante, pois sofreu extrativismo florestal, exploração seletiva da floresta com araucária e corte raso para atividades agropecuárias.

Atrações

A inexistência de infra-estrutura não atende a expectativa dos visitantes e do poder público, pois impossibilita a realização de ações coordenadas visando a proteção do ambiente.

Aspectos naturais

A área de interesse enquadra-se no Complexo Cristalino. A ele pertencem as rochas de alto grau metamórfico como os migmatitos heterogêneos que ocorrem no município de Piraquara.

A Floresta Estadual está ainda incluída na Formação Guabirotuba do período Quaternário, que compreende os sedimentos da bacia de Curitiba. Em regra geral, os sedimentos dessa formação não são consolidados, embora por vezes apresentem fraca consolidação por carbonato de cálcio.

Relevo e clima

A Floresta Estadual apresenta relevo plano e suave ondulado, com altitudes variando entre 882 metros e 930 metros. Na porção sul ocorrem as baixas declividades, correspondendo a uma grande extensão de várzeas. Na porção norte o relevo torna-se mais dinâmico, formado principalmente por áreas de vertentes com declividades baixas e alguns trechos com declividades médias.

O mês mais quente é fevereiro, com média das máximas de 26,6o C e o mês mais frio é julho, com média das mínimas de 8,2oC, para observações de 1970 a 1985.

Fauna e flora

Na área predominam originalmente campos naturais (Savana Gramíneo-lenhosa), campos edáficos (Formações Pioneiras de influência fluvial) e florestas com araucária (Floresta Ombrófila Mista).

Entre as árvores encontradas estão a Canela, a Canema, a Caroba, a Cataia, o Pinheiro e o Pinho-bravo.

Na floresta de araucária foram identificadas 21 espécies de aves, destacando-se a presença de algumas espécies migrantes como o irré (Myiarchus swainsoni), o siriri (Tyranus melancholicus) e a guaracaia (Elaenia parvirostris).

Problemas e ameaças

Fontes

NICARETTA,Gisele. Floresta Estadual Metropolitana de Piraquara,Um estudo sobre percepção do espaço. Curitiba,2006.

http://sistemas.mma.gov.br/cnuc/index.php?ido=relatorioparametrizado.exibeRelatorio&relatorioPadrao=true&idUc=520

Plano de Manejo: http://www.iap.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=1347

http://sistemas.mma.gov.br/portalcnuc/rel/index.php?fuseaction=portal.exibeUc&idUc=520