Parque Natural Municipal da Cidade

Conhecido popularmente por “Parque da Cidade”, o Parque Natural Municipal da Cidade abrange uma área de 470 mil m2. Com entrada pelo bairro da Gávea, ele se estende até o Parque Nacional da Tijuca, constituindo uma Unidade de Conservação de Proteção Integral Municipal.​



Parque Natural Municipal da Cidade
Esfera Administrativa: Municipal
Estado: Rio de Janeiro
Município: Rio de Janeiro
Categoria: Parque
Bioma: Mata Atlântica
Área: 47 hectares
Diploma legal de criação: Decreto Municipal n° 29.538, de 04 de julho de 2008.
Coordenação regional / Vinculação: Secretaria Municipal de Conservação e Meio Ambiente do Rio de Janeiro - Prefeitura do Rio de Janeiro - RJ
Contatos: E-mail: pnmcidade@gmail.com

Telefone: (21) 3111-3899

Índice

Localização

Endereço: Estrada de Santa Marinha, 505 - Gávea - Rio de Janeiro/RJ

Como chegar

É possível acessar o parque de carro a partir da Rua Marquês de São Vicente, na Gávea. De ônibus, é preciso pegar uma das linhas que passam próxima à entrada do parque, como o 105, 537 e o 112.

Ingressos

Não há cobrança de ingressos.


Horário de funcionamento

Terça a domingo, das 8h às 17h.

Onde ficar

Na cidade do Rio de Janeiro há inúmeras opções de hospedagem, o bairro mais próximo para quem quer visitar o parque é a Gávea.

Objetivos específicos da unidade

Preservar, proteger e recuperar os ecossistemas existentes no local; promover o desenvolvimento de programas de educação ambiental e pesquisa científica; garantir espaços verdes e livres para a promoção do lazer, da recreação e do ecoturismo da área urbana.

Histórico

O Parque Natural Municipal da Cidade foi criado em 2008 e abriga uma antiga propriedade do Marquês de São Vicente.

Atrações

O Parque da Cidade está localizado em uma antiga propriedade do Marquês de São Vicente, no Bairro da Gávea, doada ao governo em 1939. Fileiras de palmeiras, árvores frutíferas e espécies raras, como árvores de pau-brasil, dividem a atenção dos visitantes com as montanhas que rodeiam o espaço e com os animais que lá vivem. Um bonito lago foi criado com o represamento de um córrego, tornando o passeio ainda mais agradável. Propício para piqueniques e relaxamento, o local oferece aos visitantes um espaço para lazer e trilhas.

O parque ainda abriga o Museu Histórico da Cidade, que preserva cerca de 20 mil peças, entre elas o trono de Dom João VI, esculturas do Mestre Valentim e gravuras do pintor e desenhista francês Jean-Baptiste Debret.

Em dezembro de 2017, foi aberto o Circuito Circular do Parque da Cidade com 2.6 quilômetros de extensão. O percurso faz parte da Trilha Transcarioca e está sinalizado com as pegadas amarela e pretas que marcam a trilha.

Aspectos naturais

É uma área de jardins e mata, cortada pelo rio Rainha, que, a um ponto, é represado para formar um lago. Seu bioma é característico da Mata Atlântica. Embora parte do parque tenha sido reflorestada, ainda há seções nativas de Mata Atlântica.

Relevo e clima

Fauna e flora

Vegetação

A cobertura vegetal do Parque da Cidade está incluída na Floresta Ombrófila Densa Submontana, sendo um prolongamento das matas do Maciço da Tijuca. A riqueza florística assemelha-se bastante àquela verificada no Parque Nacional da Tijuca. Na área urbanizada pode-se observar o pinheiro do paraná (Araucaria angustifolia), o pândano (Pandanus sp), os jacarandás (Jacaranda puberula, Jacaranda macrantha), o pau-mulato (Calycophyllum spruceanum), a rara copaíba (Virola oleifera) e muitas Palmáceas de várias espécies. Muitos destes exemplares estão identificados por placas e são facilmente avistados, por estarem em meio a gramados ajardinados. Na mata, seguindo por trilhas que conduzem à Vista Chinesa ou ao Jardim Botânico, observa-se uma grande diversidade florística. Alguns espécimes arbóreos possuem galhos parcialmente cobertos por diversas epífitas e lianas, como as bromélias (Neoregelia neoglutimosa, Tillandsia stricta, Aechmea nudicaulis, Billbergia piramidalis, B. zebrina, Hohenbergia augusta e Vriesa sp), os cactos (Rhipsalis spp), a orquídea (Octomeria alpina, Epidendrum sp, Pleurothallis spp), o cipó-escada-de-macaco - ameaçado de extinção (Bauhinia smilacina) e o cipó-pente-de-macaco (Ptecoctemium echinatium).

As espécies arbóreas mais facilmente observadas são o pau-ferro (Caesalpinia ferrea), o ameaçado pau-brasil (C. echinata), a pata-de-vaca (Bauhinia variegata), a exótica jaqueira (Artocarpus heterophyllus), a embaúba (Cecropia lyratiloba), o ameaçado palmiteiro (Euterpe edulis), a embaúba-prateada (Cecropia hololeuca), a figueira (Ficus guaranitica), o pau-jacaré (Piptadenia gonoacantha), o cedrinho (Cedrela fissilis), a carrapeteira (Guarea guidonea) e a imbirema (Aspidosperma sp). Sob esta cobertura, em meio à serrapilheira desenvolvem-se espécies herbáceas e arbustivas, tais como a orquídea (Oeceoclades maculata), a bromélia (Vanila chamissonis, Horenbergia augusta), e a selaginela (Selaginella umbrosa), entre outras.

Em 1999, foi plantado no Parque um espécime de Ipê amarelo (Tabebuia serratifolia), como marco comemorativo de 2 milhões de mudas plantadas na cidade pelo Programa Mutirão Reflorestamento da SMAC.

Problemas e ameaças

Falta de regularização fundiária.

Fontes

http://sistemas.mma.gov.br/cnuc/index.php?ido=relatorioparametrizado.exibeRelatorio&relatorioPadrao=true&idUc=1802

http://visit.rio/que_fazer/parque-natural-municipal-da-cidade/

http://museudacidadedorio.com.br/