Reserva Biológica União

Pesquisas apontam que a Mata Atlântica da REBIO União possui a maior riqueza e diversidade vegetal entre todos remanescentes estudados no estado do Rio de Janeiro. A floresta abriga ainda uma grande e importante população silvestre de mico-leão-dourado, primata endêmico do Rio de Janeiro e ameaçado de extinção, símbolo da conservação da natureza no Brasil. Diversas outras espécies da fauna ameaçadas de extinção também podem ser encontradas na Reserva, como a preguiça-de-coleira, a jaguatirica e a lontra. Destaca-se também, uma grande variedade de peixes, répteis, anfíbios e insetos.


Carregando mapa...
Reserva Biológica União
Esfera Administrativa: Federal
Estado: Rio de Janeiro
Município: Casimiro de Abreu, Macaé, Rio das Ostras
Categoria: Reserva Biológica
Bioma: Mata Atlântica
Área: 7.756,76 hectares
Diploma legal de criação: Decreto Federal s/nº, de 22 de abril de 1998. Ampliado pelo Decreto Federal s/nº, de 05 de junho de 2017.
Coordenação regional / Vinculação: CR8 -Rio de Janeiro - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio)
Contatos: Telefone: (22) 2777-1113 // (22) 2777-1115 // (22) 99833-4500

E-mail: rebiouniao@icmbio.gov.br

Índice

Localização

A área da Reserva Biológica União, ampliada em 2017, se estende pelas terras dos municípios de Casimiro de Abreu (63,77% / 4.953,43 hectares), Rio das Ostras (24,68% / 1.917,24 hectares) e Macaé (11,55% / 897,13 hectares). no interior do estado do Rio de Janeiro.

Como chegar

A Sede Administrativa da UC localiza-se no KM 185 da BR 101, na localidade de Rocha Leão, município de Rio das Ostras/RJ. O principal acesso a Reserva é pela BR 101, que corta a UC. A Sede está a cerca de: 21 km de Casimiro de Abreu; 25 km de Rio das Ostras, 35 km de Macaé, 120 km de Campos dos Goytacazes e 160 km da cidade do Rio de Janeiro.

Existem vários horários regulares de ônibus, tanto durante o dia como a noite, da empresa Autoviação 1001, que faz a linha Rio de Janeiro Macaé, que passam pelo interior da UC. O tempo médio de viagem de ônibus do Rio de Janeiro à Reserva Biológica União é de cerca de 02h45.

Dois vôos regulares, da viação Azul, saem diariamente do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, com destino à Macaé.

Ingressos

Aberto com autorização especial para visitação com objetivos educativos - pesquisa científicas e educação ambiental.

Horário: Segunda a Sexta, de 08:00 às 17:00

As visitas são guiadas e realizadas em grupos compostos de no mínimo 10 pessoas e no máximo 20. Devem ser previamente agendadas através dos telefones (22) 2777-1115/1113 ou e-mail rebiouniao@icmbio.gov.br

Onde ficar

Os municípios de Rio das Ostras, Casimiro de Abreu e Macaé, próximos a Reserva Biológica possuem boa estrutura de hotéis e pousadas.

Objetivos específicos da unidade

Preservação integral da biota e demais atributos naturais existentes em seus limites, sem interferência humana direta ou modificações ambientais, excetuando-se as medidas de recuperação de seus ecossistemas alterados e as ações de manejo necessárias para recuperar e preservar o equilíbrio natural, a diversidade biológica e os processos ecológicos naturais.

O objetivo de criação da Reserva Biológica União é assegurar a proteção e recuperação de remanescentes da Floresta Atlântica e formações associadas, da fauna típica, que delas depende, em especial o mico-leão-dourado.

Histórico

As terras que deram origem à Reserva Biológica União são as mesmas que integravam o imóvel rural “Fazenda União”, cujo proprietário no século XIX era o Sr. Joaquim Luiz Pereira de Souza, pai de Washington Luis, que foi Presidente da República Federativa do Brasil no período de 1926 a 1930.

A área foi propriedade também da Companhia inglesa “The Leopoldina Railway Company Limited”, que a adquiriu em 1939 para fornecer lenha nativa para as antigas locomotivas movidas a vapor. Com esse mesmo objetivo foram realizados os primeiros reflorestamentos com eucaliptos na fazenda, visando o abastecimento de lenha, em face da devastação florestal que já estava ocorrendo.

Posteriormente, na década de 50, devido à grave crise financeira que atravessava, a Companhia Inglesa passou ao domínio brasileiro. Para operacionalizar o transporte ferroviário sob o domínio estatal foi criada em 1957 a Rede Ferroviária Federal S.A., que, por conseguinte, ficou responsável pela administração da Fazenda União.

Com a mudança da fonte de energia que movia as locomotivas, de vapor para óleo combustível, os plantios de eucaliptos passaram a ter como objetivo a produção de dormentes, que são peças de madeira onde os trilhos da ferrovia são apoiados e afixados. Esse objetivo permaneceu até 1996, sendo a produção de dormentes a principal atividade da Fazenda União.

Em 1994 a Fazenda União recebeu, através da técnica da Translocação, as primeiras famílias de micos-leões-dourados, oriundas de pequenos e ameaçados fragmentos de Mata Atlântica da região. A presença dos micos-leões-dourados na área e sua extensa e bem conservada Mata Atlântica, tornou-a prioritária para conservação.

Com o processo de privatização da R.F.F.S.A., iniciado em 1996 pelo governo Federal, a Fazenda União é colocada à venda, gerando uma grande mobilização da comunidade científica nacional e internacional, ONG’s, Instituições Públicas da área ambiental e ambientalistas de várias nacionalidades, para que a área fosse protegida em forma de Unidade de Conservação.

No dia 22 de abril de 1998 o vice-presidente da República, Marco Antônio de Oliveira Maciel, assina o Decreto de Criação da Reserva Biológica União, com o objetivo de assegurar a proteção e recuperação de remanescentes da Floresta Atlântica e formações associadas, da fauna típica, que delas depende, em especial o mico-leão-dourado (Leontopithecus rosalia).

Atrações

A trilha interpretativa existente na Unidade de Conservação tem extensão de 3.300 m e resguardando sua história, recebeu o nome de “Trilha Interpretativa do Pilão”. Nela pode-se observar parte da rica biodiversidade da Mata Atlântica, a importância da floresta para a manutenção dos serviços ambientais que ela nos proporciona como por exemplo, a proteção das nascentes, do solo, dentre outros e interpretar elementos naturais e processos ecológicos de vital importância para o meio ambiente.

Os primeiros 1.000 metros da trilha interpretativa são adaptados para pessoas com deficiência e pessoas com mobilidade reduzida como, por exemplo, os idosos. Seu percurso em ambiente natural tem como objetivo contribuir no processo de integração das pessoas com deficiência à sociedade e permitir que essa importante e numerosa parcela da sociedade conheça e usufrua dos benefícios proporcionados por esse rico e ameaçado Bioma e que também possam se conscientizar da necessidade da proteção e da preservação do meio ambiente para as presentes e futuras gerações.

A Rebio União possui ainda um Centro de Vivência com capacidade para receber até 100 pessoas. Esse espaço também é adaptado para pessoas com deficiência, sendo utilizado para encontros e troca de experiências vividas durante as visitações com finalidade educativa e científica, palestras, reuniões e eventos de capacitação ligados a área ambiental.

Aspectos naturais

Com relação aos recursos hídricos, os rios que nascem e correm dentro da REBIO União contribuem com três importantes bacias hidrográficas do estado: a do Rio São João, a do Rio das Ostras e a do Rio Macaé.

Relevo e clima

Fauna e flora

A formação nativa da vegetação da Reserva Biológica União é caracterizada como Mata Atlântica de Baixada (36%) e Mata Atlântica de Encosta (47,1%), ambas em bom estado de conservação. A floresta de eucaliptos encontrada no interior da Reserva corresponde a 8,6% de sua área. Essa floresta exótica foi introduzida antes da criação da Unidade de Conservação - UC e será substituída pela vegetação original: a Mata Atlântica. Embora necessitando de um levantamento florístico completo, foram registradas na formação nativa da vegetação 249 espécies arbóreas, distribuídas em 45 famílias. As famílias com maior número de espécie foram Myrtaceae, Lauraceae e Sapotaceae. Nesta lista destacam-se o Jequitibá, a Massaranduba, a Sapucaia, a Braúna, o Vinhático e o Palmito Jussara. É também bastante representativa a ocorrência de Bromélias, Orquídeas e Cipós, que podem ser facilmente observados no interior da floresta. Estudos apontam a Reserva Biológica União como a maior riqueza e diversidade vegetal entre todos os remanescentes estudados na Mata Atlântica do Rio de Janeiro.

A floresta abriga uma grande e importante população silvestre de mico-leão-dourado, primata endêmico do Rio de Janeiro e ameaçado de extinção, símbolo da conservação da natureza no Brasil. Diversas outras espécies da fauna ameaçadas de extinção também podem ser encontradas na Reserva, como a preguiça-de-coleira (Bradypus torquatus), a jaguatirica (Leopardus pardalis), a lontra (Lutra sp), entre outros. Destaca-se também, uma grande variedade de peixes, répteis, anfíbios e insetos.

Pesquisas apontam a ocorrência de um significativo número de espécies de aves, com 225 já registradas. Destas, 35 são endêmicas, sendo 5 ameaçadas de extinção, como o Papagaio Chauá (Amazona rhodocorytha). Outras 15 espécies são migratórias, sendo 4 ameaçadas de extinção, como a Araponga (Procnias mudicolris). Em função disto a Reserva Biológica União foi incluída no mapeamento de áreas chave para a proteção de aves endêmicas, raras e ameaçadas de extinção.

Problemas e ameaças

Fontes

http://www.icmbio.gov.br/portal/unidadesdeconservacao/biomas-brasileiros/mata-atlantica/unidades-de-conservacao-mata-atlantica/2144-rebio-uniao

http://www.icmbio.gov.br/portal/visitacao1/unidades-abertas-a-visitacao/4057-reserva-biologica-uniao

http://sistemas.mma.gov.br/cnuc/index.php?ido=relatorioparametrizado.exibeRelatorio&relatorioPadrao=true&idUc=217