Reserva Biológica de Comboios

Fique por dentro das novidades da Reserva Biológica de Comboios no Blog do WikiParques


Reserva Biológica de Comboios
Esfera Administrativa: Federal
Estado: Espirito Santo
Município: Linhares
Categoria: Reserva Biológica
Bioma: Mata Atlântica
Área: 784,63 hectares
Diploma legal de criação: Decreto nº 90.222 de 25 de setembro de 1984
Coordenação regional / Vinculação: Coordenação Regional 7 - Porto Seguro
Contatos: Telefone: (27) 3274-1209/ 99984-4334

Email: comboios@tamar.org.br

Índice

Localização

A Reserva Biológica de Comboios localiza-se no norte do Estado do Espírito Santo, junto ao povoado de Regência, do município de Linhares.

Endereço: Cx. Postal 105, S/N - Linhares/ES - CEP: 29.900-970

Coordenadas: 19°40'16.50"S e 39°52'57.59"O

Como chegar

O acesso à Reserva, partindo-se de Vitória, pode ser feito através de dois caminhos:

1) pela BR-101, seguindo até Bebedouro (distrito de Linhares-ES) por 110 km, e daí por estrada de terra mais 38 km até o povoado de Regência;

2) Saindo de Vitória seguindo-se por cerca de 90 km pela ES-010 e mais 30 km em estrada de terra até a Reserva. O percurso de Vitória à Reserva leva normalmente 3 horas.

O estado de conservação das rodovias citadas é regular. A cidade mais próxima à unidade fica é Linhares a 55 km, que fica a 130 km da capital do Estado do Espírito Santo, Vitória.

Ingressos

Por ser uma Reserva Biológica não há a permissão de visitantes.

Porém com prévia autorização da Reserva, pesquisas científicas ou com finalidade de educação são permitidas.

Onde ficar

A 7 km da Reserva está o distrito de Regência, que possui hotéis e pousadas:

  • Pousada Vila Sergio - (27) 99802-1650
  • Pousada D'Aldeia - (27) 99946-6974
  • Pousada e Restaurante Mar Azul - (27) 3274-1082
  • Camping da Praia - (27) 99981-3381

Objetivos específicos da unidade

Preservar a fauna, flora e desovas de tartarugas marinhas que utilizam as praias da reserva para a perpetuação da espécie.

Histórico

A Reserva Biológica de Comboios foi criada em 1984, pelo Governo federal, com o objetivo principal de proteger as desovas de tartaruga-de-couro, pois este é considerado um dos seus maiores sítios de desova dessa espécie no Estado.

As praias abrigam o único ponto conhecido de concentração de desovas da Tartaruga Gigante - Demorchelys coriacea e o segundo maior ponto de concentração da Tartaruga Cabeçuda - Caretta caretta, no Brasil. Em 1950, a região foi declarada, pelo Instituto Osvaldo Cruz, um dos mais importantes remanescentes de restinga do Brasil. Abriga várias espécies animais e vegetais ameaçadas de extinção, como a preguiça-de-coleira, o tamanduá e o macaco-prego.

O nome faz referência à maneira como se organizavam os brancos colonizadores, em comboios e caravanas, para desbravar e explorar a região, quando ela ainda era habitada pelos índios botocudos, etnia extinta desde o início do Século XX.

No limite sul da Reserva Biológica fica a Reserva Indígena de Comboios, habitada pelos índios tupiniquins.

Atrações

Projeto Tamar

Esta é uma das bases pioneiras, instalada em 1982. É a base-mãe do Espírito Santo. Distribui-se em dois espaços: a base de conservação, que abriga as ações de monitoramento das praias, na Reserva Biológica de Comboios; 7km ao norte de Comboios está o distrito de Regência, uma pequena comunidade de pescadores com cerca de dois mil habitantes, cujas principais fontes de subsistência são a pesca e as atividades de conservação ambiental, onde funcionam outras estruturas do Tamar, nas áreas de educação ambiental e ação comunitária, como a confecção e o centro ecológico. Comboios protege 37km de praias semi-desertas, onde predomina a tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta), também ocorre a tartaruga-de-couro (Dermochelys coriacea), conhecida no Espírito Santo como gigante e careba mole.

No verão, outra atração muito procurada pelos turistas é a desova de tartarugas. A Caretta caretta realiza posturas em intervalos médios de 2 a 3 anos, e podem chegar a desovar entre 4 a 7 vezes, com cerca de 127 ovos por postura.Existem no mundo cerca de 45.000 fêmeas em idade reprodutiva (segundo estimativas apresentadas em relatórios e publicações).

Já a Dermochelys coriacea realiza postura em intervalos de 2 a 3 anos, chegando a desovar de 6 a 9 vezes por temporada. Existem no mundo cerca de 35.800 fêmeas em idade reprodutiva (segundo estimativas apresentadas em relatórios e publicações).

Aspectos naturais

As zonas costeiras, tais como — deltáicos, estuarino-lagunares e campos de dunas. Esses sistemas localizados na interface — entre ambientes marinhos e continentais, estão caracterizados os ambientes naturais de maior energia e de maiores taxas de sedimentação ou erosão da margem continental. As áreas de influência marinha, denominadas restingas, são as que atualmente representam fronteira de expansão do homem, particularmente para o desenvolvimento de atividades turísticas..

Relevo e clima

Clima do Norte do Estado do Espírito Santo, caracteriza-se em quase toda sua extensão por médias térmicas anuais superiores a 20°C. No mês mais quente (fevereiro) a temperatura varia de 22 a 26°C, porém em alguns setores são observadas temperaturas mais baixas, embora a altitude, de um modo geral, muito raramente ultrapasse 900 m, onde a temperatura do mês mais frio (junho) encontra-se entre a média de 17 e 24°C .


Relevo apresenta os ambientes característicos da Zona Costeira constituem-se de depósitos sedimentares de origem marinha junto à costa, que vão dar origem às planícies litorâneas e terraços.

Fauna e flora

Flora: Toda costa litorânea é considerada como Complexo da Restinga. Segundo a Classificação da Vegetação Brasileira, ao longo do litoral, há freqüentemente terrenos instáveis cobertos por uma vegetação, em constante sucessão, de terófitos, criptófitos, hemicriptófitos, caméfitos e nanofanerófitos. As restingas são as formações mais conspícuas do Estado do Espírito Santo.

Fauna: é marcada por um levantamento rápido da Reserva Biológica de Comboios revelou a existência de 44 espécies pertencentes a 26 famílias e 13 ordens. A ordem com maior riqueza de espécies foi a de Passeriformes com 45% do total (20 espécies identificadas). Depoimentos de moradores locais atestam a existência de espécies raras da fauna brasileira, tais como: preguiça-de-coleira (Bradypus torquatus), tamanduá-mirim (Tamanduate tradactyla), ouriço-caixeiro (Sphignus spa). Das oito espécies de tartarugas marinhas existentes, cinco desovam nas praias brasileiras, entre outros. O maior argumento de conservação do território da reserva é o fato de a praia de Comboios ser o local de desova de duas tartarugas ameaçadas de extinção: Dermochelys coriacea e Caretta caretta.

Problemas e ameaças

A Reserva possui problemas com:

  • Constantes incêndios ao longo do ano. Somente no ano de 2014 houve a ocorrência de 6 incêndios;
  • Alta influência de caça sobre animais;
  • e Desmatamento.

Lista de espécies ameaçadas protegidas nesta Unidade de Conservação:

Papagaio - Chauá -> Amazona rhodocorytha

Saúva-preta -> Atta robusta

Preguiça-de-coleira -> Bradypustorquatus

Lagartinho-de-Linhares -> Cnemidophorus nativo

Onça-pintada -> Panthera onça

Fontes

Plano de manejo: Reserva Biológica de Comboios, Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal, 1981.http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/imgs-unidades-coservacao/rebio_comboios.pdf

http://www.regenciaecotur.com.br/novidades.asp?id=218

http://www.icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/unidades-de-conservacao/biomas-brasileiros/marinho/unidades-de-conservacao-marinho/2271-rebio-de-comboios.html

http://www.aracruz.es.gov.br/turismo/atracoes-turisticas/9/

http://www.hoteisepousadas.tur.br/praia-de-regencia/

http://www.brasil-rounds.gov.br/round6/arquivos_r6/diretrizes/IEMA.pdf