Reserva Natural das Águas



Reserva Natural das Águas
Esfera Administrativa: Particular
Estado: Parana
Município: Antonina, Morretes
Categoria: Reserva Particular do Patrimônio Natural
Bioma: Mata Atlântica
Área: 3.433,01 ha.
Diploma legal de criação: A Reserva Natural das Águas - é formada pelas RPPNs Morro da mina (1.336,19 ha) e Santa Maria (400,27 ha) foram instituídas oficialmente pelas portarias 046/2003/IAP e 058/2011/IAP.
Coordenação regional / Vinculação:
Contatos: R: Victorio Viezzer, n° 651 - Bairro Vista Alegre - Curitiba-PR

Tel/fax: +55 (41) 3339-4638 www.spvs.org.br reginaldo@spvs.org.br

Índice

Localização

A Reserva Natural das Águas em sua maior extensão territorial (mais de 92%), situa-se no município de Antonina, onde está localizada a sua sede e, em menor extensão (7,64%), em Morretes, município confrontante. A área está compreendida entre as Latitudes de 25º20’ e 25º30’ - Sul e as Longitudes de 48º40’ e 48º 50’ – Oeste.

Como chegar

O acesso se dá pela rodovia federal BR-277 (rodovia pedagiada, de responsabilidade da Ecovia), em pista dupla, tendo como ponto de partida o entroncamento situado no viaduto desta estrada de rodagem com a BR-116 (Rod. Régis Bittencourt), no bairro do Cajuru, zona Leste de Curitiba, segue-se em direção a Paranaguá; pela BR-277 percorre-se perto de 54,6 km até o entroncamento (à esquerda) com a rodovia estadual PR-408; por esta PR-408, percorridos cerca de 9,0 km, em direção à cidade de Morretes, cruza-se a ponte sobre o rio Nhundiaquara; deste ponto pela mesma PR-408, seguindo-se em direção à cidade de Antonina, por 6,8 km chega-se ao entroncamento (à esquerda) com a PR-410 (estrada da Graciosa); deste entroncamento, continuando pela PR-408, por mais 3,7 km chega-se ao entroncamento à esquerda com a PR-340, (a cerca de 4 km antes de Antonina, por isso, popularmente, aquele local é conhecido por “quatro”); deste segue-se em direção à localidade denominada de Cacatu num percurso de 7,3 km, chega-se até a entrada principal da Reserva Natural das Águas (RNA) à margem esquerda da PR-340. O percurso total de Curitiba à entrada da RNA é de 81,4 km

Ingressos

Onde ficar

Objetivos específicos da unidade

Conservação da Biodiversidade, pesquisas científicas e visitação com objetivos educacionais.

Histórico

Atrações

Aspectos naturais

Relevo e clima

O clima do litoral é influenciado pelo oceano e pela interferência da corrente aérea tropical, cuja origem está no centro de altas pressões do Atlântico, ao sul do Trópico de Capricórnio. Esta corrente origina ventos que sopram de norte e leste trazendo consigo a umidade recebida pela evaporação da água do mar. Ao se deparar com a escarpa da Serra do Mar, eleva-se, resfria-se e condensa-se em forma de precipitação pluviométrica sobre toda vertente leste da cadeia montanhosa, muitas vezes estendendo-se até o litoral (Bigarella, 1978; Menezes-Silva, 1990; Angulo, 1992; Maack, 1981). Nas porções serranas da Reserva o tipo climático característico, definido por Köppen é o subtropical úmido mesotérmico (Cfa), no qual o mês mais frio tem a temperatura média inferior a 18ºC, porém superior a -3ºC, e o mais quente apresenta temperatura média superior a 22ºC. A região está sujeita a geadas pouco frequentes e há precipitações regulares todos os meses, sem apresentar estação seca definida, o que representa um fator determinante nas transformações e decomposição dos materiais vegetais depositados sobre o solo. Devido à expressão do seu relevo com bruscas variações altimétricas, a temperatura média sobre esse ambiente diminui cerca de 0,6°C a cada 100m de altitude. As precipitações nas encostas atingem valores entre 3.300mm e 3.450mm, mas que já atingiram cifras de até 7400 mm na porção sul da escarpa, abastecendo uma rede fluvial que desempenha um papel fundamental no sistema de drenagem da planície, onde os valores médios situam-se ao redor de 1976 mm (Maack, 1981). Na planície, segundo a classificação de Köppen, o clima é considerado do tipo Af (t), pluvial tropical com temperatura média do mês mais frio superior a 18°C, sempre úmido com precipitação acima de 1.000 mm/ano e distribuída em todos os meses do ano, com uma zona de transição (t) sempre úmida e sem geadas noturnas (Maack, 1981). As precipitações anuais mostram certa oscilação, que varia de 2.500 a 3.000mm. Nestas zonas litorâneas, em consequência do rápido aquecimento do solo com o sol nascente, ocorrem brisas marítimas de E SE, aproximadamente ao meio-dia, soprando continente adentro. Ao anoitecer ocorre a inversão do gradiente de pressão, de forma que o vento passa a soprar da terra em direção ao oceano. Os ventos predominantes provêm do setor S (2,8%), E SE (20,3%) e os continentais provém de SW, W e NW somam 32,2% (Maack, 1981).

Fauna e flora

Problemas e ameaças

Principais problemas e ameaças: Extração de recursos florestais (palmito), caça e captura de animais silvestres, pesca, espécies exóticas invasoras, fauna (caramujo, tilápia, bagre-africano) flora (lírio-do-brejo, bananeiras, capins para pastagens), desmatamentos e exploração seletiva.

Fontes

Reservas Naturais http://www.spvs.org.br/projetos/reservas-naturais/