Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá



Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá
Esfera Administrativa: Estadual
Estado: Amazonas
Município: Uarini, Fonte Boa e Maraã
Categoria: Reserva de Desenvolvimento Sustentável
Bioma: Amazônia
Área: 1.124.000 ha
Diploma legal de criação: Decreto Estadual Nº 12.836 de 09/03/1990 - Promulgada em 12/07/1996.
Coordenação regional / Vinculação:
Contatos:

Índice

Localização

Aproximadamente 600 km a oeste de Manaus, no Município de Tefé

Como chegar

De avião, pela companhia Azul Linhas Aéreas, no trecho Manaus-Tefé. De barcos regionais ou lanchas rápidas saindo de Manaus em direção a Tefé todos os dias.

Ingressos

Onde ficar

Pousada Uakari (http://www.johnsonfung.com/uakari/pt-br/)

Objetivos específicos da unidade

Preservação da biodiversidade, desenvolvimento de técnicas de manejo sustentável dos recursos naturais da área e manutenção das populações humanas alí presentes.

Histórico

Em 1985 foi solcitada a institucionalização dessa área em Estação Ecológica pelo biólogo Marcio Ayres. Foi atendida em 1990, por meio do Decreto nº 12.836 de 09 de março de 1990, pelo Governador do Estado. Denominou-se Estação Ecológica Mamirauá- EEM. Em 1992 foi criada a Sociedade Civil Mamirauá - Entidade civil sem fins lucrativos que tem como objetivo: "contribuir para a conservação e preservação dos recursos naturais renováveis, em especial nas áreas de floresta inundada". Em 1993 foi reconhecida pela Convenção Ramsar, passando a integrar uma relação de áreas úmidas de importância e interesse mundial. Em 1994, a estação foi incluída na lista de Unidades de Conservação da Amazônia de importância relevante para constituição da Reserva da Biosfera. Objetivando atender as necessidades da área, foi elaborado um Projeto de Lei, e encaminhado à Assembléia Legislativa do Estado do Amazonas, e através desse, aprovado em 12 de julho de 1996, foi criada a primeira Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do país: a RDS Mamirauá.

Atrações

Trilhas na Floresta, durante as cheias em canoas, e na seca, a pé. É possível conhecer as diversas espécies de macacos, tais como o uacari-branco (Cacajao calvus calvus) e o macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta (Saimiri vanzolinii), ambos endêmicos da região. O turista também pode ter uma verdadeira aula de Educação Ambiental ao conviver com os ribeirinhos, ao conhecer o manejo da madeira, da floresta e da pesca. Visita às comunidades da área focal da Reserva. Entre outros atrativos e aprendizagens.

Aspectos naturais

A reserva localiza-se na confluência dos rios Solimões e Japurá com o canal Auati-Paraná. Essa área é formada por uma planície de cerca de 1124000 ha, constituída integralmente por florestas que são sazonalmente alagadas pela flutuação do nível do rio - as florestas de várzea. Dentre os tipos florestais existentes, os principais são a várzea alta, várzea baixa e chavascal.

Relevo e clima

O relevo é determinado pelo transporte e deposição dos sedimentos de origem andina que são trazidos pelos rios. A diferença do relevo é um dos fatores que contribui para o estabelecimento dos tipos florestais. Clima: quente-úmido. Meses de seca: 30° a 33°C, e durante a cheia: 21º a 23ºC.

Fauna e flora

FAUNA: jacaré-açú, jacaré-tinga, boto-vermelho, peixe-boi, uacari-branco, macacos-de-cheiro, guaribas, macaco-prego, preguiça, quati, quatipuru, tamanduá-mirim, pirarucu, tambaqui, aruanã, mutuns, patos, garças, gaivotas, corta-água, cigana, gavião-real, gavião-panema, urutau, socó. FLORA: Munguba, samaumeira, assacu, louros, vitória-régia, cipós

Problemas e ameaças

Fontes

Minhas anotações em visita , AYRES,J.M. Uacaris and the Amazon Flooded Forest; AYRES,J.M.. As Matas de Várzea do Mamirauá; MELLO,T. de. Mamirauá.