DCIM100MEDIA

O imponente rio São Francisco. Foto: Wikipedia


O dia 24 de novembro é reconhecido como o Dia do Rio e nada mais justo, portanto, do que reservar um espaço para homenagear o maior rio totalmente brasileiro: o São Francisco — “Velho Chico”, para os íntimos. O curso d’água percorre 2.800 km, um caminho que cruza cinco estados e mais de 500 municípios, até desaguar no Oceano Atlântico.

A proteção dos recursos hídricos é um dos principais objetivos da conservação, por isso o rio São Francisco já nasce dentro de uma área protegida. Sua nascente é um dos principais atrativos – e tesouros – do Parque Nacional da Serra da Canastra, em Minas Gerais. Ao longo do sinuoso percurso em direção ao nordeste brasileiro, o majestoso rio cruza outras unidades de conservação até sua foz.

Para homenagear o Velho Chico e sua missão, o WikiParques selecionou 7 unidades de conservação que ajudam a proteger o rio São Francisco:


Parque Nacional da Serra da Canastra (MG)

Casca D'anta_ICMBio_Divulgação

A Casca D’anta, maior queda do rio São Francisco. Foto: ICMBio/Divulgação


É no Parque Nacional da Serra da Canastra, no sudoeste de Minas Gerais, que nasce o rio São Francisco. Além da nascente do rio, outro grande atrativo é a Casca D’anta, a cachoeira formada pelas águas do Velho Chico na sua primeira – e maior – queda, com 186 metros de altura. A unidade de conservação foi criada em 1972 com a missão de proteger o berço deste importante curso d’água brasileiro que nasce no Cerrado mineiro.

Estação Ecológica de Pirapitinga (MG)

Vista_da_Represa_de_Três_Marias_Wikipedia

Vista da represa de Três Marias, onde fica a estação ecológica. Foto: Wikipedia


Corresponde a uma ilha inesperada no leito do rio São Francisco, que surgiu com o represamento de água para implementação da Usina Hidrelétrica de Três Marias, uma das muitas que existem no percurso do Velho Chico para transformá-lo em energia. A estação ecológica está localizada no reservatório da usina, na região do Alto Rio São Francisco e abrange uma área de 1.384 hectares.

Parque Nacional Cavernas do Peruaçu (MG)

Parna Peruaçu_Bruno Rega Oliveira_Wkps

Espelho d’água formado pelo rio Peruaçu dentro da caverna. Foto: Bruno Rega Oliveira/WikiParques


Conhecido por suas majestosas cavernas, no Parque Nacional Cavernas do Peruaçu o rio São Francisco é um luxuoso coadjuvante, cujas margens fazem limite com a face leste da unidade de conservação. Dentro do parque estão as nascentes do rio Peruaçu que deságua no São Francisco. As águas do Peruaçu, entretanto, estão cada vez mais escassas e o que outrora foi um vigoroso afluente, hoje possui trechos em que foi convertido em um filete d’água e outros em que já secou por completo. O baixo volume do rio possui como principal causa o esvaziamento dos lençóis freáticos e é um alerta sobre a urgência da conservação dos rios.

Parque Estadual da Mata Seca (MG)

Parque Estadual da Mata Seca_Foto_Pezzini_Divulgação

A vegetação característica do Parque Estadual da Mata Seca. Foto: Pezzini/Divulgação


Localizado no norte de Minas Gerais, próximo da fronteira com a Bahia, o Parque Estadual Mata Seca foi criado em 2000 com o objetivo de proteger um ambiente de mata seca na margem esquerda do rio São Francisco. O ecossistema está presente na região do Vale do Rio São Francisco, onde a falta de chuvas e o solo árido exigem que a vegetação se adapte à secura. Com as chuvas, a mata seca se transforma e ganha ares de floresta tropical. Outro destaque no parque são as lagoas marginais formadas pelo rio São Francisco.

Parque Estadual Verde Grande (MG)

Barrigudas-árvores típicas da região_PE Verde Grande_Guilherme Haruo_Wkps

Barrigudas, árvores típicas da região no Parque Estadual Verde Grande. Foto: Guilherme Haruo/WikiParques


Às margens dos rio São Francisco e rio Verde Grande, o Parque Estadual Verde Grande possui uma posição estratégica para conservação de recursos hídricos e proteção da biodiversidade associada. Dentro do parque estão áreas alagáveis, com ninhais e lagoas marginais. As lagoas funcionam ainda como um berçário de peixes, onde os alevinos (estágio embrionário dos peixes) podem crescer antes de estarem prontos para nadar nos rios. A unidade de conservação está localizada na divisa entre Minas Gerais e Bahia.

Monumento Natural do Rio São Francisco (AL)

MoNa Rio São Francisco_3

O cânion do rio São Francisco, um dos destaques do MoNa. Foto: Duda Menegassi/WikiParques


O Monumento Natural do Rio São Francisco foi criado em 2009 com o objetivo de, como o próprio nome indica, ajudar a proteger o rio. Localizado entre os estados de Alagoas, Sergipe e Bahia, o monumento natural abrange uma área de 26.736 hectares que corresponde a um trecho de cerca de 50 km do rio e seu entorno. A unidade de conservação está em um dos trechos mais turísticos do Velho Chico onde visitantes fazem passeios de barco para conhecer os cânions do São Francisco, formados após a construção das barragens da Usina Hidrelétrica de Xingó.

Área de Proteção Ambiental de Piaçabuçu (AL)

APA piaçabuçu_Mar sem fim

A APA Piaçabuçu, às margens do rio São Francisco e do mar. Foto: Mar Sem Fim


De frente para o mar e para o Chico, a Área de Proteção Ambiental de Piaçabuçu possui uma localização privilegiada, no litoral alagoano, ao lado de onde deságua o rio São Francisco. De camarote, a área de proteção ambiental presencia o encontro da água doce do Velho Chico com o sal do Oceano Atlântico. A foz do São Francisco é um dos principais atrativos da unidade de conservação que abrange uma área total de 9.106,87 hectares.

 

 

 

Comentários

comentários