Refúgio de Vida Silvestre de Alcatrazes, no litoral norte de São Paulo, visto de cima e da ilha principal. Foto: Daniele Bragança/WikiParques


Após anos fechado ao turismo e com a natureza praticamente intocada, o Refúgio de Vida Silvestre do Arquipélago de Alcatrazes (SP) foi oficialmente aberto aos visitantes interessados em realizar mergulhos, fazer visitas embarcadas ou apenas observar a fauna local. O pontapé inicial da temporada turística foi dado no último domingo (16/12). No total, 13 embarcações e 50 mergulhadores inauguraram oficialmente a visitação no arquipélago paulista.

A iniciativa de abertura foi liderada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) em conjunto com a Marinha do Brasil e pretende fomentar o turismo ecológico no litoral norte de São Paulo. A visitação é operada somente por empresas autorizadas pelo ICMBio, de quarta a domingo, das 8h às 16h. O visitante poderá fazer mergulho autônomo e livre ou visita embarcada com mergulho de flutuação e observação de fauna (aves, peixes, mamíferos e tartarugas). Não há cobrança de ingresso no refúgio, porém cada empresa irá cobrar de forma autônoma pela operação dos passeios.

Embarcações particulares continuam proibidas de circular. Para preservar a integridade dos corais existentes nas águas de Alcatrazes, como o raro coral cérebro (Mussismilia hispida), foram instaladas 14 poitas (pontos de amarração de barcos) ao redor da ilha. Assim, as embarcações não precisam lançar âncoras no fundo do mar, o que poderia agredir os corais.

Tire aqui suas dúvidas sobre a visitação no Refúgio de Vida Silvestre de Alcatrazes

Combate ao plástico nos mares

É importante que os visitantes levem seu próprio copo para Alcatrazes. O uso de plásticos descartáveis está proibido nas visitas à Alcatrazes, pois caso caiam no mar, além de ser lixo, podem ser confundidos com alimento pelas tartarugas marinhas e outras espécies marinhas. 

*Com informações do ICMBio 

Comentários

comentários