Na sua segunda etapa, o Concurso WikiParques 2015 contou com 142 fotos de alta qualidade: imagens marcantes e de um crescente cuidado técnico mostram a dedicação dos nossos fotógrafos.

Na análise do jurado Adriano Gambarini, o ânimo explorador dos participantes mereceu destaque. Ele também aproveita para deixar alguns conselhos aos fotógrafos:

“A segunda etapa consolidou minha opinião sobre o interesse das pessoas em conhecer cada vez mais as Unidades de Conservação do país. As fotos vindas de áreas pouco conhecidas para o público geral demonstram isto, o que é muito bom, pois só conhecendo a biodiversidade brasileira é que conseguiremos conservar o que ainda resta. Do ponto de vista fotográfico, notei algumas imagens com tratamento e/ou manipulação um tanto exagerada. Minha opinião pessoal: continuo a acreditar que é possível sair do campo com a foto praticamente pronta, e qualquer interferência digital posterior, em muitos casos, é uma questão de preciosismo. Partindo do princípio que a maioria dos participantes usam equipamento com recursos mais avançados, dou o seguinte conselho: a fotografia de campo depende de 4 elementos básicos: (1) conhecimento dos fundamentos da fotografia (fotometria, velocidade e abertura); (2) conhecimento dos recursos do equipamento; (3) enquadramento e posicionamento em relação à cena e (4) respeito e ética pela cena fotografada. E se me permitem dizer: a natureza já é bela e perfeita por si só, e na maioria das vezes: ‘Menos é mais’”

Para o jurado Márcio Isensee e Sá, foi uma fase marcada pelo esforço em buscar momentos únicos:

“A segunda etapa esquentou a competição com muitas fotos boas! Observei uma tendência de fotos noturnas e de paisagem. Mas, no geral, o que mais me chamou atenção foram fotos com mais ação (como a vencedora) e mais difíceis (como a da Harpia). Seguimos com um bom nível técnico!

Os vencedores

1º lugar: Peterson de Almeida [25 pontos]

Combate ao fogo. Foto: Peterson de Almeida

O vencedor desta etapa foi o fotógrafo Peterson de Almeida, conhecido pelas imagens que captura no Parque Nacional da Tijuca. Aliás, foi lá que fotografou esta cena cheia de ação e significado: o brigadista em defesa da natureza. Peterson soma ao seu placar 25 merecidos pontos e ganha um exemplar de Terrabrasil, de Araquém Alcântara. Leia o que os jurados têm a dizer da foto:

Adriano Gambarini: A fotografia da queimada nos traz, além do bom enquadramento, uma informação extremamente importante associada à imagem: as queimadas certamente são um dos problemas ambientais mais preocupantes que as UCs sofrem anualmente. E temos que levantar sempre a bandeira contra isto!

Victor Moryiama: A foto aborda um tema essencial nas UCs e que geram consequências trágicas para a fauna e flora locais. Senti falta de um enquadramento mais amplo capaz de revelar uma área mais afetada pelo problema. Fotometria bem equacionada. 

Marcio Isensee e Sá: Essa foto condensa muitas questões pertinentes as UCs. As queimadas são constantemente problemas enfrentados pelos gestores, guarda-parques e brigadistas. Com uma bonita luz e enquadramento, este registro aponta para um caminho diferente das “belezas” e nos dá a dimensão das dificuldades de se gerir uma UC no Brasil.

2º lugar: Joaquim Neto [20 pontos]

Paredões rochosos que dão formas sobe o luar no sertão. Foto: Joaquim Neto

Joaquim Neto mantém o seu lugar entre os três primeiros colocados com a dramática “Penumbra”. A captura noturna no Parque Nacional da Serra da Capivara (PI), favorito do fotógrafo. A escolha parece que lhe deu sorte já que, com as fotos tiradas no parque, Joaquim acumulou 40 pontos no placar geral e o primeiro lugar no Concurso (veja abaixo). Ele também leva para casa  um exempar de Biomas Brasileiros, de Fabio Rubio Scarano.

Adriano Gambarini: Uma cena interessante da relação do homem com o meio ambiente. A aridez e os tons sépia, impostos à imagem, fortalecem esta nostalgia.

Victor Moryiama:  Bela composição no contra luz revela a boa condição técnica do fotógrafo que percorre a fotometria com propriedade e esbanja talento.

Marcio Isensee e Sá: Um aventureiro noturno em pose de classe! O uso público é desejado e encorajado nas UCs que o permitem, por isso acho essa foto importante para falar sobre Áreas Protegidas, além de ser um belo registro banhado a luz da lua cheia!

3º lugar: Olivier Jaudoin [16 pontos]

Uma harpia adulta com uma presa nas patas, pousou próximo no dossel da Floresta Nacional de Carajás. Foto: Olivier Jaudoin

Na sua primeira participação, o pesquisador e fotógrafo Olivier Jaudoin já se destacou. A fotografia de uma rara harpia (Harpia harpyja) na Floresta Nacional de Carajás (PA) lhe garantiu a terceira posição na etapa e também 16 pontos no placar geral. Isto e também uma cópia do livro Fotografia De Paisagem, de Rob Sheppard, para sua coleção. O que os jurados disseram:

Adriano Gambarini: Esta imagem foi escolhida basicamente pelo animal registrado: Harpia (Harpia harpyja); uma das aves mais importantes e ameaçadas de nossa fauna sempre merece atenção especial.

Victor Moryiama: Bom registro de uma das aves mais raras do território brasileiro revela a dificuldade e persistência do fotógrafo para produzir a imagem. 

Marcio Isensee e Sá: Esse registro está bem executado técnicamente mas me ganhou pela expressão imponente da Harpia.

Na disputa

Em todas as etapas, os três primeiros colocados ganharam prêmios. Além desta premiação, as dez melhores fotos recebem pontos para o grande prêmio

É bom lembrar que, em cada etapa, cada fotógrafo pode concorrer com até 10 fotos. Serão consideradas apenas as 10 primeiras fotos enviadas por cada um, por ordem de data de envio ao site. Os fotógrafos acumularão os pontos recebidos em cada uma das 8 etapas e, no final do ano, os três fotógrafos com mais pontos receberão, de acordo com a sua posição, um grande prêmio do ano.

Conheça os concorrentes que pontuaram e seus belos registros. 

Nevoeiro no vale da nascente do rio Pelotas, Parque Nacional de São Joaquim logo ao amanhecer. Raphael Sombrio
Ilhas no céu
“Nevoeiro no vale da nascente do rio Pelotas, Parque Nacional de São Joaquim logo ao amanhecer.”
Parque Nacional de São Joaquim
Pedra Selada, Fotografada a 100 metros da entrada, horário 18:53:35 Luiz Fabiano Pinheiro
Pedra Estrelada
“Pedra Selada, Fotografada a 100 metros da entrada, horário 18:53:35”
Parque Estadual da Pedra Selada
Provavelmente você conhece essa aranha! Ela pode ser encontrada em quase todos os jardins das Américas, dando a ela o nome de Aranha-de-prata (Argiope argentata). Porém é muito provável que você nunca tenha visto o macho, que é muito menor que a fêmea. O tamanho reduzido auxilia o macho a se aproximar da fêmea para copular, mas na maioria das vezes ele será tratado como presa e será devorado pela fêmea. Isso que é um relacionamento difícil em! Moisés Lima
Aranha-de-prata
“Provavelmente você conhece essa aranha! Ela pode ser encontrada em quase todos os jardins das Américas, dando a ela o nome de Aranha-de-prata (Argiope argentata). Porém é muito provável que você nunca tenha visto o macho, que é muito menor que a fêmea. O tamanho reduzido auxilia o macho a se aproximar da fêmea para copular, mas na maioria das vezes ele será tratado como presa e será devorado pela fêmea. Isso que é um relacionamento difícil hein!”
Parque Estadual Serra Verde
Parque Nacional do Jalapão, Tocantins, Brasil Bart van Dorp
Parque Estadual do Jalapão

“Nas dunas do Parque Estadual do Jalapão”
Parque Estadual do Jalapão
Lagoa natural nos Lençóis Maranhenses aparenta ter degraus cuidadosamente esculpidos na areia. Esta lagoa é o quintal dos moradores da Queimada dos Britos (uma das comunidades que habita o PARNA), como será que é crescer e viver em tal paraíso?

Leandro Do Nascimento
Piscina Perfeita
“Lagoa natural nos Lençóis Maranhenses aparenta ter degraus cuidadosamente esculpidos na areia. Esta lagoa é o quintal dos moradores da Queimada dos Britos (uma das comunidades que habita o PARNA), como será que é crescer e viver em tal paraíso?”
Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses

Em plena temporada de "baleias" no litoral baiano, esse flagrante da baleia jubarte no Parque Marinho de Abrolhos. No trecho entre o continente e o arquipélago, avistamos mais de uma dezena de jubartes.

Izabel Reigada
Jubarte
“Em plena temporada de “baleias” no litoral baiano, esse flagrante da baleia jubarte no Parque Marinho de Abrolhos. No trecho entre o continente e o arquipélago, avistamos mais de uma dezena de jubartes.”
Parque Nacional Marinho de Abrolhos

A Cachoeira do Eldorado fica localizada na Serra do Aracá, no Parque Estadual Serra do Aracá, estado do Amazonas. É a mais alta cachoeira em queda livre do Brasil, com 385 metros aproximadamente. Carlos Durigan
Cachoeira do Eldorado
“A Cachoeira do Eldorado fica localizada na Serra do Aracá, no Parque Estadual Serra do Aracá, estado do Amazonas. É a mais alta cachoeira em queda livre do Brasil, com 385 metros aproximadamente.”
Parque Estadual Serra do Aracá

 

O placar geral até esta etapa:

Fotógrafo Pontuação
Joaquim Neto 40
Peterson de Almeida 35
Bart van Dorp 31
Guilherme Haruo Vieira Okano 16
Olivier Jaudoin 16
Moisés Lima 14
Andreth Oliveira 12
Raphael Sombrio 12
Luiz Fabiano Pinheiro 10
Giancarlo Zorzin 8
 Carlos Divino Guimarães Silva 4
Leandro do Nascimento 4
Izabel Reigada 2
 Renato Moreira 2
Bianca Schumacher 1
Carlos Durigan 1

 

O concurso continua

Você também pode participar. O concurso está longe do fim! A terceira etapa está em andamento e os fotógrafos já começaram a enviar os seus registros. A etapa termina no dia 31 de julho! Não deixe de mandar suas fotos, siga as instruções do regulamento e boa sorte! 

btn-enviar-foto

 

 

Comentários

comentários