Parque Nacional do Itatiaia. Foto: © Peterson de Almeida

Parque Nacional do Itatiaia. Foto: © Peterson de Almeida

 

O tempo

Para fotografia de paisagem, a primeira coisa a se atentar é a previsão do tempo. Os melhores dias para fotografar são aqueles seguintes a uma chuva. Isso porque depois de alguns dias sem chover o céu fica embaçado, devido à poluição acumulada no ar (isso aqui na cidade do Rio de Janeiro, que tem muita poluição vinda dos automóveis).

Há também a inversão térmica, um fenômeno atmosférico que dificulta bastante a visibilidade, dependendo de sua intensidade. Ela acontece quando o ar frio (próximo à superfície terrestre) fica preso sob uma camada de ar quente. A poluição da cidade fica “aprisionada” nessa camada de ar frio ali embaixo e não circula, formando uma massa acinzentada de partículas que dificulta a visibilidade. Este é um fenômeno natural que ocorre com mais frequência no inverno e em regiões montanhosas, mas com a poluição da cidade a dificuldade de visibilidade fica maior.

Tanto a poluição quanto a inversão térmica são resolvidos com uma boa chuva, seguida de um dia limpo e claro. Nesses dias as fotos são imbatíveis, já que a chuva leva embora todas as partículas em suspensão acumuladas no céu.

Os dias seguintes à uma chuva são bons para fotografar pois a chuva arrasta todas as partículas de poluição, tornando o céu mais claro e limpo. Foto: © Peterson de Almeida

Os dias seguintes à uma chuva são bons para fotografar pois a chuva arrasta todas as partículas de poluição, tornando o céu mais claro e limpo. Foto: © Peterson de Almeida


Composição

Uma coisa que deixa a fotografia bem bacana é trabalhar com o desfoque da imagem: escolher uma coisa para o primeiro plano (em foco) e desfocar o fundo. Além do destaque na imagem, chama a atenção para outros detalhes do local. A pessoa que está vendo a fotografia pode até reconhecer o local, mas não de cara. Primeiro ela vai prestar atenção no elemento focado e só depois vai olhar a imagem mais amplamente e se localizar na fotografia. Com essa técnica de desfoque você direciona o olhar do espectador.

O foco pode ser usado para direcionar o olhar de quem vê a fotografia. Foto: © Peterson de Almeida

O foco pode ser usado para direcionar o olhar de quem vê a fotografia. Foto: © Peterson de Almeida


O segredo para dar um bom “desfoque” na imagem  é trabalhar a abertura do diafragma. Explicação rápido e básica:  quanto mais aberto o diafragma mais desfocada ficará a imagem. Mas, como o diafragma é o mecanismo que controla a entrada de luz na câmera, se ele estiver muito fechado entra menos luz e, consequentemente, você terá que usar um tempo de exposição mais lento.

A princípio isso parece meio complicado, mas é questão de costume e, claro, um pouco de estudo  para conhecer melhor o mecanismo da câmera e suas técnicas. Não vou entrar nesses detalhes aqui para não tirar o foco da coluna , mas recomendo que leia um pouco sobre ‘abertura do diafragma’, ‘tempo de exposição’ e ‘profundidade de campo’. Assim vai se familiarizar mais com esses temas e aproveitar o máximo da sua câmera.

Veja essas duas fotos que fiz no Parque Nacional do Itatiaia (RJ). Nelas dá para entender um pouco como funciona essa técnica de desfocar a imagem.

Usando a abertura do diafragma, você pode tornar as fotos mais interessantes. Nesta imagem usei uma abertura de diafragma menor, deixando toda cena em foco. Foto: © Peterson de Almeida

Usando a abertura do diafragma, você pode tornar as fotos mais interessantes. Nesta imagem usei uma abertura de diafragma menor, deixando toda cena em foco. Foto: © Peterson de Almeida

Aqui, usei uma abertura maior para desfocar a montanha no fundo, deixando a vegetação em primeiro plano focada. Foto: © Peterson de Almeida

Aqui, usei uma abertura maior para desfocar a montanha no fundo, deixando a vegetação em primeiro plano focada. Foto: © Peterson de Almeida

 

Chuva

Voltando a falar de clima, nem só de dias ensolarados vive o amante da fotografia. Dias nebulosos também podem proporcionar belas imagens (que o diga o amigo Marcus Vinícius Lameiras, fotógrafo apaixonado por dias chuvosos). Só que é bom dar uma conferida na previsão do tempo, pois tomar chuva com o equipamento nunca é legal, mesmo ele estando acondicionado. Mas se tiver a certeza que a chuva não voltará, já vale a saída fotográfica.

Já passei por situações em que menos de uma hora depois de uma forte chuva  o céu já estava menos carregado e valeu muito a pena ter ido fotografar.

Outra característica bem curiosa da Mata Atlântica é a cerração. Aquela bruma baixa que vez por outra se forma, tornando a floresta misteriosa e sombria. Situações assim podem dar composições bem interessantes.

Dias chuvosos e com cerração também podem render boas imagens. Na foto acima, menos de uma hora antes de eu fazer esta fotografia choveu muito, reparem como o céu está carregado. Foto: © Peterson de Almeida

Dias chuvosos e com cerração também podem render boas imagens. Na foto acima, menos de uma hora antes de eu fazer esta fotografia choveu muito, reparem como o céu está carregado. Foto: © Peterson de Almeida

Foto: © Peterson de Almeida

Foto: © Peterson de Almeida

 

Muito importante, não só para fotografia de paisagem, é saber a época de floração de árvores que se destacam, como paineira, ipês, quaresmeira e também árvores que não têm flores tão impressionantes vistas de longe, mas se destacam pelas folhas, como a imbaúba, por exemplo.

A mesma paisagem fica totalmente diferente dependendo da estação do ano.

Nesta foto as quaresmeiras floridas no mês de março dão um tom lilás na paisagem. Foto: © Peterson de Almeida

Nesta foto as quaresmeiras floridas no mês de março dão um tom lilás na paisagem. Foto: © Peterson de Almeida

No mesmo local,  as imbaúbas prateadas que embelezam a paisagem o ano todo. Foto: © Peterson de Almeida

No mesmo local, as imbaúbas prateadas que embelezam a paisagem o ano todo. Foto: © Peterson de Almeida

 

Essa dica vale também para a posição do sol. O mesmo local, que às vezes você não dá nada por ele, pode ficar totalmente diferente e atraente se o sol estiver nascendo ou se pondo para fazer parte da sua composição.

Ponto de referência

Sempre que possível, gosto de colocar alguém na foto, para que o espectador tenha um ponto de referência na imagem.

Em um primeiro momento quem vê a fotografia não repara muito nos detalhes, só observa a paisagem como um todo. Depois que começa olhar com mais atenção, encontra ali uma pessoa e aí se dá conta da grandiosidade do lugar e da dificuldade que foi fazer aquele registro… Uma grata surpresa!

Nos tornamos pequenos comparados à imensa paisagem rochosa do Parque Nacional do Itatiaia. Foto: © Peterson de Almeida

Nos tornamos pequenos comparados à imensa paisagem rochosa do Parque Nacional do Itatiaia. Foto: © Peterson de Almeida

 

 

 

Comentários

comentários