Voluntário no Parque Nacional da Serra da Bodoquena. Foto: ICMBio/Divulgação


No dia 28 de agosto é celebrado o Dia do Voluntariado. Para aproveitar a ocasião especial, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) lançou o seu novo Sistema de Voluntariado. A plataforma online foi elaborada pelo Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ) e cruza o cadastro dos voluntários com as unidades de conservação que precisam deles. Atualmente, 168 unidades federais e centros de pesquisa participam do Programa de Voluntariado.

Após o cadastro inicial (que pode ser feito a partir deste link), o voluntário ganha acesso ao sistema, onde poderá preencher outras informações referentes à sua formação e experiência, e listar suas áreas de interesse para atuação, que vão desde uso público, manejo de plantas exóticas e replantio, à atividades administrativas, de gestão participativa e de comunicação. Na plataforma, o usuário consegue acompanhar todas as chamadas de voluntariado e mutirões que estão abertos para inscrição. No momento, as únicas oportunidades abertas são no Parque Nacional da Serra da Bodoquena (MS) para apoiar a área de pesquisa e monitoramento (leia o edital), e no Parque Nacional da Serra da Bocaina (RJ), para participar de um mutirão de limpeza neste sábado (01/09).

O sistema foi desenvolvido com participação dos gestores e percorre todas as etapas da gestão do Programa de Voluntariado: adesão e planejamento; emissão de certificados; preparação de editais e planos de trabalho; divulgação de vagas disponíveis; avaliação e diferentes tipos de relatórios.

De acordo com a gerente de articulação institucional do IPÊ, Fabiana Prado, o objetivo do sistema é estimular um aumento no voluntariado em áreas protegidas. “Com esse sistema, queremos conectar voluntários e gestores por meio de uma ferramenta útil para ambos. Ao facilitar o contato entre eles, a tendência é que mais pessoas se interessem pela atividade e que a gente veja um aumento da participação social junto às unidades”, explica Fabiana.

Voluntários na soltura de quelônios. Foto: Virginia Bernardes/Instituto IPÊ


Estudo sobre o papel do voluntariado pela ótica do gestor

Em 2017 um levantamento registrou mais de 2.200 participantes e cerca de 103.000 horas de trabalho voluntário. Os números revelam um pouco a importância do voluntariado no dia-a-dia das unidades de conservação. Um estudo realizado pelo IPÊ em parceria com o ICMBio trouxe um outro olhar para esse tema: o dos próprios gestores. A pesquisa, realizada em 2018, entrevistou 38 gestores de 17 estados e 41 unidades sobre as motivações dos voluntários e os principais benefícios e desafios associados à atividade.

Os maiores desafios destacados pelos gestores estão o tempo de dedicação aos voluntários (64,5%) e a falta de estrutura (57,9%). Ainda segundo eles, a principal motivação da maioria dos voluntários é o desejo de contribuir para conservação da natureza.

De acordo com a pesquisadora do IPÊ e coordenadora do levantamento, Angela Pellin, essa pesquisa vem para somar ao estudo anterior sobre voluntariado, baseado nas opiniões dos próprios voluntários. “O interessante é verificar que existe um alinhamento entre as percepções dos gestores e dos voluntários”, afirma Angela. “Já para os voluntários as principais deficiências relacionadas com a experiência de voluntariado nas UCs estão associadas à falta de infraestrutura e de divulgação de informações e comunicação com as unidades, à clareza em relação ao seu papel e atividades a serem realizadas e ao tempo dedicado ao voluntariado”, comenta a pesquisadora.

A pesquisa também demonstrou que o voluntariado nas unidades de conservação tem ajudado na melhora da relação dos gestores com a comunidade do entorno, ampliando a possibilidade de desenvolver atividades diversificadas e a mão de obra disponível.

 

*Com informações IPÊ

 

 

 

Comentários

comentários