Categorias
Blog

Congresso marca lançamento de portais sobre áreas protegidas na Amazônia

Sistema de monitoramento e central de conteúdo são duas apostas para aumentar a divulgação sobre ameaças e potencialidades em áreas protegidas amazônicas.

Evento de lançamento da plataforma Proteja. Foto: Duda Menegassi

Na última quarta-feira (01/08), duas plataformas sobre áreas protegidas da Amazônia foram lançadas durante o IX Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação (CBUC). O Sistema de Observação e Monitoramento de Unidades de Conservação (SOMUC) e o Proteja, que além de unidades de conservação também reúne informações sobre as terras indígenas. Ambas as plataformas são de acesso gratuito e têm como objetivo divulgar dados como mapas, ameaças e potencialidades; além de apoiar a atuação de gestores e órgãos ambientais.

Como destaca o representante da Secretaria de Meio Ambiente do Amazonas, Miqueias Santos, sobre o novo Sistema de Monitoramento: “Temos uma grande dificuldade de ter acesso a dados gerais das unidades de conservação. O SOMUC permite que o comunitário faça a consulta de forma fácil e visual ao mesmo tempo que contribui para o gestor tomar as melhores decisões de planejamento. É uma grande iniciativa”.

Sistema de Observação e Monitoramento de Unidades de Conservação (SOMUC)

O SOMUC é uma plataforma digital de acesso público e gratuito que traz dados e indicadores sobre ameaças e potencialidades para unidades de conservação federais e estaduais da Amazônia. O objetivo do projeto é facilitar o acesso às informações sobre os principais fatores que deixam as unidades de conservação mais vulneráveis ou que fornecem melhor potencial para os milhares de extrativistas, residentes tradicionais desses territórios. A ferramenta faz também uma avaliação de ameaças antrópicas (causadas pelo homem) e climáticas, e a capacidade de governança de cada área; e integra informações técnicas e científicas, e as torna acessíveis para diferentes públicas.

A construção do SOMUC demorou cerca de um ano, durante o qual foram entrevistados 94% dos gestores de unidades de conservação do âmbito federal e estadual da Amazônia, que participaram ativamente da elaboração da plataforma. O projeto é uma realização do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM), em colaboração com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e o Woods Hole Research Center.

A plataforma do Sistema de Observação e Monitoramento de Unidades de Conservação. Imagem/Site


Proteja

O Proteja funciona como um agregador de conteúdo que reúne mapas, estatísticas, análises, fotos e vídeos de diferentes fontes de informação e as concentra em um único local, onde a busca e navegação por conteúdo se torna mais fácil e centralizada. Ao se cadastrar na rede, o usuário é convidado a listar seus interesses para ajudar filtrar as notícias e dados que lhe serão mais relevantes. As áreas protegidas amazônicas cobrem aproximadamente 2,5 milhões de quilômetros quadrados do território brasileiro, composto por mais de 2 mil unidades de conservação e mais de 500 terras indígenas.

O projeto ainda está em fase beta e a expectativa é que no futuro ele possa cobrir todo o Brasil e fornecer informações também sobre os outros biomas, não apenas a Amazônia. O lançamento do Proteja é uma parceria do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) com o Imazon, o Instituto Socioambiental e o Woods Hole Research Center. O financiamento do projeto é realizado pela Moore Foundation.

A home da recém-criada plataforma Proteja. Imagem/Site

 

*Com informações do IPAM

 

 

 

Comentários

comentários