Parque Estadual do Utinga, no Pará, retoma visitação nesta sexta


PE Utinga_Ideflor_Divulgação
O Parque Estadual do Utinga, em Belém, irá reabrir as portas. Foto: Ideflor-bio/Acervo

Depois de quase 3 anos fechado, o Parque Estadual do Utinga (PA) volta a abrir as portas aos visitantes nesta sexta-feira (16/03). As festividades de inauguração se estenderão até o domingo, com uma programação que inclui apresentação de música, exibição de vídeos sobre a fauna e flora do parque, caminhada ecológica, trilhas e esportes de aventura, como rapel e boia cross. Depois de um longo período de obras, motivo pelo qual ficou fechada, a área protegida, localizada em Belém, ganhou estruturas como bicicletário, mirante, cafeterias e estacionamento.

Uma das novidades será o Mirante Bolonha, à beira do Lago Bolonha, e trapiches para contemplação do Lago Água Preta. Nove trilhas estão disponíveis para os caminhantes e os interessados em fazer alguma delas precisam realizar o agendamento prévio com algum dos condutores credenciados do parque estadual. A novidade tecnológica é que este agendamento agora pode ser feito através do aplicativo da área protegida, em versão para Android. No app também será possível agendar a prática de atividades como slackline, tree climbing e boia cross.

A visitação é gratuita e animais domésticos não são permitidos. O parque fica aberto de segunda a segunda, entre as 05h30 e as 17h00.

Programação:

Dia 16/03 (sexta-feira)

16h30: Evento de inauguração com apresentação da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz e do Boi Veludinho

Dia 17/03 (sábado)

8h: Caminhada ecológica (4km), com início no Centro de Acolhimento

12h: Liberação do acesso de bicicletas, patins e skates.

Dia 18/03 (domingo)

Manhã/tarde: prática de atividades como slackline, tree climbing, trilhas, rapel e boia cross guiadas e apoiadas pelos condutores e instrutores credenciados.

 

*Com informações Ideflor-bio

 

 

 

Post navigation

Anterior

Parque Nacional da Serra do Cipó mantém limites e categorização de proteção integral

Decisão em ação civil pública impediu a redução dos limites de proteção da unidade de conservação localizada em Minas. A AGU conseguiu demonstrar a validade das regras de conservação ambiental do parque nacional.

Mais


Próximo