Categorias
Blog

Parques de Minas realizam “lives” durante a pandemia

As transmissões ao vivo aproximam os visitantes das unidades de conservação e proporcionam um momento de troca de informações, conhecimentos e curiosidades.

Foto: Divulgação/IEF

Aproximação com o público externo, manutenção da rotina das unidades de conservação e abertura de canal para divulgação da história e curiosidades. As lives realizadas durante a pandemia pelos gerentes de alguns parques estaduais de Minas Gerais, administrados pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF), já integram a rotina destes espaços.

Com a visitação suspensa como medida sanitária para evitar a propagação da Covid-19, as transmissões ao vivo têm aproximado os visitantes das unidades de conservação e proporcionado um momento de troca de informações, conhecimentos e curiosidades. Na quarta-feira (20/05), o gerente do Parque Estadual Mata do Limoeiro, Alex Amaral, bateu um papo, ao vivo, com o fotógrafo e autor do livro “Parques de Minas, Olhares Gerais”, Alisson Diego.

A conversa foi transmitida no perfil do parque no Instagram. Com o tema “O Parque Estadual Mata do Limoeiro e uma reflexão sobre as Unidades de Conservação”, Amaral apresentou alguns projetos do parque, como o Ecofolia. “Vamos falar sobre o histórico das unidades de conservação, a importância delas para a sociedade, o porquê de se criar estas unidades. A intenção também é contar um pouco a história do parque, dos nossos projetos”.

Ontem, quinta-feira (21/05), a live foi com a gerente do Parque Estadual do Ibitipoca, Clarice Silva. Acompanhada pelo diretor-geral do IEF, Antônio Malard, e pelo gerente do Parque Estadual do Rio Doce, Vinicius Moreira, a transmissão teve como tema a “Gestão de Áreas Protegidas: conciliando conservação e visitação”. O público pôde acompanhar pelo perfil da unidade do Instagram.
 
Esta será a sexta live promovida pelo Parque Estadual do Ibitipoca. “O público das live não é só de visitantes. Tem gestores de outras unidades de conservação, guias/condutores de turistas, comunidade local do parque. A experiência tem sido ótima, em uma das lives mais de 300 pessoas acessaram, enviando mensagens com comentários e perguntas”, diz Clarice.
 
Outras transmissões estão sendo programadas pela administração do parque para as próximas semanas. Além da participação durante a transmissão do Ibitipoca, o Parque Estadual do Rio Doce também promoverá uma live, no dia 29/05, às 19h00. O gerente da unidade, Vinicius Moreira receberá o zoólogo e PhD em manejo de Biodiversidade, Arnaud Desbiez.
 
A live terá como tema “Tatu Canastra, uma espécie praticamente extinta na mata atlântica, case do Parque Estadual Rio Doce”. “O Arnaud vai contar sobre a criação do Programa de Conservação do Tatu-Canastra e o que levou a equipe a iniciar um trabalho no Parque Estadual Rio Doce. Ele vai explicar porque a população de tatu-canastra do parque é tão importante e falar sobre as pesquisas e ações que a equipe pretende conduzir nos próximos anos”, frisou o gerente.
 
Assim como o Ibitipoca, o Rio Doce também trabalha para a realização de novas transmissões para as próximas semanas. Diretor de Unidades de Conservação do IEF, Cláudio Castro explica que as lives representam um momento de compartilhamento de experiências, além de propor uma interação com os visitantes. “É como se a gente tivesse conseguido colocar as pessoas dentro do parque, mesmo estando cada uma em suas casas. Havendo condições técnicas, podemos pensar em outras maneiras para se fazer as lives”, diz Castro.
 
Diretor-geral do IEF, Antônio Malard destaca que os visitantes têm a oportunidade de ampliar ainda mais o conhecimento sobre a gestão que tem sido desenvolvida pelo IEF nas unidades de conservação. “É um momento importante de abrir um debate, mostrando a visão do órgão ambiental sobre diversos temas. É uma oportunidade também de discutir sobre como enfrentaremos a nova realidade para a visitação após a crise do coronavírus”, finalizou o diretor-geral.
 
Suspensão de visitas
 
A suspensão da visitação nas unidades de conservação administradas pelo IEF em Minas Gerais foi estabelecida pela Portaria 48. A medida começou a valer em 17 de março, foi prorrogada em 16 de abril e não tem prazo estipulado para término.
 
O objetivo com a decisão é evitar a aglomeração de pessoas nas unidades de conservação, o que pode favorecer a contaminação pelo vírus, conforme determinou o Comitê Extraordinário Covid-19 do Governo de Minas.

 

*Com informações do IEF

 

 

 

Comentários

comentários