Parna Catimbau_Foto Bruno Vinicius_WikiParques

Parque Nacional do Catimbau, uma das 19 UCs na lista para realizar trabalhos científicos. Foto: Bruno Vinícius/WikiParques


Estão abertas as inscrições para projetos de pesquisa em 19 unidades de conservação federais inseridas nos biomas Caatinga e Mata Atlântica (veja lista completa no final deste post). Uma parceria entre o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e as fundações estaduais de Amparo à Pesquisa (FAPs), a iniciativa irá disponibilizar R$ 4 milhões. Os recursos são provenientes de compensação ambiental e cada proposta poderá receber auxílio de até R$200 mil.

Os interessados têm até o dia 06/10 para encaminharem suas propostas pelo site do CNPq. Os trabalhos selecionados irão receber apoio através de custeio e bolsas; e cada projeto poderá ter a duração máxima de 36 meses. O objetivo da iniciativa é beneficiar não apenas pesquisadores, estudantes, educadores e técnicos, mas também comunidades locais, gestores de unidades de conservação e formuladores de políticas públicas, que poderão fazer uso do conhecimento produzido. De acordo com a coordenadora-geral de Pesquisa e Monitoramento da Biodiversidade do ICMBio, Katia Torres Ribeiro, “a execução desses projetos proporcionará o envolvimento de comunitários e gestores, e a geração de conhecimentos-chave para alavancar ainda mais a gestão das unidades de conservação federais”.

Cada trabalho deve determinar seu tema de atuação, entre as sete opções previstas na chamada: Valorização da biodiversidade, serviços ecossistêmicos e patrimônio espeleológico e arqueológico; Recuperação de habitats terrestres e aquáticos e manejo de espécies exóticas invasoras; Aprimoramento do processo de avaliação do estado de conservação das espécies da fauna e da flora; Promoção do manejo integrado e adaptativo do fogo; Fortalecimento das cadeias produtivas da sociobiodiversidade e do monitoramento participativo do uso de recursos em Unidades de Conservação e seu entorno; Diagnóstico das atividades e cadeias econômicas responsáveis pela exploração predatória e/ou ilegal dos recursos da biodiversidade; Caracterização e avaliação de impactos sinérgicos de atividades antrópicas sobre a biodiversidade e das medidas de mitigação.

Para mais informações, consulte o link do chamamento público disponível aqui.

Conheça as unidades de conservação contempladas pelos projetos de pesquisas:

Na Caatinga:

Estação Ecológica de Aiuaba (CE);
Estação Ecológica Raso da Catarina (BA);
Estação Ecológica do Seridó (RN);
Parque Nacional do Catimbau (PE);
Parque Nacional da Chapada Diamantina (BA);
Parque Nacional da Serra da Capivara (PI);
Parque Nacional Serra das Confusões (PI);
Parque Nacional de Sete Cidades (PI);
Parque Nacional de Ubajara (CE).

Na Mata Atlântica:

Floresta Nacional de Rio Preto (ES);
Parque Nacional dos Campos Gerais (PR);
Parque Nacional de Caparaó (ES/MG);
Parque Nacional do Itatiaia (RJ/MG);
Parque Nacional Do Monte Pascoal (BA);
Parque Nacional da Serra da Bocaina (RJ/SP);
Parque Nacional da Serra dos Órgãos (RJ);
Reserva Biológica de Pedra Talhada (AL/PE);
Reserva Extrativista Marinha da Baía de Iguapé (BA);
Refúgio da Vida Silvestre dos Campos de Palmas (PR).

 

*Com informações do Ministério do Meio Ambiente

 

 

 

Comentários

comentários