Os novos brigadistas vão integrar a Força Tarefa Previncêndio do Estado e reforçar as equipes que trabalham nas unidades de conservação do Estado. Foto: Inês Sadala de Brito Melo Franco/Arquivo Sisema

Os novos brigadistas vão integrar a Força Tarefa Previncêndio do Estado e reforçar as equipes que trabalham nas unidades de conservação do Estado. Foto: Inês Sadala de Brito Melo Franco/Arquivo Sisema

A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) de Minas Gerais abriu nesta terça-feira (26/04) um processo seletivo para a contratação temporária de 377 brigadistas e quatro líderes regionais de brigada para atuarem na prevenção, monitoramento e combate à incêndios florestais. A inscrição é gratuita e pode ser feita até o dia 2 de maio, exclusivamente pela internet.

O contrato temporário tem duração de quatro meses, podendo ser prorrogado, carga horária de 40 horas semanais e salário base que varia de R$ 880 a R$ 1.760, mais benefícios. Os novos brigadistas vão integrar a Força Tarefa Previncêndio do Estado e reforçar as equipes que trabalham em 48 unidades de conservação mineiras.

As vagas de brigadista pedem que os candidatos tenham ensino fundamental incompleto. Já os postos de líder regional de brigada exigem o ensino médio completo. Além disso, o candidato deve ter idade mínima de 18 anos, ser brasileiro nato ou naturalizado, estar em dia com as obrigações militares e eleitorais.

O processo seletivo simplificado será em três fases para brigadistas e quatro para líder de brigada. A primeira etapa inclui a análise e comprovação dos documentos originais. Os classificados para a segunda fase farão um curso de formação de brigada Previncêndio, com duração de 32 horas, onde o candidato precisará ter, no mínimo, 60% de aproveitamento. A terceira fase consta de teste de aptidão física e de habilidade para o uso de ferramentas agrícolas. Na última etapa, os líderes de brigada passarão por uma entrevista.

Para mais detalhes, veja o edital do Processo Seletivo Brigadistas 2016.

 

*Com informações da Agência Minas

 

 

 

Comentários

comentários