aracari-banana_acervo FFSP

Um araçari-banana come um dos frutos nativos da Mata Atlântica. Foto: Fundação Florestal/Acervo


O combate às espécies exóticas de vegetação é um dos desafios enfrentados pelas unidades de conservação brasileiras. O Núcleo Caraguatatuba do Parque Estadual da Serra do Mar (SP) está prestes a dar um passo importante para lidar com esse problema: uma ação irá erradicar as exóticas e plantar 1.650 mudas de árvores nativas da Mata Atlântica, a verdadeira ocupante do parque.

A ação de restauração florestal acontecerá no entorno da sede administrativa do parque, em uma área de 1,11 hectares, e removerá espécies de palmeiras exóticas que foram plantadas há mais de 25 anos. As bromélias, orquídeas e cactáceas que estiverem no tronco de alguma das árvores removidas serão resgatadas e plantadas no entorno do centro de visitantes. Entre as mudas escolhidas para plantio estão as palmeiras do bioma, como a palmeira-juçara, a palmeira-jerivá, e outras como a pitanga, o cambuci e a uvaia.

De acordo com o gestor do núcleo, Miguel Nema Neto, o manejo de exóticas é fundamental porque evita que o problema se alastre floresta adentro. “As espécies exóticas são consideradas um problema ambiental, por competirem fortemente com as nativas. Por isso, o manejo para controle ou erradicação das exóticas evita a continuidade da dispersão delas pela fauna, possibilitando maior germinação, estabelecimento e melhor desenvolvimento das espécies nativas”, explica Neto.

Além dos benefícios ecológicos, o parque ganhará um novo atrativo: uma pequena trilha que será chamada de Pomar das Nativas, onde os visitantes poderão conhecer de perto os frutos da Mata Atlântica. 

 

*Com informações Fundação Florestal SP

 

 

 

Comentários

comentários