Parque Lagoa do Peixe. Foto: Joao Bastista Cardozo/ICMBio

Parque Lagoa do Peixe. Foto: Joao Bastista Cardozo/ICMBio


Aberto à comunidade e turistas, o 13º Festival Brasileiro das Aves Migratórias reunirá especialistas de diversas partes Brasil e do mundo para contemplar e estudar o rico universo das aves migratórias. Entre quinta-feira (26/10) e sábado (28/10), o Parque Nacional da Lagoa do Peixe (RS) será o principal local de eventos. O evento é oportunidade para que as pessoas possam observar, conhecer e celebrar essas diversas espécies de aves e a conservação da biodiversidade.

A unidade de conservação localizada na península da Lagoa dos Patos é reconhecida internacionalmente como pólo de observação de aves. O parque tem mais de 270 espécies de aves registradas, como o flamingo (ave símbolo da unidade), o cisne de pescoço preto, o coscoroba, o talha-mar e os maçaricos. 

O festival apresentará uma vasta programação dentro do parque e na cidade de Tavares, com destaque para as saídas guiadas para observação de aves, uma chance para a comunidade local e turistas conhecerem mais sobre a importante avifauna no Parque Nacional da Lagoa do Peixe.

Parque Lagoa do Peixe. Foto: Joao Bastista Cardozo/ICMBio

Parque Lagoa do Peixe. Foto: Joao Bastista Cardozo/ICMBio


O evento contará com a presença de cientistas da área de meio ambiente e biologia que vão compartilhar o seu conhecimento por meio de palestras abertas ao público. Além disso, o festival inclui diversas opções de entretenimento, oficinas para adultos e crianças, atividade de ecoturismo, apresentações artísticas como um baile de encerramento no sábado.

Promovido pela Sociedade para a Conservação das Aves do Brasil (SAVE Brasil), o festival é organizado pela Prefeitura Municipal de Tavares e pelo Parque Nacional da Lagoa do Peixe, e conta com o apoio da Roteiro Lagoa do Peixe e Sebrae-RS.

Veja a programação completa do 13º Festival Brasileiro de Aves Migratórias no site da Prefeitura de Tavares e no blog do Parque Nacional Lagoa do Peixe.

 

*Com informações da Comunicação do ICMBio

 

 

 

Comentários

comentários