Proposta pretende transformar 54,2 km² da Lagoa do Índio em uma unidade de conservação. Foto: Maksuel Martins/SEMA-AP


A Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amapá concluiu projeto para a criação de 3 unidades de conservação de uso sustentável nos municípios de Macapá e Santana: uma área de proteção ambiental (APA) e duas áreas de relevante interesse ecológico (ARIE). A proposta de criação das unidades surgiu a partir de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado entre o Governo do Estado e o Ministério Público, como forma de compensação pelas intervenções no meio ambiente causadas pela construção de uma ponte sobre a Lagoa dos Índios.

A área de proteção ambiental englobará a Lagoa dos Índios, entre a Linha Verde e a Linha do Marco Zero. Já as áreas de relevante interesse ecológico estarão localizadas no Igarapé da Fortaleza, em Santana, e na Ressaca do Tacacá.

De acordo com o secretário de Estado do Meio Ambiente, Bernardino dos Santos, as áreas em questão possuem aproximadamente 54 km² e abrangem ressacas dos municípios de Macapá e Santana, com extensão que vai da Linha Verde até à margem direita do Igarapé da Fortaleza, que divide os dois municípios, conforme termo de referência elaborado pela secretaria. “A nossa previsão é de que todo o processo seja concluído até março de 2019, garantindo o desenvolvimento sustentável dessas regiões”, destacou Bernardino.

Além da construção da ponte, o projeto prevê a revitalização de todo o entorno da Lagoa dos Índios, que mede 420 metros, onde serão construídas quatro pistas, ciclovia, área de contemplação, acostamento, sinalização e iluminação.

 

*Com informações do Instituto Estadual de Florestas do Amapá

 

 

 

Comentários

comentários