Espécies como a Tartaruga de pente (Eretmochelys imbricata) são preservadas com as ações do Projeto Tamar. Foto: Acervo Projeto Tamar

Espécies como a Tartaruga de pente (Eretmochelys imbricata) são preservadas com as ações do Projeto Tamar. Foto: Acervo Projeto Tamar


Projeto Tamar comemorou neste fim de semana (06 e 07/04) o nascimento do filhote simbólico de tartaruga marinha de número 35 milhões com solturas em 26 pontos do litoral brasileiro, entre eles, o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha (PE) e a Reserva Biológica de Comboios (ES). A festa marcou a conquista de 35 Milhões (#35M) de tartarugas salvas e devolvidas ao mar, um feito reconhecido internacionalmente de uma das mais bem-sucedidas iniciativas de conservação marinha do mundo.

O Projeto Tamar começou em 1980 e, dois anos depois, salvou os primeiros 2 mil filhotes. Atualmente, o Projeto devolve ao mar por ano mais de 2 milhões de tartarugas. Além disso, 5 mil animais adultos e jovens são resgatados de situações de risco, provocadas principalmente por redes e anzóis.

Com o patrocínio da Petrobras desde 1982, hoje, o Projeto é a soma de esforços entre a Fundação Pró-TAMAR e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Trabalha na pesquisa, proteção e manejo das cinco espécies de tartarugas marinhas que ocorrem no país, todas ameaçadas de extinção: tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta), tartaruga-de-pente (Eretmochelys imbricata), tartaruga-verde (Chelonia mydas), tartaruga-oliva (Lepidochelys olivacea) e tartaruga-de-couro (Dermochelys coriacea). Protege cerca de 1.100 quilômetros de praias e está presente em 26 localidades, em áreas de alimentação, desova, crescimento e descanso das tartarugas marinhas, no litoral e ilhas oceânicas dos estados da Bahia, Sergipe, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina.

 

*Com informações do Projeto Tamar, ICMBioDiário de Pernambuco

 

 

 

 

Comentários

comentários