Parque Estadual do Bacanga




Parque Estadual do Bacanga
Esfera Administrativa: Estadual
Estado: Maranhao
Município: São Luís
Categoria: Parque
Bioma: Amazônia
Área: 2.623 hectares
Diploma legal de criação: Criado através do Decreto Estadual n° 7.545, de 07 de março de 1980, e reduzido ao tamanho atual pela Lei Ordinária Estadual n° 7.712, de 14 de dezembro de 2001.
Coordenação regional / Vinculação: Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais do Maranhão
Contatos: Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais do Maranhão

Telefone: (98) 3235-7981

Unidade de Conservação do Parque Estadual do Bacanga

E-mail: dharabrandao@hotmail.com Telefone: (98) 3235-6575

Índice

Localização

Localizado na capital maranhense, São Luís.

Como chegar

Ingressos

Não há cobrança de entrada, nem infraestrutura de apoio e controle da visitação.

Onde ficar

Objetivos específicos da unidade

Conservar ambientes naturais favoráveis ao desenvolvimento de atividades humanas de caráter científico, educativo e recreativo; Preservação de áreas naturais como testemunho das condições primitivas da flora e da fauna; diversificação do turismo em São Luís, como atividade geradora de renda para o Estado.

Histórico

Tendo sido criado a partir da Floresta Protetora dos Mananciais da Ilha de São Luís (Decreto-Lei Federal nº 6.833, de 26.08.1944), o Parque vem sofrendo seguidas reduções da área total motivadas principalmente por ocupações irregulares.

Do ponto de vista da conservação e exploração de seus recursos hídricos, a represa do Batatã é de valor vital para a cidade, porquanto recebe a precipitação de cerca de 2.000 mm de chuva por ano, com a infiltração no seu aqüífero de 30% (306mm – Estudo da ACQUAPLAN, 1972) do total de águas precipitadas na área do sistema, produzindo e distribuindo água suficiente para abastecer mais de cem mil habitantes.

Do ponto de vista dos recursos da flora, a reserva funciona como pulmão da ilha, alimentando a oxigenação do meio ambiente, deixando-o mais saudável. Geograficamente se apresenta como desafio, pois o parque serve como equilíbrio entre a poluição industrial e as áreas residenciais, uma vez que, no entorno do Parque, estão os complexos viário, portuário, aeroviário, penitenciário, o distrito industrial, a universidade federal, a escola agrícola, o sistema de energia da Eletronorte e mais de 400 mil habitantes, incluindo o eixo Itaqui-Bacanga-Centro-Zona Rural.

De acordo com a Lei 9985/00, toda unidade de conservação tem uma área de entorno ou amortecimento (um raio de dez km), onde podem existir atividades produtivas, desde que restritas e previamente disciplinadas, de maneira a não comprometer sua integridade ambiental, pois, tal entorno, é considerado rural.

Ora, o Parque Estadual do Bacanga não possui essa área de amortecimento, uma vez que os seus limites se encontram em processo aceleradíssimo de urbanização. Estudos acadêmicos demonstram que num período de dez anos (1991 e 2001), a sua população mais que triplicou, passando de 18.240 para 60.564 habitantes. Tal fato exerce forte pressão sobre o Parque, com tendência à sua total destruição, visto que, hoje, conta com uma população beirando a casa dos cem mil.

Atrações

Aspectos naturais

O Parque Estadual do Bacanga possui vegetação remanescente de floresta amazônica em interface com mata ciliar, manguezal, mata de cocais e cerrado.

Relevo e clima

Fauna e flora

Problemas e ameaças

Ocupações irregulares, urbanização do entorno e ausência de zona de amortecimento da UC; desmatamento; falta de fiscalização e da regularização fundiária.

Fontes

http://sistemas.mma.gov.br/cnuc/index.php?ido=relatorioparametrizado.exibeRelatorio&relatorioPadrao=true&idUc=1882

https://josuemoura.blogspot.com.br/2011/04/parque-estadual-do-bacanga-entidades.html