Parque Estadual do Utinga

O Parque Estadual do Utinga (PEUt) é uma Unidade de Conservação Estadual criada com o objetivo de preservar ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica, estimular a realização de pesquisas científicas e, além disso, incentivar o desenvolvimento de atividades de educação ambiental, incluindo o turismo ecológico. Sua criação objetivou assegurar a potabilidade da água por meio do manejo dos mananciais e da recuperação das áreas degradadas e ampliar a vida útil dos lagos Bolonha e Água Preta, responsáveis por 63% do abastecimento de água.

Fique por dentro das novidades do Parque Estadual do Utinga no Blog do WikiParques


Parque Estadual do Utinga
Esfera Administrativa: Estadual
Estado: Para
Município: Belém e Ananindeua
Categoria: Parque
Bioma: Amazônia
Área: 1.353 ha
Diploma legal de criação: Decreto estadual n° 1.552/1993

Alteração da denominação e criação do Conselho Consultivo: decreto estadual nº 1.330/2008 e Instituição da área territorial: decreto estadual nº 265/2011

Coordenação regional / Vinculação: IDEFLOR-Bio
Contatos: Endereço: Avenida João Paulo II,

S/nº, Curió-Utinga. Cep: 66610-770

(91) 3110-5705

Índice

Localização

O Parque Estadual do Utinga (PEUt) é a unidade-símbolo da diversidade biológica presente na Região Metropolitana de Belém

Como chegar

Totalmente inserido na Área de Proteção Ambiental da Região Metropolitana de Belém. Limite ao norte com os bairros Guanabara e Castanheira; a oeste com o bairro Souza; a leste com os bairros Aurá e Águas Lindas; e aosul com o bairro Curió-Utinga.

O acesso ao parque é via terrestre. A guarita de entrada principal localiza-se na avenida João Paulo II, a qual pode ser acessada pela rua do Utinga, a partir da avenida Almirante Barroso.

Ingressos

Onde ficar

Objetivos específicos da unidade

O parque foi criado para proporcionar um espaço de lazer à comunidade; desenvolver atividades científicas, culturais, educativas, turísticas e recreativas; e preservar a fauna e a flora da Unidade de Conservação (UC) de proteção integral.

Histórico

A história de criação do Parque Estadual do Utinga está diretamente relacionada ao histórico de abastecimento de água da RMB. A primeira iniciativa de proteção da área ocorreu em 3 de setembro de 1881, a partir da aprovação do Estatuto da Companhia de Águas do Grão-Pará, empresa de procedência inglesa. Esta companhia foi a primeira a demarcar o território necessário à proteção dos mananciais para o abastecimento da cidade de Belém

Atrações

A área é utilizada para caminhar, correr, andar de bicicleta e/ou de patins, além de exercícios contemplativos de beleza cênica e meditativos. Estimula, ainda, o ecoturismo a partir de múltiplas opções de trilhas com diferentes níveis e percursos – todas em contato direto com a abundância e a riqueza de espécies de fauna e flora presentes.

Aspectos naturais

Dentro do Parque predomina a floresta ombrófila densa terra baixa , onde as classes vegetais predominantes são a floresta de terra firme (54,15%), a floresta inundável de igapó (6,78%), a floresta secundária (4,33%), a vegetação aquática (7,31%); a vegetação de igapó em regeneração (1,31%) e o fragmento florestal isolado (0,18%).

Relevo e clima

A classificação Am é característica de clima tropical de monção, e a Af, de clima tropical úmido ou equatorial. No parque predomina o latossolo amarelo, que ocupa 82,4% (1.149 hectares) da área

Fauna e flora

Há ocorrência de florestas de igapó, que compõem a mata às margens dos Lagos Bolonha e Água Preta e áreas de terreno baixo e úmido, assim como há também a presença de floresta ombrófila densa, distribuída por diversas áreas ao longo do Parque. O levantamento florístico primário por meio de Avaliação Ecológica Rápida, registrou 1.656 indivíduos, distribuídos em 47 famílias, 119 gêneros e 151 espécies de formas diferentes de vida

Problemas e ameaças

No período de 2004 até 2014 não ocorreu incremento nos percentuais de desmatamento no Parque Estadual do Utinga, estagnando o percentual de desmatamento da UC em 54% que corresponde a 4,81 ha, segundo dados retirados do PRODES que realiza o monitoramento de desmatamento na Amazônia. Invasões Construções e moradias irregulares Lazer e uso não regulamentados Caça e pesca Deposição de lixo doméstico e esgoto nos lagos Poda de árvores na área dos linhões da ELETRONORTE e COSANPA

Fontes

http://ideflorbio.pa.gov.br/unidades-de-conservacao/regiao-administrativa-de-belem/parque-estadual-do-utinga/

http://ideflorbio.pa.gov.br/wp-content/uploads/2014/10/PMUtinga_26out2013.pdf