Parque Nacional Serra das Confusões



Carregando mapa...
Parque Nacional Serra das Confusões
Esfera Administrativa: Federal
Estado: Piaui
Município: Alvorada do Gurguéia, Bom Jesus, Brejo do Piauí, Canto do Buriti, Caracol, Cristino Castro, Curimatá, Guaribas, Jurema, Redenção do Gurguéia, Santa Luz e Tamboril do Piauí
Categoria: Parque
Bioma: Caatinga
Área: 823.843 hectares
Diploma legal de criação: Decreto s/n ° de 2 de outubro de 1998.
Coordenação regional / Vinculação: Parna federal, órgão gestor ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade)
Contatos: Tel: (89) 3589-1208

Endereço sede: José Wilmington Paes L. Ribeiro - Rua João Dias, 398 Caracol, Piauí.,
CEP: 64.795-000

Índice

Localização

O Parna localiza-se no sudoeste do Piauí e abrange os municípios de Alvorada do Gurguéia, Bom Jesus, Brejo do Piauí, Canto do Buriti, Caracol, Cristino Castro, Curimatá, Guaribas, Jurema, Redenção do Gurguéia, Santa Luz e Tamboril do Piauí.

A UC situa-se a uma distância de 620 Km de Teresina.

Como chegar

O acesso ao Parque Nacional da Serra das Confusões se faz pela cidade de Caracol, na divisa com a Bahia, distante cerca de 600 quilômetros da capital Teresina. Para chegar lá, siga pelas rodovias BR-343 e PI-140 (Transpiauí) até São Raimundo Nonato. Dali, são mais 80 quilômetros pela PI-144 até Caracol.

A partir de Teresina (PI) a melhor opção de acesso é pegar a BR-316 em direção ao sul, seguir pelas BR-343 e BR-230 até Floriano, cujo percurso é de 258 Km e, depois, pela PI-140 até Canto do Buriti (165 Km), segue pela BR-324 – PI-140 até São Raimundo Nonato (103 Km).

O percurso de Teresina a São Raimundo Nonato é feito em estrada asfaltada. De São Raimundo Nonato à sede da Unidade (na sede municipal de Caracol), o acesso é feito por uma estrada de terra e o percurso é de 96 Km.

Outra opção de acesso rodoviário é a partir de Petrolina (PE), cidade com aeroporto nacional. Seguir pela BA-235 até São Raimundo Nonato (341km de asfalto), em seguida por uma estrada de terra até a sede da Unidade no município de Caracol.

O centro urbano mais próximo do Parque é Caracol, que dista cerca de 10 km da guarita principal da Unidade. São Raimundo Nonato tem ligação com outras capitais por vias rodoviárias: a BR-020 em direção ao norte se liga a Fortaleza, para o sul se liga a Barreira (BA), e Brasília, sendo parte do trecho ainda não pavimentado.

Ingressos

Ainda não está aberto ao público, somente para cientistas com autorização do ICMBio.

O Parque tem passado por reestruturações com a construção do centro de visitação e guaritas.

Onde ficar

A cidade Caracol, de apenas 4 mil habitantes, é a mais próxima do parque e conta com algumas pousadas bem modestas para receber turistas. São Raimundo Nonato, porta de entrada para o Parque Nacional da Serra da Capivara, está a 80 quilômetros. É uma cidade bem maior, com cerca de 20 mil habitantes e mais opções de hotéis, restaurantes e agências bancárias.

Objetivos específicos da unidade

A UC tem como objetivo proteger as espécies que constam na lista de extinção, assim como conservar a beleza cênica e os sítios arqueológicos.

Histórico

Este é o maior parque do Piauí e da região nordeste que conta com grandes belezas cênicas de alto valor histórico e cultural. Além de ser o sexto em extensão no país.

A colonização do Piauí deu-se do centro para o litoral. Os fazendeiros do São Francisco a procura de novas expansões para suas criações de gado, passaram a ocupar a área a partir de 1674, com cartas de sesmarias concedidas pelo governo de Pernambuco, terras situadas às margens do rio Gurguéia.

Um desses sesmeiros, Capitão Domingos Afonso Mafrense, conhecido como Domingos Sertão, fundou 30 fazendas de gado, tornando-se o mais proeminente colonizador da região. As fazendas foram legadas aos padres da Companhia de Jesus, que contribuíram de forma decisiva para o desenvolvimento da pecuária piauiense, que atingiu seu auge em meados do século XVIII. Nessa época, os rebanhos da região abasteciam todo o Nordeste. Com a expulsão dos jesuítas, as fazendas de Mafrense foram incorporadas à Coroa e entraram em declínio.

A região onde está localizado o Parque Nacional da Serra das Confusões abrigou populações que datam da pré-história, comprovadas pelos inúmeros sítios arqueológicos localizados principalmente no centro-norte, com 32 já cadastrados dos quais 13 encontram-se no interior da UC e os demais no seu entorno.

Nos sítios rupestres ocorrem registros figurativos de pinturas e gravuras, com representações de figuras de animais e humanas, tanto estáticas quanto de cenas do cotidiano.

Atrações

Apenas seis pontos na área do parque podem ser visitados, com acesso a partir de duas entradas. Pela Portaria Caracol, a cerca de 20 quilômetros da cidade homônima, chega-se à Gruta do Riacho dos Bois, ao Baixão das Andorinhas, ao sítio de Moquém e aos mirantes da Janela dos Sertões e das Andorinhas. Já a Portaria dos Gerais (Portaria Japecanga), no município de Cristino Castro, faz a ligação com a Chapada dos Gerais.

Entre os atrativos estão as grutas, cavernas e formações rochosas. Apenas o Desfiladeiro das Andorinhas e a Gruta do Riacho dos Bois podem ser visitados em carro convencional ou a pé. As demais atrações (como Moquém e Chapada dos Gerais) requer a utilização de carro com tração nas quatro rodas. Para conhecer os atrativos do parque, é necessário estar acompanhado de um condutor credenciado pela Associação de Condutores do Parque Nacional da Serra das Confusões.

Aspectos naturais

A UC está situada ao sul do estado do Piauí, na zona interfluvial entre as bacias hidrográficas dos rios Parnaíba e São Francisco. A região onde o Parque está inserido apresenta inúmeras cavernas de dimensões e formas consideráveis, tanto em comprimento quanto em altura, apresentando-se muitas vezes com lagos ou completamente secas. Apesar da vasta quantidade e diversidade de cavernas, estas ainda não foram estudadas ou cadastradas com maior profundidade.

Relevo e clima

A região é bastante quente. Seu clima é semi-árido. A temperatura média anual no sudeste do Piauí é elevada (28° C), sendo o mês mais frio junho, com temperatura média de 25°C, máxima de 35°C e mínima de 12°C. O início da estação das chuvas em outubro e novembro é o período mais quente do ano. Nesse período, a temperatura média é de 31°C, com máximas de 45°C.

Foram identificados os tipos de relevo que envolvem depressões periféricas, chapadões do Alto-Médio Parnaíba, planalto Oriental da Bacia do Maranhão-Piauí, baixos Planaltos do Médio-Baixo Parnaíba, tabuleiros Pré-Litorâneos e planície costeira.

Fauna e flora

A UC abriga algumas espécies em extinção como a jacutinga, o veado-campeiro, o tatu-canastra, o tamanduá-bandeira, o guariba-preto, e as onças parda e pintada.

Problemas e ameaças

De uma forma geral, as comunidades do entorno do Parque não têm informações mais aprofundadas quanto aos objetivos e as restrições de uso da Unidade. O fato de ser uma área relativamente conservada ainda guarda em si uma fauna muito cobiçada pelos caçadores.

A região central do Parque, por onde passa uma estrada que dá acesso a Lagoa Jacu, também éuma área cobiçada pela caça, bem como ao longo da estrada que passa dentro a UC e que liga Caracol ao Povoado de Japecanga. Onde há acesso por estradas também existe penetração de gado no Parque.

A comunidade de Caracol tem uma grande expectativa quanto à possibilidade de na implantação do Parque ser gerado emprego para a população local. É o município com maior envolvimento com o Parque até o momento, pois foi o principal incitante para sua criação.

A área onde está situado o Parque Nacional foi considerada pelo Serviço de Patrimônio da União como terra devoluta existindo alguns títulos que estão sendo analisados quanto a sua legitimidade, bem como, as posses estão sendo levantadas para fins de desapropriação e/ou indenização das benfeitorias, de modo a resolver definitivamente as questões fundiárias. É comum a criação extensiva de animais domésticos como aves, gado, cabras e porcos, os quais são criados soltos, pastoreando grandes áreas. As propriedades utilizam o fogo como manejo de cultura.

Constitui ainda prática da população residente e vizinha da UC a retirada de madeira, principalmente o marmeleiro para construção de cercas entrelaçadas, o angico para outro tipo de cercas, a aroeira, o ipê amarelo e roxo para moirões e outras espécies para carvão vegetal. Além destes, é retirado o mel silvestre, muito utilizado pela população local como alimento e de uso medicinal.

Fontes

http://www.icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/unidades-de-conservacao/biomas-brasileiros/caatinga/unidades-de-conservacao-caatinga/2131-parna-da-serra-das-confusoes

Portaria de criação: http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/imgs-unidades-coservacao/portarias/Parna_Serra_das_Confusoes_port_34_de_24_03_2010.pdf

http://observatorio.wwf.org.br/unidades/cadastro/322/

http://www.brasil.gov.br/localizacao/parques-nacionais-e-reservas-ambientais/parque-nacional-da-serra-das-confusoes-2013-pi

http://www.piaui.pi.gov.br/noticias/index/id/10498

http://cncflora.jbrj.gov.br/?q=pt-br/node/98

http://www.viagem-natureza.com.br/site/index.php/parque/parque-nacional-da-serra-das-confusoes

Plano de Manejo, 2003: http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/imgs-unidades-coservacao/parna_serra_das_confusoes.pdf