Parque Nacional da Tijuca

Localizado em pleno coração da metrópole carioca, o Parque Nacional da Tijuca (PNT), no Rio de Janeiro é o parque mais visitado do Brasil. O parque abriga múltiplos atrativos, entre eles o símbolo da cidade, o Corcovado. Com quase 4 mil hectares de extensão, o PNT é um símbolo de preservação da Mata Atlântica em pleno meio urbano.

Fique por dentro das novidades do Parque Nacional da Tijuca no Blog do WikiParques


Carregando mapa...
Parque Nacional da Tijuca
Esfera Administrativa: Federal
Estado: Rio de Janeiro
Município: Rio de Janeiro
Categoria: Parque
Bioma: Mata Atlântica
Área: 3.958 hectares
Diploma legal de criação: Criado em 6 de Junho de 1961 Decreto 50.932; Decreto-Lei 60.183 de 8 Fevereiro de 1967.
Coordenação regional / Vinculação: Parna federal, órgão gestor ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade)
Contatos: Tel: (21) 2492-2252 / 2253; 2491-1700; 2492-5407 / 2252 / 2253 ; 2495-4863

Endereço sede: Estrada da Cascatinha, 850. Alto da Boa Vista.
CEP: 20531-590
Email: parnatijuca@icmbio.gov.br
Blogue: http://parnatijuca.blogspot.com.br/

Índice

Localização

O Parque Nacional da Tijuca localiza-se na cidade do Rio de Janeiro e é a maior floresta urbana do mundo. A Unidade de Conservação federal é composta pela Floresta da Tijuca, Serra da Carioca, Pedra Bonita e Pedra da Gávea. O parque pode ser visitar o ano todo.

Como chegar

O acesso principal fica localizado na Praça Afonso Vizeu, e pode ser alcançado pela Estrada do Alto tanto em direção à Barra da Tijuca (Av. Edson Passos) quanto em direção à Tijuca (Estrada das Furnas). É possível utilizar as linhas de ônibus 301, 333, 308, 309 e 345.

Aos que pretendem visitar o Setor Serra da Carioca, sugerem-se os acessos pelos bairros Cosme Velho (R. Almirante Alexandrino) ou Alto da Boa Vista (R. Amado Nervo), ambas em direção às Paineiras e Corcovado. As linhas de ônibus são 583, 584, 569 e 570.

Uma terceira opção é subir pela Rua Pacheco Leão em direção à Vista Chinesa e Mesa do Imperador. Neste caso, é possível utilizar a linha 409 até o ponto final no Horto e seguir pela estrada até entrar no parque.

O Setor Pedra Bonita e Pedra da Gávea tem acesso pela Barra da Tijuca (Estrada Sorimã) e São Conrado (Estrada das Canoas), sendo indicado principalmente aos praticantes de voo livre e montanhismo em geral. Existe a opção de o visitante pegar o ônibus em São Conrado 447 (sentido Maracaí) que sobe a Estrada das Canoas e segue até o Alto da Boa Vista.

As inúmeras opções de caminhos permitem a visitação a pé, bicicleta, moto, carro e ônibus. Para alcançar a estátua do Cristo Redentor e o mirante do Corcovado, é possível utilizar um trem pela Estrada de Ferro Corcovado (na Rua Cosme Velho).

A Floresta da Tijuca, a Serra da Carioca e o Parque Lage abrem diariamente de 8h às 17h e, no horário de verão, até 18h. O Corcovado funciona de 8h às 19h e, no horário de verão, até 20h.

Ingressos

A Floresta da Tijuca, a Pedra da Gávea e a Serra da Carioca têm entrada gratuita,

Só existe cobrança para ir ao Corcovado, onde fica a estátua do Cristo. Nos finais de semana, feriados e nos meses da alta temporada (dezembro-fevereiro e julho) o ingresso cobrado é de R$26,53. Nos dias de semana da baixa temporada o valor é de R$ 18,53.

Menores de 12 anos de idade e maiores a partir de 60 anos com residência permanente são isentos de taxas.

Caso o visitante chegue ao Corcovado usando o bondinho, o preço é de R$ 43,00.

Onde ficar

Na cidade do Rio de Janeiro existem muitas opções de hospedagem e hotéis. Consultar sites de turismo ou o Guia Oficial da Prefeitura do Rio de Janeiro: http://www.rioguiaoficial.com.br/

Objetivos específicos da unidade

O Parque Nacional tem como objetivo básico a preservação de ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica, possibilitando a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades de educação ambiental, recreação em contato com a natureza e turismo ecológico.

O Parna da Tijuca tem como objetivos específicos proteger uma amostra de Mata Atlântica de encosta dentro de uma região metropolitana, além de espécies de fauna e flora ameaçadas de extinção, sítios históricos e nascentes do maciço da Tijuca.

Histórico

O Parque Nacional da Tijuca teve seu nome definitivamente em 8 de fevereiro de 1967, por meio do Decreto Federal nº 60.183. Com uma área de 39,51 km², equivalente a 3,5% da área do município do Rio, o Parna incorpora locais como o Parque Lage, o Maciço da Tijuca, Paineiras, Corcovado e Gávea Pequena.

A UC está compartimentada em quatro setores: Floresta da Tijuca, Serra da Carioca, Pedra Bonita/Pedra da Gávea e Pretos Forros/Covanca. O Parna apresenta flora e fauna diversificadas, com belezas naturais como grutas e cachoeiras, além da estátua do Cristo Redentor, considerada uma das sete maravilhas do mundo moderno.

O parque nacional é a maior floresta urbana do mundo e, por isso, oferece importantes serviços ambientais à cidade, pois contribui para a regulação do equilíbrio hídrico, controle de erosão de encostas, prevenção contra assoreamento dos cursos d’água, além da conservação da qualidade do solo e regulação clima do estado.

O Parna oferece ainda mirantes com vistas panorâmicas, como a Vista Chinesa, o Mirante Dona Marta e Vista do Almirante. Com uma visita de cerca de dois milhões de visitantes por ano, a UC oferece áreas de lazer como a Cascatinha, Bom Retiro, Mayrink e o Açude da Solidão.

O parque é atualmente o mais visitado do Brasil, recebendo mais de 2 milhões de visitantes por ano.

Atrações

Os atrativos do parque são as trilhas que são caminhadas moderadas como a Pedra Bonita (693 m), Pico do Papagaio (987 m) e o Pico da Tijuca (1.021 m) e, ainda uma caminhada um pouco mais difícil para alcançar a Pedra da Gávea (844 m).

Veja a lista das trilhas:

- Pedra da Gávea (mais Pedra Bonita e Agulhinha): Maior bloco monolítico à beira mar do mundo, com mais de 800 metros de altitude. Somente em 1830, foram realizadas as primeiras expedições ao seu topo. O destino também é muito procurado por turistas que buscam a emoção da asa delta.

A caminhada até a Pedra da Gávea leva cerca de 3 horas, tem extensão de 1.670 metros e apresenta um grau pesado de dificuldade. O início da trilha tem como ponto de partida e Estrada do Sorimã, na Barra da Tijuca.

- Parque Lage/Corcovado: localizado na Serra da Carioca a 704 metros, a trilha se inicia no Parque Lage e leva o visitante até os trilhos do bonde que ficam atrás do Hotel Paineiras, famoso hotel inaugurado em outubro de 1884. Após a caminhada, o visitante pode aproveitar momentos de lazer nas duchas ao ar livre, mirantes e vias de escalada, que se encontram ao longo das Paineiras.

A caminhada até o Corcovado leva cerca de duas horas e meia, tem extensão de 2.240 metros e apresenta um grau pesado de dificuldade. Ao final da trilha, o visitante pode conhecer o monumento do Cristo Redentor e pode adquirir o ingresso próximo às roletas, localizadas no platô superior do Corcovado.

- Pico da Tijuca (mais Bico do Papagaio): este é o ponto mais alto do Parque Nacional da Tijuca, com 1.021 metros de altitude. O Pico da Tijuca é acessível por trilha ou escalada. Seu platô permite a observação da cidade em 360º, tornando-o referência carioca na prática do montanhismo. A caminhada até o Pico leva cerca de uma hora, tem extensão de 2.800 metros e apresenta um grau moderado de dificuldade.

- Castro Maya (Trilha Circular Interna): É um circuito que leva o caminhante a visitar locais, edificações, fontes e monumentos de interesse histórico-cultural, a partir de um conjunto de trilhas interligadas de grande beleza. A caminhada até o Pico leva cerca de dois dias percorridos separadamente, tem extensão de 12.000 metros e apresenta um grau pesado de dificuldade. O ponto de partida é o Playground da Mayrink e passa pelo Centro de Visitantes, a Cachoeira das Almas, as Ruínas de Midosi, o circuito das Grutas, as ruínas da Fazenda. Já no segundo dia de caminhada, o trajeto passa pelo Jardim dos Manacás, a Cova da Onça, o Açude da Solidão, as Ruínas do Almeida e Hípica.

- Major Archer (Trilha Circular Externa): O nome tem origem no Major Archer que, em 1861, iniciou o reflorestamento do Parna da Tijuca. Durante 13 anos, ele, com a ajuda de mais seis escravos, plantaram cerca de 100 mil mudas. A caminhada leva cerca de quatro dias percorridos separadamente e inicia no portão da Praça Afonso Viseu e passa por vários atrativos naturais e históricos ao longo do trajeto como a Pedra do Conde, o Morro do Anhanguera, o Mirante do Excelsior, o Pico da Tijuca, o Pico do Papagaio, o Morro da Taquara, o Museu do Açude e o Mirante da Cascatinha.

Além das trilhas é possível conhecer a Estrada das Paineiras, situada nos pés do Cristo Redentor. Ao longo do caminho, o visitante se depara com fontes de água mineral e duchas naturais, além de vários mirantes dos quais é possível apreciar as vistas da Lagoa Rodrigo de Freitas, as praias de Copacabana, Ipanema e Leblon.

O Mirante Dona Marta fica localizado na Estrada das Paineiras, a 364 metros de altitude. Já a Vista Chinesa foi construída entre 1902 e 1906 em homenagem aos chineses que trouxeram o cultivo do chá para o Brasil. A Cascatinha Taunay tem uma queda d’água de 30 metros de altura e boa para banhos. O Lago das Fadas foi construído em 1944 e recebeu o nome do administrador da floresta, o Barão d’Escragnolle. Já o Mirante do Excelsior se situa na Estrada do Excelsior e foi construído de 1874-1887.

Aspectos naturais

A UC contém um número significativo de biodiversidade e espécies que constam da lista brasileira de ameaçadas de extinção.

A maior floresta urbana do mundo conserva um importante fragmento de Mata Atlântica coberta pela Floresta Ombrófila Densa Secundária em avançado estágio de regeneração.

Relevo e clima

O relevo é montanhoso e a presença de escarpas íngremes, onde se destacam o Pico da Tijuca (1.021 metros), a Serra da Carioca (710 metros) onde se localiza o Corcovado, o conjunto Pedra Bonita/Pedra da Gávea e a Serra dos Pretos-Forros & Covanca, conferem ao Parque Nacional da Tijuca uma beleza cênica única, contrastando o verde da mata com as superfícies rochosas e o mar.

O clima do parque tem uma abundante precipitação de chuva, com um período seco no inverno. Locais situados a até 500 metros de altura, possuem clima de área tropical. Acima dessa altitude, a temperatura é do tipo climático temperado.

Fauna e flora

O ecossistema é composto pela Mata Atlântica montana e sub-montana. O Parna tem um catálogo de 1.619 espécies vegetais e, destas, 433 estão ameaçadas de extinção. A flora reúne espécies como murici, ipê-amareio, ipê-tabaco, angicos, caixeta-preta, cambuí, urucurana, jequitibá, araribá, cedro, ingá, açoita-cavalo, pau-pereira, cangerana, canelas, camboatá, palmito, brejaúba, samambaiaçus, quaresmeiras, caetés, pacovas, líquens, musgos, orquídeas e bromélias.

Já as espécies animais são, ao todo, são 328, entre anfíbios, aves e mamíferos, dos quais 16 estão ameaçadas de extinção. Da fauna, existem muitos insetos, aranhas e outros artrópodes; cobras como caninanas, corais, jararaca e jararacuçus; lagartos como calangos, iguanas e teiús; aves como saíras, rendeiras, tangarás, arapongas, beija-flores juritis, gaviões, urubus, urus, jacupembas e inhambus-chintã; mamíferos como sagüis, macacos-prego, cachorros-do-mato, quatis, guaxinins, pacas, ouriços-coendu, caxinguelês, tapitis, tatus, tamanduás-mirim e gambás.

Problemas e ameaças

Segundo o Observatório de UCs da Rede WWF, o valor de mercado de recursos é alto e é de fácil acesso para atividades ilegais.

A caça é constante e tem uma grau moderado de ocorrência entre 15 e 50% do tamanho da área. Assim como a ocupação humana que tem um impacto severo sobre a UC, está espalhada em quase a metade da área do parque e tende a aumentar ligeiramente nas próximas décadas. Os incêndios de origem antrópica permanecem constantes na UC e tem um impacto moderado sobre o parque.

Já a coleta de produtos não madeireiros é espalhado e tem um alto impacto sobre a unidade. Contudo, tende a diminuir ligeiramente a longo prazo nos próximos 20 anos.

Já foi constatado que o Parna da Tijuca tem sofrido com desmatamento e ocupações irregulares.

Fontes

http://www.parquedatijuca.com.br/

http://parnatijuca.blogspot.com.br/

http://www.parquedatijuca.com.br/publicacoes.php?tipo=2

http://www.icmbio.gov.br/parnatijuca/

http://www.icmbio.gov.br/parnatijuca/guia-do-visitante.html

http://www.icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/unidades-de-conservacao/biomas-brasileiros/mata-atlantica/unidades-de-conservacao-mata-atlantica/2198-parna-da-tijuca http://observatorio.wwf.org.br/unidades/cadastro/385/