Parque Nacional de Aparados da Serra

Fique por dentro das novidades do Parque Nacional de Aparados da Serra no Blog do WikiParques


Carregando mapa...
Parque Nacional de Aparados da Serra
Esfera Administrativa: Federal
Estado: Rio Grande do Sul
Município: Cambará do Sul e Praia Grande
Categoria: Parque
Bioma: Mata Atlântica
Área: 13.000 hectares
Diploma legal de criação: Decreto n° 47.446 de 17 de dezembro de 1959 / Decreton° 70.296 de 17 de março de 1972.
Coordenação regional / Vinculação: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
Contatos: Tel: (54) 3251-1277

Endereço sede:
Rodovia RS 429, KM 18 - Cx Postal 10
Cambará do Sul, Rio Grande do Sul.
CEP: 95.480-000
Email: parnaaparadosdaserra@icmbio.gov.br

Índice

Localização

Localizado na região conhecida como Aparados da Serra na divisa com o Parque Nacional da Serra Geral. A UC fica entre os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina.

Como chegar

O acesso é feito através da RS-020 ou pela BR-101, por Praia Grande (SC) via Serra do Faxinal. A cidade mais próxima à UC é Cambará do Sul a 190 km de distância de Porto Alegre.

De Santa Catarina, é preciso seguir pela BR-101, entrada do acesso para São João do Sul - Praia Grande (21 km pela SC290 - antiga SC450 - até Praia Grande) e 23 km de estrada de terra até a entrada do Parque, subindo pela Serra do Faxinal (SC290, depois RS 427). Praia Grande fica a cerca de 300 km da capital Florianópolis e a 210 km da capital Porto Alegre, pela BR 101.

Já pelo Rio Grande do Sul, é preciso acessar o trevo para Cambará do Sul (na Rota do Sol ou RS-020). Em Cambará, dobrar à direita na Estrada do Itaimbezinho (RS-427), e então seguir 18km de estrada de terra até a entrada do Parque. Cambará do Sul fica a cerca de 190 km de distância da capital Porto Alegre

Ingressos

Valor do ingresso individual é R$ 14,00 por pessoa, mas brasileiros têm desconto, pagando apenas R$ 7,00.

Menores de 12 anos de idade e maiores a partir de 60 anos são isentos. Para veículos, o valor é: R$ 5,00 para automóveis, R$ 10,00 para ônibus e R$ 3,00 para motos.

O Parque é aberto à visitação todo o ano.

O horário de visitação do Parque Nacional de Aparados da Serra (Cânion Itaimbezinho) é das 8h às 17h (permanência até 18h), de terça a domingo (abrindo nas segundas de feriados nacionais, Carnaval, Natal e Ano Novo). Para a Trilha do Cotovelo é necessário adentrá-la antes das 15h.

Onde ficar

Há opções de hospedagem nos municípios de Praia Grande (SC) e Cambará do Sul (RS).

Objetivos específicos da unidade

Entre os objetivos específicos da UC está o de preservar os ecossistemas naturais de grande relevância cênica, possibilitando a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades de educação ambiental e turismo ecológico.

Histórico

Os Aparados da Serra são as encostas da Serra Geral em vertical de parte do Sul do Brasil. Estas encostas foram chamadas pelos tropeiros de Aparados pois estão em vertical e parecem ser cortadas por facas. Foi dessa forma que relataram os tropeiros que atravessavam as grandes Gargantas (Canyons) quando desbravavam o Sul do país.

As teorias científicas dão conta de que há 200 milhões de anos, sucessivos derrames basálticos deram origem ao Planalto Meridional do Brasil com uma extensão de um milhão de quilômetros quadrados.

Num período geológico posterior, o imenso continente Gondwana que abrigava toda essa região começou a rachar dando origem aos continentes da África e América. Processos tectônicos e erosivos há 120 milhões de anos em fase subsequentes deram à região características singulares formando os Aparados da Serra no nordeste do Rio Grande do Sul com divisa do extremo Sul de Santa Catarina, sendo parte mais ao Norte no Planalto Sul da Serra Catarinense.

A alta umidade, a acidez do solo e a elevada quantidade de matéria orgânica são fatores responsáveis pela vegetação exuberante. Na parte mais baixa são encontradas espécies remanescentes da Mata Atlântica, enquanto que na parte alta aparecem os pinheiros de araucária, árvore símbolo da região. Já nas bordas do planalto aparece a matinha nebular que leva esse nome devido à freqüente formação de nevoeiros.

Os tropeiros foram os desbravadores desta região e abriram caminhos que desciam os Aparados. A “Serra Velha”, atual Serra da Rocinha, caminho para carros e caminhões já foi caminho para Bento Gonçalves e Anita Garibaldi (História da Revolução Farroupilha) que tropeavam em direção ao litoral (Laguna e Araranguá - SC).

Os Aparados da Serra Geral, hoje Aparados da Serra, ficam entre 25 a 30 km de distância do Oceano Atlântico em linhas retas. Do litoral sul de Santa Catarina é possível observar grande parte dos Aparados.

Atrações

O maior atrativo do Parque é o Cânion Itaimbezinho. Com profundidade de até 700m, paredões verticais e fenda estreita, este é um dos maiores das Américas.

São três trilhas abertas ao público, das quais a trilha do Vértice e a do Cotovelo as principais atrações. A Trilha do Rio do Boi é o acesso ao interior do cânion e a entrada é pelo Posto de Informação e Controle do Rio do Boi, no município de Praia Grande (SC).

- Trilha do Vértice: é a mais curta com 1,4 km de extensão. Leva-se em média 45 minutos de caminhada e é de nível fácil. O primeiro mirante permite ver a Cascata das Andorinhas, que possui uma queda de aproximadamente 300 metros. Suas águas são formadas pelo arroio Perdizes. No segundo mirante é possível ver a Cascata Véu de Noiva com uma queda de 500 metros. Suas águas são formadas pelo arroio Preá, que ajuda na formação do rio do Boi (na parte de baixo do cânion). O terceiro mirante oferece a vista das duas cascatas e o início do Itaimbezinho, que é em forma de vértice e dá origem ao nome da trilha.

-Trilha do Cotovelo: possui 6,3 km de extensão e leva em média 2h30 de caminhada. É considerada de nível fácil. A maior parte do trajeto (4 km) é feita por uma antiga estrada do parque. O restante do caminho é feito pela borda do cânion. No mirante, é possível ver a imagem clássica dos paredões do Itaimbezinho com o caminho do rio do Boi no meio.

-Trilha Rio do Boi: é a mais longa e a mais difícil. O acesso é por Praia Grande (SC) e só é possível fazê-la com acompanhamento de um guia ou condutor credenciado. A caminhada é feita na parte de baixo do Itaimbezinho, no seu interior. São 8,3 km de trilha passando por dentro do rio com pedras. A caminhada dura de cindo a sete horas. No verão o passeio possibilita banhos em cachoeiras e piscinas naturais. O visitante percorre uma trilha entre paredões de 700 metros de altura.

Aspectos naturais

O Parque situa-se numa região que está encrava na formação geológica da Serra Geral e é formado pelo bioma da Mata Atlântica e constitui uma rica floresta de Araucárias, campos e penhascos.

Os Aparados da Serra Geral possuem a maior parte de Mata Atlântica preservada do Brasil onde podem ser encontrados animais silvestres como o puma “Leão Baio” ou o veado campeiro muito comum na área central da montanha.

Os Aparados ainda têm o maior número de vertentes de águas cristalinas do Brasil.

Este complexo de cânions tem uma altitude de até 1.800 metros. Ao longo da cadeia existem 36 grandes cânions, sendo que 25 possuem nomes e 12 são os mais chamativos por sua longa extensão.

Os Grandes Cânions brasileiros são de grande profundidade e extensão, alguns chegam até 7 km extensão em uma profundidade de até 900 metros.

Relevo e clima

O clima é temperado, apresentando média anual de 16 graus. O mês mais quente é janeiro e os mais frios são junho e julho.

O relevo é caracterizado por desfiladeiros com paredões verticais de 700 metros de altura que culminam em campos suavemente ondulados do planalto.

Fauna e flora

O Parna é morada para papagaios-de-peito-roxo, jaguatirica, guaxinim e leão-baio.

A flora do parque constitui-se de trechos de floresta de araucária, campos e floresta pluvial atlântica. Seus principais representantes são o pinheiro-do-paraná, gramíneas e ervas, e árvores de grande porte como a cangerana.

Entre os mamíferos que constituem a fauna estão o puma, o lobo-guará, o graxaim e o veado-campeiro. O parque abriga três espécies de aves ameaçadas de extinção: o gavião-pato, o gavião-pega-macaco e a águia-cinzenta. Além desses, existem ali diversas espécies de répteis.

Problemas e ameaças

A UC tem níveis significativos de biodiversidade e contém um número significativo de espécies que constam da lista de espécies ameaçadas de extinção.

A unidade ainda protege ecossistemas cuja abrangência tem diminuído significativamente.

Os incêndios de origem antrópica têm um alto impacto e tendem a diminuir ligeiramente na região. Porém a pastagem gera um alto impacto e tende a permanecer constante, ao passo que a ocupação humana deve aumentar de forma drástica a longo prazo.

Fontes

http://observatorio.wwf.org.br/unidades/cadastro/295/

http://viagem.uol.com.br/guia/cidade/aparados-da-serra.jhtm

http://ecoviagem.uol.com.br/brasil/rio-grande-do-sul/parque-nacional/aparados-da-serra/

https://www.facebook.com/aparadosdaserra

http://www.turismo.rs.gov.br/portal/index.php?q=atrativo&id=2271&bd=&fg=2

http://www.aparadosdaserra.net/

http://www.guiaaparadosdaserra.com.br/


http://www.icmbio.gov.br/portal/o-que-fazemos/visitacao/ucs-abertas-a-visitacao/729-parque-nacional-de-aparados-da-serra.html

http://www.icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/unidades-de-conservacao/biomas-brasileiros/mata-atlantica/unidades-de-conservacao-mata-atlantica/2195-parna-de-aparados-da-serra

http://www.icmbio.gov.br/parnaaparadosdaserra/

Decreto de criação: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/Antigos/D47446.htm