Reserva Biológica Atol das Rocas

Fique por dentro das novidades da Reserva Biológica Atol das Rocas no Blog do WikiParques



Reserva Biológica Atol das Rocas
Esfera Administrativa: Federal
Estado: Rio Grande do Norte
Município: Litoral do Rio Grande do Norte - águas continentais
Categoria: Reserva Biológica
Bioma: Marinho Costeiro
Área: 35.186,41 hectares
Diploma legal de criação: Dec nº 83.549 de 05 de junho de 1979
Coordenação regional / Vinculação: CR6 -Cabedelo
Contatos: ENDEREÇO / CIDADE / UF / CEP: Av. Alexandrino de Alencar, 1399 Natal/RN – CEP: 59015-350

TELEFONE: (84) 3201-4230 r:234/ 3608-4716/ 9134-0164

Índice

Localização

Fica a 144 milhas náuticas (267km) a E - NE da cidade de Natal, estado do Rio Grande do Norte, e a 80 milhas náuticas (148km) a W do Arquipélago de Fernando de Noronha, estado de Pernambuco, na área definida pelas coordenadas 03º 45 e 03º 56 latitude sul e 33º 37 e 33 º 56 longitude oeste.

Como chegar

Embarcação Formalmente Autorizada

Ingressos

Não é aberto à visitação pública

Onde ficar

É uma reserva biológica e seu objetivo é somente pesquisa e educação. Não há visitação. Em águas continentais, dentro da Zona Econômica Exclusiva brasileira

Objetivos específicos da unidade

- Preservação/Conservação de espécies . Pesquisa . Educação Ambiental

Histórico

O primeiro mapa que mostra o Brasil descoberto pelos portugueses, o Planisfério de Cantino, de 1502, já registrava a existência do Atol das Rocas. Uma outra menção a Rocas é atribuída ao Almirante Dario Paes Leite, que descreveu o naufrágio de uma das naus da expedição liderada pelo navegador português Gonçalo Coelho à costa do Brasil, em 1503.[1] [4] Apesar de ser conhecido desde o século XVI, o primeiro mapa detalhado de Rocas surgiu apenas em 1852, desenhado pelo Capitão-Tenente Phillip Lee, com a denominação de Baixo das Rocas ou Baixo das Cabras. Rocas aparece caracterizado como atol em 1858, num levantamento batimétrico feito pelo Comandante Vital de Farias. O primeiro naturalista a mencionar Rocas foi Jean de Léry, em 1880.

Devido à pouca profundidade de suas águas, a navegação nesse trecho da costa é muito perigosa. Os acidentes marítimos em Rocas eram frequentes e, no final do século XIX, no dia 19 de novembro de 1881 iniciou-se a construção do primeiro farol do Atol das Rocas, na ilha atualmente conhecida como Ilha do Farol (Rodrigues, 1940 e Andrade, 1959, citados por Kikuchi, 1999).

A Reserva foi designada como Sítio Ramsar , área úmida de importância internacional em 2015. A Convenção de Ramsar é um tratado internacional que tem como objetivo conservar e fomentar o uso racional de áreas úmidas que, no tratado, considera as áreas marinhas até 6 metros de profundidade como área úmida.

Atrações

A REBIO do Atol das Rocas se caracteriza como um ambiente insular oceânico, com a presença do único atol do Atlântico Sul, formado predominantemente por algas coralinas e com feições geomorfológicas atípicas, pois apresenta características tanto dos atóis do Atlântico quanto dos atóis do Pacífico. Além disso, abriga aves migratórias, espécies ameaçadas de extinção, espécies endêmicas e um considerável número de espécies de interesse econômico, justificando sua grande relevância ecológica. A REBIO do Atol das Rocas é delimitada pela isóbata de 1000m, ou seja, se estende até a profundidade de 1000m. O atol é a feição geomorfológica que caracteriza e referencia a unidade. O atol cresce sobre um monte submarino e sua extensão é de aproximadamente 7.200ha onde se encontram duas pequenas ilhas de origem biogênica: a ilha do Farol e a ilha do Cemitério.

Aspectos naturais

Ecossistema insular marinho, oceânico, caracterizado pela presença de um atol de origem predominantemente algálica. Atol é uma ilha em forma de anel, circundando uma laguna central, caracterizado por um recife construído organicamente através de uma associação biológica de animais e plantas. O Atol das Rocas é o único atol do oceano atlântico sul.

Relevo e clima

De acordo com os dados da Marinha do Brasil, o período de chuvas do Atol das Rocas é semelhante ao Arquipélago de Fernando de Noronha, chegando a 250mm no mês de abril e 6mm no mês de outubro. A umidade relativa é alta em todos os meses, numa média de 80% ou mais

Fauna e flora

A vegetação marinha é caracterizada, até o momento, pela existência de 121 taxa de algas, sendo que grande parte é constituída de algas epífitas, dificilmente observadas a olho nu. Na REBIO do Atol das Rocas foram identificadas e catalogadas 147 espécies de peixes, sendo duas endêmicas de Atol das Rocas e Arquipélago de Fernando de Noronha, Thalassoma noronhanum (gudião limpador) e Stegastes rocasensis (donzela-de-rocas).

Problemas e ameaças

Fontes

Plano de Manejo da Rebio Atol das Rocas; Decreto nº 83.549 de 05 de junho de 1979.

Ficha Ramsar https://rsis.ramsar.org/ris/2259

Andrade, G. O. (1959). O recife anular das Rocas (Um registro das recentes variações eustáticas no Atlântico equatorial). Anais da Associação dos Geógrafos Brasileiros XI: 29-61.

Rodrigues, O. A. A. (1940). O Atol da Rocas. Revista Marítima Brasileira LIX(11-12): 1181-1228.