Reserva Biológica Estadual Banhado do Maçarico



Carregando mapa...
Reserva Biológica Estadual Banhado do Maçarico
Esfera Administrativa: Estadual
Estado: Rio Grande do Sul
Município: Rio Grande
Categoria: Reserva Biológica
Bioma: Pampa
Área: 6253
Diploma legal de criação: Decreto no. 52.144, de 10 de dezembro de 2014
Coordenação regional / Vinculação: Secretaria Estadual do Meio Ambiente do Rio Grande do Sul
Contatos:

Índice

Localização

Como chegar

Ingressos

Onde ficar

Objetivos específicos da unidade

Preservar a dinâmica hídrica das áreas de nascentes que alimentam o sistema hidológico do Taim ao Sul e as drenagens naturais associadas ao estuário da Laguna dos Patos.

Preservar amostras das fisionomias palustres do banhado no Maçarico e seus ecossistemas associados.

Preservar uma áres de reconhecida importância internacional para a conservação de aves.

Garantir a integridade de habitats para manter populações de espécies ameaçadas de extinção.

Preservar áreas insubstituíveis para uma população isolada de macuquinhos-da-várzea (Scytalopus iraiensis).

Preservar áreas de importância para a reprodução da espécie migratória caboclinho-de-papo-branco (Sporophila palustris).

Histórico

Em outubro de 2007 a Superintendência do Ibama/RS encaminhou ao presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, João Paulo Capobianco, e ao diretor de Biodiversidade do Instituto, Rômulo Mello, um manifesto multi-institucional da ONG Curicaca (de Porto Alegre), que defende a criação de uma Unidade de Conservação de Proteção Integral no Banhado do Maçarico, no município de Rio Grande (RS).

O manifesto é apoiado por diversas instituições, universidades, órgãos ambientais e ONGs que, assim como o Ibama/RS, defendem a criação da referida Unidade de Conservação, pois sustentam que o Banhado do Maçarico é considerado uma área importante para a conservação das aves no Estado do Rio Grande do Sul, com registro de diversos passeriformes ameaçados de extinção.

O projeto para a criação da reserva foi coordenado pelo diretor geral da Sema, o biólogo Luís Fernando Perelló, ao lado dos seguintes pesquisadores: Eduardo Vélez (Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Ufrgs); Giovanni Maurício (Universidade Federal de Pelotas – UFPel); Glayson Bencke (Fundação Zoobotânica – FZB); e Henrique Ilha (Estação Ecológica do Taim - Esec Taim, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio).

A área definida para a reserva evitou incluir as sedes das propriedades, mas adicionou áreas de banhados que são áreas indesejadas para muitos proprietários locais que relatam sistematicamente a perda de animais nestes ambientes.

Atrações

Aspectos naturais

Essa ampla área úmida é formada por banhados e campos litorâneos dispostos alternamente sob a forma de longas e estreitas faixas paralelas (cordões), configuradas pelas microoscilações do nível do mar durante a fase de regressão marinha holocênica.

Situa-se entre a costa oceânica e os terrenos mais elevados da planície costeira, de idade pleistocênica. A faixa palustre localizada junto à barreira, mais antiga do que aquelas situadas mais a leste, constitui o banhado do Maçarico propriamente dito, sendo caracterizada por uma turfeira espessa densamente coberta por vegetação palustre emergente (especialmente ciperáceas e gramíneas) e esparsas manchas de floresta paludosa.

As faixas subseqüentes de banhado apresentam fisionomia diferenciada, com cobertura vegetal menos densa e diversificada. Áreas relativamente restritas com águas abertas também estão presentes. Essa área situase imediatamente ao norte da Estação Ecológica do Taim e ao sul do estuário da laguna dos Patos, onde está localizada a cidade de Rio Grande.

Relevo e clima

Fauna e flora

Um inventário preliminar registrou a presença de pelo menos 170 espécies de aves nessa área. Em sua grande maioria, são espécies aquáticas ou campestres, havendo poucos representantes florestais. A população local de Sporophila palustris (caboclinho-de-papo-branco) representa, aparentemente, a maior concentração da espécie em território brasileiro durante o período reprodutivo.

Problemas e ameaças

Plantio de espécies arbóreas exóticas, queimadas sistemáticas das turfeiras, avanço de empreendimentos eólicos, sobrepastoreio pelo gado e contaminação por agrotóxicos.

A Reserva já nasceu cercada por um enorme Parque Eólico, licenciado pela FEPAM desconsiderando a intenção federal de criar uma Unidade de Conservação ali. Também ficou cruzada por uma estrada de acesso ao parque eólico, que acabou dividindo-a em duas porções.

Fontes

http://www.birdlife.org/datazone/sitefactsheet.php?id=20237

http://www.rs.gov.br/conteudo/208424/governo-do-estado-cria-nova-unidade-de-conservacao-banhado-do-macarico-em-rio-grande/termosbusca=*

http://pib.socioambiental.org/c/noticias?id=49783

http://ong.portoweb.com.br/curicaca/default.php?reg=298&p_secao=62&PHPSESSID=6ce6db9559a2344617c096da5fca95be