Reserva Biológica do Lami José Lutzenberger




Reserva Biológica do Lami José Lutzenberger
Esfera Administrativa: Municipal
Estado: Rio Grande do Sul
Município: Porto Alegre
Categoria: Reserva Biológica
Bioma: Pampa
Área: 204,04
Diploma legal de criação: Decreto-Lei Municipal n° 4097/1975.
Coordenação regional / Vinculação: Secretaria Municipal do Meio Ambiente de Porto Alegre - SMAM
Contatos: Rua Otaviano José Pinto, s/nº, Casa Verde, Porto Alegre. (51) 3258-1314.

Telefone: (51) 3258-1314

Índice

Localização

Como chegar

Ingressos

A Reserva não é aberta para visitação pública, somente para atividades com objetivos educacionais.

Onde ficar

A região de Porto Alegre conta com uma grande rede hoteleira.

Objetivos específicos da unidade

A Reserva Biológica do Lami José Lutzeberger presta importantes serviços ambientais com a salvaguarda de seus ecossistemas e biodiversidade. Entre seus principais objetivos estão a conservação da natureza, a pesquisa científica e a educação ambiental.

Histórico

Criada em 1975, seu principal objetivo é preservar a Ephedra tweediana, vegetal que é considerado raro e endêmico característico das matas de restinga, que é um dos ecossistemas mais ameaçados no Rio Grande do Sul.

Atrações

Trilha Ecológica: é uma área da Reserva Biológica destinada às práticas de educação ambiental, com grupos que agendam visitas previamente. A Reserva recebe grupos de alunos de escolas, universidades, pesquisadores e outras pessoas que se organizam e queiram participar do programa de educação ambiental.

Aspectos naturais

Relevo e clima

O clima da região é subtropical úmido sem estação seca, com temperatura média anual de 18°C.

Fauna e flora

Fauna

A capivara (Hydrochoerus hydrochaeris), o maior roedor do planeta, pode ser encontrada principalmente nas matas ciliares, em razão de seus hábitos semi-aquáticos. Também são vistas em transição entre ambientes terrestres próximo a cursos d’água. A espécie vive em pequenos agrupamentos. Há ainda a ocorrência do jacaré-de-papo-amarelo (Caiman latirostris). Espécies ameaçadas de extinção, no status vulnerável, como a lontra (Lontra longicaudis) e o bugio-ruivo também ocorrem na região. Os bugios necessitam de conexões de matas nativas, na forma de corredores de biodiversidade para a sobrevivência e manutenção da espécie. A fragmentação de ambientes naturais tem sido uma das maiores ameaças a sobrevivência dos bugios.

Flora

A Ephedra tweediana, vegetal que é considerado raro e endêmico característico das matas de restinga, que é um dos ecossistemas mais ameaçados no Rio Grande do Sul. A ocorrência do vegetal na região motivou ação inicial para a criação da Reserva Biológica do Lami em 1975. Ocorrem na Reserva Biológica espécies ameaçadas de extinção em diferentes status de conservação, de acordo com as listas oficiais do Estado, raras, endêmicas e imunes ao corte. Entre elas, podemos destacar a figueira da folha miúda (Ficus Cestrifolia), a corticeira do banhado (Erythrina crista-galli) e o butiazeiro (Butia Capitata), espécies protegidas por leis municipais e estaduais e imunes ao Corte.

Problemas e ameaças

Fontes

http://www2.portoalegre.rs.gov.br/smam/default.php?p_secao=156