Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã




Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã
Esfera Administrativa: Estadual
Estado: Amazonas
Município: Barcelso, Coari e Maraã
Categoria: Reserva de Desenvolvimento Sustentável
Bioma: Amazônia
Área: 2.350.000 hectares
Diploma legal de criação: Decreto Estadual n° 19.021, de 04 de agosto de 1998.
Coordenação regional / Vinculação: Centro Estadual de Unidades de Conservação (CEUC).
Contatos: Instituto Mamirauá

Email: mamiraua@mamiraua.org.br

Telefone: (97) 3343-9700

Índice

Localização

A Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã está localizada na região do médio curso do rio Solimões, próximo à confluência com o rio Japurá, a aproximadamente 650 km, a oeste da cidade de Manaus. A Reserva fica entre a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá e o Parque Nacional Jaú.

Como chegar

Embarcações através de Tefé (chega-se lá por avião, recreio ou ajato, a partir de Manaus).

Ingressos

Onde ficar

Objetivos específicos da unidade

Conservação dos recursos naturais e melhoria na qualidade de vida dos moradores.

Histórico

A Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã foi instituída por decreto estadual em 4 de agosto de 1998. Associada aos vizinhos: Parque Nacional do Jaú (2.272.000 ha) e Reserva Mamirauá (1.124.000 ha), forma uma área contígua de proteção com cerca de 5.746.000 ha, área superior aos territórios de países como Costa Rica e Suíça.

De acordo com dados do Censo Demográfico Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã 2011, a população total, entre moradores e usuários, da Reserva Amanã é de 3.860 pessoas, distribuídas em 648 domicílios e 86 localidades (80 dentro da reserva e seis no entorno).

As principais atividades desenvolvidas são a agricultura, a caça, a pesca e a extração de madeira. Todas as comunidades envolvidas no gerenciamento da reserva estão localizadas na bacia do rio Solimões, parte delas em ambiente de várzea e parte em ambiente de terra firme associado à várzea ou igapó. As Reservas Mamirauá e Amanã são consideradas Patrimônio Mundial pela UNESCO. Diante dos resultados positivos do modelo Mamirauá, essa experiência vem sendo replicada no Brasil e no exterior.

O Instituto Mamirauá e o Governo do Amazonas criaram, em fevereiro de 2011, um grupo de trabalho para criar o Plano de Gestão da Reserva Amanã.

Atrações

Aspectos naturais

Amanã representa uma unidade de conservação de alto valor em termos da sua biodiversidade, pois abrange florestas de várzea e terra firme. Um dos fatores mais importantes na distribuição, comportamento e diversidade de formas de vida presentes na reserva é a variação sazonal no nível da água causada pelo padrão anual do regime de inundação dos rios e lagos da região. No período da cheia, forma-se uma área de floresta inundada (igapó). Porém, a quantidade de floresta inundada é menor em comparação com as áreas de várzea, e compreende uma pequena faixa ao longo do perímetro do lago Amanã.

Na região do lago Amanã, a variação anual do nível de água é em torno de 9 a 10 metros. À medida que as águas das enchentes entram na área do lago, aumentam a disponibilidade de habitat para a fauna aquática. Já na seca, a perda de habitat aquático resulta num aumento de predação e, na medida em que os animais se tornam mais concentrados em áreas de água livre, oferecem pouco ou nenhum abrigo.

Localizada entre estas duas importantes bacias hidrológicas, a do Rio Japurá e a do Rio Negro, e um longo trecho do Médio Solimões, a Reserva Amanã possui muitos dos habitats aquáticos e terrestres presentes nos ecossistemas amazônicos mais significativos.

Relevo e clima

Fauna e flora

Estão presentes as florestas alagadas de várzea, de igapó, e as florestas de terra firme e mesmo alguns trechos de campinas e campinaranas. As matas não alagadas são as mais importantes de Amanã e apresentam algumas das maiores extensões não perturbadas da Amazônia brasileira. Este cenário favorece a presença de uma fauna rica e diversa, incluindo-se ai aquelas espécies que não ocorrem nas várzeas da vizinha Reserva Mamirauá, por causa das limitações da condição de alagamento da várzea.

Principais espécies: gavião-real, uiraçu, garça-da-mata, jacamim, uirapuru, peixe-boi, uacari-preto, anta, onça-pintada, onça-parda, etc.

Problemas e ameaças

Fontes

http://www.mamiraua.org.br/pt-br/reservas/amana/


Decreto Estadual de criação da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã [1]