Refúgio de Vida Silvestre Estadual da Serra da Estrela

O Refúgio de Vida Silvestre Estadual da Serra da Estrela tem como objetivo fundamental proteger as populações silvestres de animais e plantas nativas da Mata Atlântica ameaçadas de extinção da região da Serra da Estrela, no Rio de janeiro. A unidade de conservação tem cerca de 4.811 hectares, localizados na Região Hidrográfica da Baía de Guanabara, abrangendo áreas dos municípios de Petrópolis, Duque de Caxias e Magé, formando um corredor ecológico que liga as unidade de conservação federais, Reserva Biológica do Tinguá e o Parque Nacional da Serra dos Órgãos, integrando assim o Mosaico Central Fluminense no Corredor Ecológico da Serra-do-Mar, além de sobrepor-se parcialmente a Área de Proteção Ambiental de Petrópolis.

Fique por dentro das novidades do Refúgio de Vida Silvestre Estadual da Serra da Estrela no Blog do WikiParques



Refúgio de Vida Silvestre Estadual da Serra da Estrela
Esfera Administrativa: Estadual
Estado: Rio de Janeiro
Município: Duque de Caxias (RJ), Magé (RJ) e Petrópolis (RJ)
Categoria: Refúgio de Vida Silvestre
Bioma: Mata Atlântica
Área: 4811 hectares
Diploma legal de criação: Lei Estadual n° 7.826 de 27 de dezembro de 2017
Coordenação regional / Vinculação: Instituto Estadual do Ambiente (INEA)
Contatos: Provisoriamente sediado na Reserva Biológica Estadual de Araras

Endereço: Estrada Bernardo Coutinho, 10.351
Bairro: Gleba do Horto, Fazenda Araras, Araras
UF: RJ
Cidade: Petrópolis
CEP: 25725-020
Telefone: (24) 2225-1975 / (21) 98596-5218

Índice

Localização

Como chegar

Ingressos

Onde ficar

Objetivos específicos da unidade

O Refúgio de Vida Silvestre Estadual da Serra da Estrela tem como objetivos básicos:

I - assegurar a preservação dos remanescentes de Mata Atlântica e ecossistemas associados da região serrana do Rio de Janeiro, bem como recuperar as áreas degradadas ali existentes;

II - manter populações de animais e plantas nativas e oferecer refúgio para espécies migratórias, raras, vulneráveis, endêmicas e ameaçadas de extinção da fauna e flora nativas;

III - consolidar o corredor de biodiversidade da Mata Atlântica na Serra do Mar, ligando o novo refúgio às demais unidades de conservação da região, em especial o Parque Nacional da Serra dos Órgãos e a Reserva Biológica do Tinguá;

IV - contribuir para o ordenamento da ocupação do solo na região, evitando a urbanização do último fragmento de florestas nativas da Serra da Estrela;

V - oferecer oportunidades de visitação, recreação, interpretação, educação e pesquisa científica, estimulando o desenvolvimento do turismo em bases sustentáveis dos municípios onde se situa;

VI - assegurar a continuidade dos serviços ambientais prestados pela natureza.

Histórico

Atrações

Aspectos naturais

Relevo e clima

Fauna e flora

A região apresenta fauna e flora riquíssimos, destacando a ocorrência das espécies de fauna sagui-da-serra-escuro (Callithrix aurita), mico-leão-dourado ('Leontopithecus rosalia'), gato-do-mato (Leopardus guttulus), apuim-de-costas-pretas (Touit melanonotus) e de flora, Xaxim (Dicksonia sellowiana), Jussara (Euterpe edulis) e o Cedro Rosa (Cedrela fissilis), além de recursos naturais abundantes, por exemplo, contabilizados cerca de 117 nascentes e a abrangência de 116 quilômetros de cursos d’água (base COGET/INEA) e beleza cênica exuberante com a ocorrência de cachoeiras, mirantes, trilhas, rampas de salto, sítios históricos como a Estrada Real e outros atrativos turísticos.

Problemas e ameaças

Fontes

INEA