Refúgio de Vida Silvestre de Boa Nova

Com extensão de 15.023,86 hectares, o Refúgio da Vida Silvestre de Boa Nova é uma unidade de proteção integral e tem como bioma predominante a Mata Atlântica, entretanto, sua área também é composta por parte da Caatinga. Tal fato constitui uma característica muito peculiar do local, tendo em visa que, em menos de 15 km é possível passar da seca Caatinga, para a úmida Mata Atlântica e, na transição entre estes dois biomas, está a Mata de Cipó, uma das fitofisionomias mais ameaçadas da Mata Atlântica, havendo apenas 2,6% remanescentes em todo o país.



Refúgio de Vida Silvestre de Boa Nova
Esfera Administrativa: Federal
Estado: Bahia
Município: Boa Nova (BA), Dário Meira (BA), Iguaí (BA), Manoel Vitorino (BA)
Categoria: Refúgio de Vida Silvestre
Bioma: Mata Atlântica
Área: 15023,86
Diploma legal de criação: Decreto nº s/nº, de 11/06/2010
Coordenação regional / Vinculação: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
Contatos: Endereço: Av Presidente Dutra, 702 - Centro - Vitória da Conquista/BA - CEP: 45.000-010

E-mail: parna.revis.boanova@icmbio.gov.br

Índice

Localização

O Refúgio da Vida Silvestre de Boa Nova está localizado no Estado da Bahia à, aproximadamente, 430 km de Salvador, e abrange os municípios de Boa Nova, Manoel Vitorino e Dário Meira.

Como chegar

Ingressos

A visitação no RVS de Boa Nova é aberta ao público, tendo como atração principal a observação de pássaros. O procedimento de visita ao local não é manejado, e, por estar localizado em propriedades privadas, pode sofrer restrições dos moradores. Até o momento, a informação de que se dispõe é que eles vêm permitindo a visita, não interpondo qualquer obstáculo, nem mesmo a cobrança de ingressos. Exigem, apenas, a contratação de guia local. O horário de visitação é de segunda-feira a domingo, das 06 às 21 horas.

Onde ficar

Objetivos específicos da unidade

I - proteger integralmente e regenerar os ecossistemas naturais da transição entre Mata Atlântica e Caatinga, especialmente a Mata-de-Cipó; II - garantir a manutenção de populações viáveis de espécies de aves e mamíferos ameaçadas de extinção, especialmente o gravatazeiro (Rhopornis ardesiacus); III - manter e recuperar mananciais e cursos d'água; IV - possibilitar o desenvolvimento de atividades de educação e interpretação ambiental, recreação em contato com a natureza e turismo ecológico; e V - possibilitar o desenvolvimento de pesquisa científica. Parágrafo único. O Refúgio de Vida Silvestre de Boa Nova tem também por objetivo proporcionar conectividade entre as áreas do Parque Nacional de Boa Nova.

Histórico

O processo de criação desta Unidade, concomitante com o Parque Nacional de Boa Nova, iniciou-se com um projeto da SAVE BRASIL - Sociedade para a Conservação das Aves do Brasil, organização não governamental que faz parte da aliança global da BirdLife International, possuindo como foco a proteção das aves brasileiras. Em 1999, a SAVE implantou o “Programa de Conservação de Boa Nova”, que visava promover uma educação ambiental na comunidade deste município, devido ao fato de que esta área era considerada uma das mais negligenciadas pelo Brasil no âmbito da conservação.

Atrações

Aspectos naturais

Solo

Podzólico Vermelho Amarelo à oeste, Latossolo Vermelho Amarelo a leste.

Geologia

Predominância de rochas cristalinas do Bloco Jequié.

Hidrologia

Drenagens intermitentes à oeste, densa malha de dernagens perenes à leste. bacia do Rio de Contas, sub bacia do rio Gongogi, microbacia do rio da Uruba.

Relevo e clima

Relevo

Relevo bastante ondulado com altitudes variando entre 440 e 1.111 m

Fauna e flora

Fauna

A quase extinta Mata de Cipó abriga uma espécie endêmica de ave, chamada de Gravatazeiro ou Pêga-de-gravatá (Rhopornis ardesiacus), e, sendo este seu habitat natural, a consequência do desmatamento foi a entrada desta espécie no rol de animais em extinção, sendo atualmente considerada uma das aves mais raras da América Latina. Por este motivo, o RVS de Boa Nova tem um papel muito importante, pois é devido a esta proteção que tanto o Gravatazeiro como seu habitat ainda sobrevivem.

Além do gravatazeiro, a unidade de conservação abriga também outras inúmeras espécies de pássaros, como o urubu-de-cabeça-vermelha, aracuã-de-barriga-branca, beija-flor-de-peito-azul, peitica, alegrinho, dentre outras, chegando à quantidade de 428 espécies de aves já registradas. Por esta razão, o RVS de Boa Nova é internacionalmente considerado como ponto imprescindível em rotas de observadores de pássaros.

Flora

Bastante variada e com imensa heterogeneidade de hábitats. As fitofisionomias se apresentam em faixas paralelas de oeste para leste: caatinga, mata de cipó (floresta semidecidual submontana), floresta ombrófila montana e floresta semidecidual de terras baixas.

Problemas e ameaças

Fontes

http://sistemas.mma.gov.br/cnuc/index.php?ido=relatorioparametrizado.exibeRelatorio&relatorioPadrao=true&idUc=1907

http://repositorio.uniceub.br/bitstream/235/11082/1/eBook_Monumentos_Naturais.pdf